Pular para o conteúdo principal

A noite - centésima part...

Em uma noite fresca e de muito calor, porque o sol nos trópicos é de matar, Doida Summer (Rebecca DeHoney) resolve sair para curtir um sambinha, mas com visíveis segundas intenções, já que anteriormente ela havia acertado com Mister Long Hair (High Mountain) que se veriam no tal lugar. A fim de não ir sozinha e dar na cara que estava lá para ver o moço, Doida convida Linda (Alinne Redhair) para ir ao samba. esta aceita prontamente. Doida convida também Lili (Linda DeHeight) que aceita, mas, alegando uma headache mais tarde, resolve não ir. Sozinha pelas ruas, Doida  segue até o bar do Tom tornado, e chega cedo, sentando-se em uma cadeira e ficando completamente deslocada. depois de um tempo, Singer Girl (Caroline cantora) chega e convida Doida para se juntar à sua mesa. Doida vai, sem parar de olhar pra todos os lados, à procura de Linda e Mister Long Hair. Linda não chega, mas Mister Long Hair sim. Ele não vê Doida, que para chamar-lhe a atenção, levanta da cadeira e acompanha o samba. Nisso, Singer Girl já foi embora, pois é uma menina responsável e tem q preparar aulas, enquanto Mister Guapo Boy (T-são) chega e junta-se à Doida, já que também encontra-se alone. Mister Long Hair continua sem notar a presença de Doida. Quase no fim do samba, Guapo Boy resolve dar um empurrãozinho e leva Doida até perto do rapaz, pra q ele note sua presença. Após comprar uma cerva, Mister Long Hair vira-se e Doida acena para ele, que finalmente a vê. Guapo Boy se despede e deixa Doida aos cuidados de Long Hair. Ele a leva para sua roda de amigos, mas logo se despede também, pois havia anteriormente combinado com amigos de ir numa festinha de alojamento. Quase sem disfarçar sua frustração, Doida fica boiando por ali, e logo os amigos de Long Hair que ficaram também vão embora. Sem mais o que fazer, Doida vai embora também, lembrando que havia jurado de pés juntos que não iria dormir em casa para a mocinha que mora com ela, sendo que a mocinha estava liberada para levar o namorado... Doida anda devagar e inesperadamente, chegando perto de casa, vê Mister Perfect (C.J. Swords)  passar por ali de bike, dando uma carona pra não sei quem, não dava pra ver de longe... Doida continua andando e vê Mister Perfect voltando. Ele para e os dois engatam uma longa conversa, que acaba em mais um mico e uma frustração, para completar a noite perfeita de Doida. Ela volta para casa e encontra sua colega lá, mas sem o namorado, que ficou constrangido de dormir lá.

cast:
Rebecca DeHoney como Doida Summer
High Mountain como Mister Long Hair
Alinne Redhair como Linda
Linda DeHeight como Lili
Caroline Cantora como Singer Girl
T-são como Guapo Boy
C.J. Swords como Mister Perfect

importante dialogues:
- o que eu faço, Guapo Boy? Long hair não me viu!!!
- levanta um poukinho pra ele te ver...
(minutos depois...)
- aff to quase indo lá!
- hm vai uai! vcs combinaram?
- é, mais ou menos.
- já ficaram?
- sim...

- e ai, vc veio sozinha??
- é, fikei de encontrar uma amiga aqui, mas ela ainda não chegou..
- hm...

- e aí, como vc tá?
- to bem, e vc?
- hm tbm...
(silencio e barulho das pessoas e de grilos...)
- é, então, vc chegou agora?
- não, faz tempo que tô aí!
- sério? onde vc tava?
- tava lá dentro, eu te vi chegando!
- putz, eu nem te vi!
- ...

- então, vou me
- tbm vou-me
- ah eu tbm
- é, fui..
(Doida pensativa no meio do nada, diz a si mesma: - é tbm vou neh)

conversas com Mister Perfect: melhor não comentar....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…