Pular para o conteúdo principal

Tome a sua cruz...


 - As pessoas certinhas demais me incomodam, sabe?

Disse um amigo hoje, referindo-se ao anúncio de um evento que fazia um grupo de estudantes ali no MU: experiência de oração. O comentário não foi dirigido a mim, por isso eu não disse nada, mesmo porque meu tópico de hoje neste post seria a educação, meu tema favorito, e tema também da aula magna do excelentíssimo ou magnífico senhor secretário da educação, ex-reitor desta casa, Luiz Cláudio Costa, nosso eterno reitor, como bem frisou a nossa atual reitora Nilda de Fátima Ferreira. Luiz Cláudio, em apenas dois anos conquistou realmente a população ufeveana com seu jeito atencioso e prático de ser. Fez um bom governo, tanto é que foi convidado a ser secretário pelo atual Ministro da Educação, Fernando Haddad. E lá fará ainda melhor, com certeza.
Bom, bajulações à parte, Luiz Cláudio falou da importância da universidade na construção de cidadãos e do país, concomitantemente. Mostrou alguns números, defendeu o Prouni, fez piadas, enfim, a aula foi descontraída e rápida, pois ele tinha que estar em BH às 13h ainda hoje.
E o comentário do meu amigo, onde entra??
Bom, voltemos à ele. Fiquei pensando que ninguém é certinho de fato e verdade: a pessoa pode ter uma vida totalmente plana, planejada, sem grandes surpresas ou sofrimentos, certinha mesmo, mas geralmente por escolha. Penso exatamente que escondem seus demônios, ou melhor, preferem ter sua caixa de pandora a encarar tudo de frente. É uma escolha válida que eu mesma já havia feito há algum tempo; no entanto, muitas circunstâncias me fizeram mudar. Escolha: temos sim livre-arbítrio, mas não significa que este livre-arbítrio seja tão livre a ponto de nos livrar das consequências, sejam elas boas ou más.
Jesus Cristo disse: “... Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me” (Mateus 16:24). Renunciar a si mesmo é o que estes grupos cristãos fazem – ou ao menos propõem fazer. Renunciar a si mesmo é isso: ignorar seus demônios, ou simplesmente não dar a importância que geralmente se atribui a eles. Eles têm importância e poder a medida que os alimentamos com isso, até descobrirmos que podemos dominá-los e até mesmo extinguí-los. Não se trata nem mesmo de prendê-los na caixa de Pandora, pois aí correr-se-ia o risco de que um dia pudessem sair; trata-se de diminuí-los diante da importância de Deus. Loucura negar a si mesmo, não viver o que se sente, ficar aparentemente preso a um modo de vida também aparentemente controlador? É loucura mesmo! A mais doce! É escolha! Portanto, válida. Jesus não disse isso pra obrigar ninguém a nada; pelo contrário, ele só veio pregar a verdade.
Confesso ser pouco tolerante com as coisas modernas e mundanas. Pouca gente percebe porque não sou de falar muito e convivo com bastante diversidade de pensamento e escolhas; é assim que é; julgo, sim, a todo o momento, na minha mente. Mas o que se há de fazer, não posso escolher nada por ninguém, nem por meus filhos poderei, feliz ou infelizmente; cada um precisa passar por suas próprias experiências. Experiência de oração, porque não? Ser “certinho”, porque não? Ser “erradinho”, porque não? Escolhas. Livre-arbítrio.
Muitas coisas me levaram de certinha a erradinha; meu erro, por assim, dizer, foi reprimir desejos e vontades durante a vida; foi não entender que é normal ter certos desejos e vontades, mas que eu preciso e posso escolher vivê-los ou não. Não entendi e fui reprimindo, criei a caixa de Pandora. Mas nada me abalou a ponto de largar a fé em Deus; me orgulho disso e me apego a isso porque é a minha escolha: eu quero isso, quero crer na única verdade que sinto que é verdade, a verdade revelada através de Jesus Cristo e dada ao mundo: você crê ou não crê, simples assim. O que eu não entendo e tampouco aceito é crer em partes dessa verdade, partes da Bíblia, outras partes não, nada é literal, etc, etc. é lá ou cá, apesar de que estou no entre, me decidindo; não, não me decidindo, mas covardemente em cima do muro, sem querer ser errada ou certa. Porque acredito no sim, sim; não, não.
E acredito que a educação tem toda aquela força e importância de que falou Luiz Cláudio; muda, transforma, constrói. Todos devemos ter acesso à verdade e à educação; eu escolho crer e estudar numa universidade, ou eu escolho não crer e não estudar. Livre-arbítrio, democracia. Sempre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…