Pular para o conteúdo principal

Processo criativo


Devo estar em processo de criação... Tanto nervosismo, tantas lágrimas sem motivo à noite, leituras de romances românticos – chatos, devo confessar – essa irritação, essa fome estranha e tamanha, isso tudo. Em que resultará? Criação. Do que? Poesia, poemas, decerto.  Prosa, remotamente, tal qual esta mesma que ora lhes escrevo. E estas palavras insanas, arcaicas? Sei lá, meu. Massa, véio!

Ele volta pra mim num som batido de um segundo
Volta como se nada o nada fosse
Como se o movimento do silêncio
Nada fosse
Como se a queda da palavra dita nada fosse
A palavra que me é cara e maldita
Que não comporta o eu
Que não me comporta
Nem me mal cria
Que não me amola
Tampouco me cria
Me guia, me via, me come
Tudo e você
Ele me devora
Você que me devora com essa leitura soturnamente noturna
Ele que me devora a hora que não agora
Que quer,
A hora que quer
A hora noturna do desapego
O sereno
O orvalho
Esse baralho, paciência... que jogo.
Acaba, acabou
Começa a era, a hora do meu canto
É tudo inglês e eu sei
Eu sei tudo e entendo tudo
Bendita minha lucidez
Minha abertura mundana
E minha sanidade santa
Eu canto
Porque tudo existe
E nada está completo
Sou alegre e muito triste
E tudo makes me Wonder
Porque nada me faz parar e refletir

Ele volta como se num segundo tudo se transformasse
E ele volta porque acha que me pode. Que me pode tudo.
Ele volta como se me pisasse na grama
Como se qualquer coisa e nada eu fosse
Como se o baque do tempo calado, perdido, silencioso, mudo
Nada tivesse sido.
Ele volta com a certeza de um não esquecido
E um sim guardado
Ele volta porque sabe o sim
E teme o não.
Ele volta com a certeza dessa salvação
Que só mulher concede
Que só mulher inteira dá.
Ele volta, há! Ele volta!
E queira, queira voltar!

Ele volta com um sabor tão deliciosamente sedutor de si
Com a certeza fresca de si mesmo
De se ser
Volta assim, dizendo o abre-te Sésamo: saudades...

Ele volta e me transmite essa segurança de idade da loba
A segurança que me permito ter.ele volta nessa magia imensa do amor.

Pronto, processo criativo is over. Gud náiti! bye. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…