Pular para o conteúdo principal

Por muito tempo

e eu vou ouvindo meu CD "Arabian Nights"...

Por muito tempo, eu me achei única, incrível: não saía de casa e, no meu mundo cor de rosa, tinha absoluta certeza que um dia chegaria o meu príncipe, alguém que me tiraria do marasmo e seria tudo pra mim, me mostraria o mundo, o amor, tudo. Não foi assim...

Por muito tempo, minha individualidade me cegou, me achava única: não conhecia ninguém com meu nome, ninguém que escrevesse poemas, ninguém que fosse boa filha e um exemplo de conduta como eu, ninguém que se interessasse por inglês como eu, ninguém que gostasse do Hanson - saindo do meu mundo, encontrei tanta gente assim e muitos melhores do que eu... a gente vive em um mundo de ilusões em certo tempo da vida, no meu caso foi durante a adolescência não-vivida.

Por muito tempo, me iludi pensando que escrevia bem e minha voz era boa, só precisava ser trabalhada, que eu era mulher que todo homem gostaria de encontrar pra casar. Descobri que os homens não querem casar - talvez lá pelos 40, como já me disseram alguns, problema que vão querer as mais novas neh - que eu tenho defeitos que não julgava assim tão graves, mas volta e meia, alguém me acusa deles; gravei minha voz algumas vezes e a odeio desde então, minha prosa é só prosa mesmo... quanto a poesia, essa é o que me sobrou de bom e verdadeiro.

Por muito tempo me achei sem graça, desengonçada e feia, e de certa forma continuo me vendo assim. Por muito tempo, sonhei em me casar puramente de branco, preservando as características que me fizessem digna disso e por mais tempo ainda, escrevi, escrevi tudo que vinha à minha mente, comprava cadernos, escrevia diários, sobretudo poemas, o suficiente para muitos livros... por muito tempo, e até hoje, sonho com um livro meu...

E recentemente ando pensando e matutando e quase tendo a certeza de que ficarei só: tomei os caminhos errados, me afastei dEle, me afastei da igreja, onde possivelmente eu teria alguém, e agora me sinto usada - não experiente, mas usada e, infelizmente, aprendi a fazer o mesmo; aprendi a usar e magoar e ainda, depois de tanto tempo, tenho problemas em pedir desculpas, fazer o que é preciso, falar o que é preciso. Aprendi cama, mas não sei casa; aprendi uma noite, mas não aprendi dia a dia; aprendi ironia, mas não sinceridade; aprendi veneno, mas não antídoto. Aprendi todo o mal possível ao qual não fui apresentada nos meus anos dourados e inocentes e ingênuos da adolescência. Mas me firmo na verdade de fazer o bem sempre que possível e "Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens." (Romanos 12:18). Paz com todos, mas não com os homens...


Por muito tempo, tenho tido DRs de relacionamentos que não existem; aprendi a não confiar, mas meu coração, preservadamente inocente, teima em acreditar e confiar em um ou outro que aparece na minha vida. Já sei machucar, já sei usar, já sei descartar e esquecer, esnobar. Sei me apaixonar e quebrar sempre a cara também. Saberei amar? Amei um dia? Alguém me amou? ... quanta covardia às vezes... não dizemos e não dizem pra nós e vamos vivendo nos desencontros... e eu, supostamente alguém que devia levar a luz, me torno treva com o mundo...

e os ex continuam se arrumando... Bom domingo!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…