Pular para o conteúdo principal

Por muito tempo

e eu vou ouvindo meu CD "Arabian Nights"...

Por muito tempo, eu me achei única, incrível: não saía de casa e, no meu mundo cor de rosa, tinha absoluta certeza que um dia chegaria o meu príncipe, alguém que me tiraria do marasmo e seria tudo pra mim, me mostraria o mundo, o amor, tudo. Não foi assim...

Por muito tempo, minha individualidade me cegou, me achava única: não conhecia ninguém com meu nome, ninguém que escrevesse poemas, ninguém que fosse boa filha e um exemplo de conduta como eu, ninguém que se interessasse por inglês como eu, ninguém que gostasse do Hanson - saindo do meu mundo, encontrei tanta gente assim e muitos melhores do que eu... a gente vive em um mundo de ilusões em certo tempo da vida, no meu caso foi durante a adolescência não-vivida.

Por muito tempo, me iludi pensando que escrevia bem e minha voz era boa, só precisava ser trabalhada, que eu era mulher que todo homem gostaria de encontrar pra casar. Descobri que os homens não querem casar - talvez lá pelos 40, como já me disseram alguns, problema que vão querer as mais novas neh - que eu tenho defeitos que não julgava assim tão graves, mas volta e meia, alguém me acusa deles; gravei minha voz algumas vezes e a odeio desde então, minha prosa é só prosa mesmo... quanto a poesia, essa é o que me sobrou de bom e verdadeiro.

Por muito tempo me achei sem graça, desengonçada e feia, e de certa forma continuo me vendo assim. Por muito tempo, sonhei em me casar puramente de branco, preservando as características que me fizessem digna disso e por mais tempo ainda, escrevi, escrevi tudo que vinha à minha mente, comprava cadernos, escrevia diários, sobretudo poemas, o suficiente para muitos livros... por muito tempo, e até hoje, sonho com um livro meu...

E recentemente ando pensando e matutando e quase tendo a certeza de que ficarei só: tomei os caminhos errados, me afastei dEle, me afastei da igreja, onde possivelmente eu teria alguém, e agora me sinto usada - não experiente, mas usada e, infelizmente, aprendi a fazer o mesmo; aprendi a usar e magoar e ainda, depois de tanto tempo, tenho problemas em pedir desculpas, fazer o que é preciso, falar o que é preciso. Aprendi cama, mas não sei casa; aprendi uma noite, mas não aprendi dia a dia; aprendi ironia, mas não sinceridade; aprendi veneno, mas não antídoto. Aprendi todo o mal possível ao qual não fui apresentada nos meus anos dourados e inocentes e ingênuos da adolescência. Mas me firmo na verdade de fazer o bem sempre que possível e "Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens." (Romanos 12:18). Paz com todos, mas não com os homens...


Por muito tempo, tenho tido DRs de relacionamentos que não existem; aprendi a não confiar, mas meu coração, preservadamente inocente, teima em acreditar e confiar em um ou outro que aparece na minha vida. Já sei machucar, já sei usar, já sei descartar e esquecer, esnobar. Sei me apaixonar e quebrar sempre a cara também. Saberei amar? Amei um dia? Alguém me amou? ... quanta covardia às vezes... não dizemos e não dizem pra nós e vamos vivendo nos desencontros... e eu, supostamente alguém que devia levar a luz, me torno treva com o mundo...

e os ex continuam se arrumando... Bom domingo!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…