Pular para o conteúdo principal

Help!


Help, I need somebody help!
The Beatles - Help

Estou cheíssima de coisas a fazer e no entanto venho pro blog. Bom, no entanto não, por isso mesmo venho pro blog, como um escape. De repente me bateu uma tristeza porque provavelmente não terei um casamento tradicional e por já estar com um bebê a caminho. Sim, eu atropelei algumas fases, como venho fazendo desde 2008. Parece que o acontecido de 2008 desencadeou uma série de acontecimentos sobre os quais não tenho o menos controle; como efeito borboleta, o vento do bater das asas de 2008 ainda causa seus furacões na minha vida. 
Está tudo muito difícil: tenho ainda minha vida acadêmica, tendo que cumprir prazos de trabalhos e provas e assistir as aulas que dá; tenho tentado estudar para um concurso cuja prova acontecerá neste próximo domingo, em BH; planejo minhas aulas, tenho que corrigir provas e trabalhos de meus (des)interessados alunos; tenho que manter meu namoro que nem sei mais o que é e logo moraremos juntos, o que praticamente já temos feito há algum tempo; tenho meus compromissos com a Igreja, com Deus; tenho um monte de exames a fazer e a enrolação do SUS na marcação de exames está me deixando doida, cheguei a chorar de raiva - pensar em plano de saúde agora está fora de cogitação; cumpro horários de monitoria na universidade para manter uma bolsa da qual não posso abrir mão, por enquanto; trabalho também como revisora de abstracts na revista de ciências humanas da universidade; ofereço ainda meus serviços de revisora e tradutora, mas não sou boa em divulgação e propaganda, que é a alma do negócio; preciso conseguir alguém para ocupar minha vaga na república, coloquei anúncios no face e até agora, nada; tenho que começar a arrumar a mudança, porque a casa nova já está disponível e vou ganhar os primeiros aluguéis; professores usam minha função de monitora para que eu auxilie com exercícios. E, além de tudo, estou grávida. Nas duas vezes em que senti isso, a sensação se evaporou logo, como se minha mente estivesse querendo negar o fato ou ignorar, sei lá. Anseio pelo próximo ultrassom, nem marcado ainda. É, tem a pobreza, característica quase genética minha...
Estou segurando a onda pra não deprimir ou melancolizar ainda mais. Hoje ouvi umas músicas animadas, mas agora à tarde, escrevendo e corrigindo coisas, estou nas músicas melancólicas. Dizem que a gravidez muitas vezes deixa a gente assim. E tenho evitado de falar sobre com as pessoas. Sempre me perguntam como está o bebê e imagino que esteja bem. Não o sinto e mal tenho barriga. E não sei com qual das coisas que citei acima devo me preocupar ou ocupar mais. Tenso. Help!!
Aí tenho que pensar também no chá de bebê, precisava inclusive de um de panela e vem aí meu aniversário, pensei em juntar chá com aniversário, mas eu estarei com oito meses de gravidez, tenho medo de alguma antecipação. 
Estou extremamente emotiva e com a pele altamente sensível; muitas coceiras e alergias brotando. Agora mais do que nunca me sinto só. Minha mãe está vindo pra me dar um pouco de apoio, espero que chegue logo. 
...
De repente, uma tristeza, porque não foi assim que eu imaginei, não foi nada disso que pensei pra minha vida. E deixar a vida levar não é nada legal. 

Comentários

Eilan disse…
Mas tudo tem uma razão e tenho certeza que vc vai superar estes percalços no caminho.

bjo!

eilan

borderline-girl.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…