Pular para o conteúdo principal

Estranhamento

Hoje o dia foi todo estranho: almocei pelo segundo dia consecutivo no RU e tudo bem, mas na hora da janta, fui sozinha e estranhei demais: o que eu to fazendo comendo ainda no RU? ainda dependendo da UFV? Depois, ás 20h30 fui pra aula... aula?? eu, formada, no meio do pessoal do terceiro periodo, ainda nakela animação boba de calouro, e eu lá, putz...foi muito estranho, como se eu tivesse voltado no tempo, regredido... como se eu estivesse atrasada, mas atrasos são comuns na minha vida: aos 12, 13, as menininhas da minha sala comentavbam sobre sua mestruação, e eu... tendo q envergonhadamente dizer q eu ainda não tinha ficado... só aos 14, no dia do niver do meu hermano mais novo. Depois comecei a trabalhar lá depois dos 18, quando os meus colegas do mesmo nivel social ferrado já trabalhavam bem desde os 10 ou 15. Aí veio a universidade aos 23... eu nunca reclamei, mas esse retrocesso que senti hoje foi bastante ruim. Senti o quanto preciso sair de Viçosa, ainda que por alguns dias, como farei agora nesse feriado de carnaval...e depois, preciso urgentemente do meu intercâmbio, pra ir embora de vez. E quando ritornare ao Brasil, não sei que rumo seguirei, mas já são outros quinhentos.

Tenho vivido dias sufocantes e hoje me estressei demais com um telefone do meu chefe. Mais uma turma de inglês, agora estou com onze!! Acho meio abusivo esse negócio, porque eu sou a única professora. Ta certo que vou ganhar mais, mas não quero mais trabalho, não mesmo. E ainda mais crianças, ai meu Deus, estou muito sem chão.

Sem chão e coração... quanto mais o tempo passa, mais eu pareço não ligar... depois de tanto se machucar, a gente acaba aprendendo a machucar também, e eu temo que esteja machucando muito quem não merece com a desculpa da sinceridade, assim como já me fizeram. Tudo cansa, tanto amar demais quanto insistir demais em algo que não vai. Não vai e pronto, porque o mundo não gira em torno do nosso umbigo e não está aí pra realizar todos os nossos desejos egocêntricos. É assim que é. Cada pessoa tem sua vontade e sua verdade. E quando há a vontade mútua, MÚTUA, de construir algo em conjunto, em CONJUNTO, as circunstâncias se adaptam ao que queremos, e nós, na verdade, é que sutil e inconscientemente nos adaptamos ao outro e fazemos acontecer porque queremos, QUEREMOS, NO PLURAL, OS DOIS.

Eu não tive esse encontro e, como disse antes, temo estar cada vez mais longe disso por causa das feridas abertas. A gente tem que ir no médico, porque colocar gaze por cima e disfarçar não adianta. Tem que expor, limpar, doer e sangrar bem até curar de vez. O que seria extamente ir ao médico eu não sei. Mas acho que já fui: pode ser se expor pro outro, falar e não calar, mostrar a sua verdae, mostrar você, mostrar a que veio, mesmo sabendo que o outro não acatará a sua verdade, ou a sua vontade.

É, hoje é realmente, ou foi, o dia do estranho. estranhamento inclusive disso tudo que acabo de falar, porque meo que vai contra algumas coisas que penso... o ser humano, sempre em luta consigo mesmo. É o Romantismo. Ah, por falar em Romantismo, hoje foi minha primeira aula, e aí até a professora virou pra mim ao entrar na sala e disse: "você aqui?" "é..." "optativa?" 'não, complementação..." "ah, sim, vc formou neh?" "é...".
É, eu ainda aqui...o que estou fazendo aqui? I ask myself. O que, Rebeca? estou atrás dessa resposta.

Às vezes sinto a música me chamar. Porque quando estou assim, a melhor coisa é cantar, cantar alto, apesar de que minhas chances de fazer isso são poucas. E mal eu não canto não. Seria um outro caminho no qual nunca me arrisquei, e talvez nunca o faça. É coisa minha.

Eu preciso voltar a confiar nEle, mais ainda. Às vezes me esqueço dEle, e isso não é nada bom. "Deleita-te no Senhor teu Deus, e ele concederá o que deseja o teu coração". Amém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…