Pular para o conteúdo principal

Crises...

Crises vão e vêm... crises de tosse? estranho... Ontem quase morri por causa de uma: sabe quando você engole alguma coisa, tipo quando tá comendo, e engole a comida e ela desce pelo lugar errado? Você tosse, tosse, tosse e o q foi pelo lado errado acaba saindo. Mas eu não estva comendo nada e nem engoli nenhum moskito: o que engoli foi saliva mesmo, o que foi suficiente pra desencadear uma crise de tosse das mais angustiantes e mortais que já tive: eu sempre disse que morria disso, e ontem achei mesmo que ia pro além, tentando achar o ar que não vinha pra dentro e nem saía de jeito nenhum. Cinco, dez, quinze, vinte minutos... nem sei mais quanto tempo tossi sem respirar, sem parar. Senti minha garganta dilatar, como se fosse explodir... ao final da sessão de tosse aguda, eu não tinha voz e minha garganta dóia muito, muito mesmo. E como eu não parava de tossir, as lágrimas se juntaram, e eu chorava e tossia desesperadamente. Seria cômico se não fora trágico, e como foi trágico!

Já me imaginava sem voz tendo que aprender libras por obrigação e contando a todos que eu cantava e dava aulas, mas agora, não podia fazer mais nada... Ao acordar hoje de manhã, achei realmente que não tinha mais voz e não abri a boca com medo. Tive que fazer uma ligação e, ufa, lá estava a minha voz novamente, baixa, estranha, saindo forçada, mas lá estava. A tosse também afetou meus ouvidos, de alguma forma, pois eu sentia não estar ouvindo tudo muito claramente. Agora acho que voltou ao normal.

O dia de ontem foi uma loucura só.Começou dando tudo errado: eu tava com uma certa tosse já, sintomas de gripe que ia e vinha... resolvi ir à Divisão de Saude daki e me mandaram pra enfermagem. A enfermeira mediu minha pressão, perguntou o que eu sentia. Eu disse tudo. Aí ela pediu que eu marcasse uma consulta com o medico, disse que tinha vagas para hoje. Fui lá e não tinha vagas. Me estressei e fui embora, mas pensando em ligar hoje de manhã pra marcar. Hoje liguei e consegui para amanhã. ôh rolo! Bom, continuando com ontem, saí dali estressada, já com raiva... fui resolver algumas coisas e nada se resolvia: fui ao serviço de bolsa e só posso continuar no alojamento mediante apresentação de TODA aquela documentação de 5 anos atrás, de novo!! Jesus...daí fui parar no serviço psicossocial para marcar consulta com algum psicólogo(a). Agora eles estão lá na Vila Gianetti, 28. Tinha um rapaz lá que me atendeu, falando superbaixo - será que além de muda vou ficar surda também? - e disse que era psicólogo e que ia me atender na hora mesmo. Tá né... esperei, preenchi uma ficha, depois ele me chamou. Parecia meio malukinho, pensei: esse cara é mais maluco do que eu", apesar de bonito. Maluco e gay, provavelmente. Bom, e daí, eu já desisti mesmo... conversamos... é claro que tinhamos que tocar no assutno relacionamentos e de repente eu me vi num mar de lágrimas... "Isso é uma coisa que mexe com vc né? porque?" Ah, doutor, se vc soubesse também ia chorar...mas a minha garganta fechou, olhei pra ele, homem, não falei muita coisa, nem metade do que tenho vontade de falar... Ele estipulou 6 sessões, marcou um outro dia, me deu um abraço. Fui embora me sentindo meio ridícula. Daí fui almoçar e fui dar aula a tarde até a noite, tossindo... Quando voltei pra casa é que deu a maldita crise. Achei que ia partir mesmo, não achava ar, por mais de meia hora ou sei lá, pareceu uma eternidade... Hoje acordei com os olhos inchados do choro-tosse.

and I wonder what is happening to me... o que será isso, alguma doença nova? já estou com cancêr na garganta por ter fumado um maço no máximo de cigarro durante os dois últimos anos? O pior são já algumas sequelas: estou com uma tremenda falta de ar, respiro e dói, ando um pouquinho e dói, falar também dói.

changing the subject, recebi as fotos de Petrópolis, enfim. Colokei só uma aqui, o resto tá no orkut. Bye!
Eu com a Catedral São Pedro Alcântara ao fundo. Linda, não? (a catedral!!hehe)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…