Pular para o conteúdo principal

Like a ex-virgin...

strogonoff. disgusting, argh!!

Fui comer no RU de novo. Aquela sensação toda pesando sobre mim: o que estou fazendo aki, não sou mais estudante, não sou, não sou!!
Sento, e me deparo com o cardápio: strogonoff bovino; o dia não poderia ficar pior... sim, poderia! Um rapaz senta á minha mesa, sem falar nada. Uma invasão. depois dele, uma moça, são amigos. Ela senta do meu lado, pede licença. Eu olho pra ela e fecho a cara de um jeito que ela só não saiu correndo porque o colega já estava sentado lá, tranquilo. Quase pedindo desculpas por se sentar ali, a moça puxa conversa. Palavras-punhaladas nos meus ouvidos:
 - você é da graduação?
 - hãn?
 - você é da graduação, entrou esse ano?
 - não, já me formei.
 - passeando?
 - é, mais ou menos...

Nesse momento qualquer pessoa normal continuaria a conversa explicando esse "mais ou menos" e faria quem sabe mais uma amizade. Mas não eu. Só respondi isso e cortei. A moça ficou ali, querendo perguntar, mas percebeu, creio, meu péssimo humor e virou-se para o colega, voltando a conversar com ele.
É, eu devia estar passeando na UFV, não é? eu devia... mas ainda moro aqui, ainda como aqui, ainda estudo aqui!!! Céus, nunca pensei que tudo isso ia me pesar e incomodar tanto!! aaaaaaaaaaaaaaah!!!
me incomoda as pessoas com quem moro, me incomodam seus namoros, suas risadas, seus silêncios, suas caras pra mim... me incomoda o namorado dela e a namorada da outra, sobretudo. Sim, muito. Me incomoda que não lavem as embalagens recicláveis antes de jogar fora. Me incomoda quando estão aqui na hora em que quero ficar só - e muitas vezes quero. Me incomoda pessoas no meu quarto, a falta de privacidade, a calourice delas. Me incomoda a comida do RU, ficar na fila, essa coisa de estudante universitário, porque já não sou, não sou, não sou!! Tudo me incomoda... tudo.
Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…