Pular para o conteúdo principal

Dia da vó!!

Poucos se lembram - nem eu mesma lembraria se nao fosse a extensa lista de dias de tudo que eu tenho - mas hoje é dia da vovó e por isso, fica minha homenagem, in memorian, a Dona Cecília e a Dona Lídia, ainda na ativa hehe!

Dona Lídia e eu - Carnaval 2011 em Petrópolis, my birth place.
Eu não vivi muito perto de minhas avós. lembro que moramos, eu e familia, com minha avó materna, dona Cecília, por um tempo, quando minha mãe cismou de voltar para Petrópolis para ter meu irmão mais novo lá, tal qual um peixe que volta ao rio onde nasceu para desovar. Ela era muito chata: se ficávamos muito tempo dentro de casa, punha-nos pra fora pra brincar; se nos demorávamos lá fora, reclamava do mesmo jeito. Queria que tomássemos sua benção, coisa que mamãe não ensinou e, portanto, eu e meus irmãos éramos os netos mal criados. Foi um custo pra me acostumar a chamá-la de senhora, pois ate hoje nem minha mãe eu chamo assim. Nada era por falta de educação, mas por falta de costume.

Na última vez que vi dona Cecília, ela mal me reconheceu: "Essa daí não é a Rebeca!" e me olhava com uma cara espantada de estranhamento. Sim, eu tinha crescido um bocado e devia estar mesmo diferente. Não liguei pra isso, ela se acostumaria comigo. Mas não deu tempo: eu estava em São Paulo ainda e aquela fora a ultima viagem de dona Cecília... engraçado: ela viu todos os 4 filhos e minha mãe foi a última, e tbm a que esteve ao seu lado na hora da partida. (pausa pra limpar as lágrimas...)

Quanto a dona Lídia, está em nossa companhia no auge de seus 80 e poucos anos... - esqueci quantos exatamente. Fui vê-la no carnaval deste ano e estava muito bem, indo à igreja, fazendo suas visitas, participando do coral da igreja, sempre na ativa, levando a vida, e bastante lúcida, claro, com seus probleminhas aqui e ali, mas coisa normal da idade. Uma das irmãs de meu pai queria vir pra minha formatura e trazê-la, mas dona Lídia não pode vir exatamente por uns probleminhas de saúde. Por isso fui convocada a ir a Petrópolis. Não sou muito sociável e confesso que tentei não ir até o último momento, com medo de ter que encarar primos e parentes desconhecidos e não saber muito o que fazer ou o que falar. Mas fui e não me arrependo! Todos me trataram muito bem - é claro, eu não moro ali perto neh srrsrs - e foram dois dias proveitosos, sim, pouco tempo, mas deu pra conversar com dona Lídia e ver sua cara de desaprovação com uma blusa minha: "vc gosta de usar roupa larga assim?" "é, até que gosto". Na verdade minha blusa é largona pq eh assim mesmo, mas nem tentei argumentar, minha vó ficou calada me olhando. Ela não é do tipo que reclama muito, mas desaprova muuuuuuuuuuuita coisa, dá pra ver por seu olhar.

Ah, devo homenagear minha mãe também, já avó de 3 netos. Mamãe que esteve com vovó na hora do adeus... mamãe que era o bebezinho que cabia numa caixa de sapato, miúda, tímida... a irmã maltratada pelo irmão mais velho, a prima que foi morar com a tia e sofria com os primos, a menina que não terminou seus estudos porque quis voltar pra casa pra ficar com sua mãe... a moça que engravidou antes da hora, que casou depois com um cara 6 anos mais novo, que teve os 4 filhos que sonhava - isto é, sonhava com 4 filhos, mas cada um saiu mais louco q o outro, não sei e sei que não correspondemos às expectativas e talvez tenhamos superado muitas também.

Enfim, vamos acabar com esse momento nostalgia senão vou começar a chorar sem parar. Feliz dia vó! - Cecília, Lídia e Berenice, mamis! bju!!
mamis com o casal de gêmeos, os netinhos mais recentes.
Feliz dia a todas as avós!!

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…