Pular para o conteúdo principal

Pai e mudança não-ocorrida


Meu pai é esse aí, esse sujeito de poucas e nem sempre boas palavras. A palavra que ele me ensinou, a Bíblia, o inglês, tudo foi ele, culpa dele eu ser o que sou. As letras, o nosso sempre elo. Mandei um cartão pra ele pelo dia de hoje, mas não sei se já chegou, só sei que vai chegar. Cartões pros pais são sempre meio bobos: pai vc é dez, meu campeão, etc, etc, coisas relacionadas a  futebol e vitórias, não aos pais reais. Meu pai é São paulino, tem camisa e tudo. Não deixa de fazer nada por jogo, não toma cerveja gritando na frente da TV, apenas torce, é apenas São Paulino, assim como eu, vendo meu Palmeiras agora.

De malas prontas, eu pretendia me mudar hoje, mas uma série de contratempos - meu oráculo interior estava certo - me impediu de estabelecer-me de vez no lugar novo de morada, portanto cá estou ainda uma ultima noite neste alojamento infernal. Tenho ódio, e se ele matasse, eu já tinha fulminado todo mundo a minha volta hoje.

Sinto muito pela pessoa que tentou me ajudar, que tem me ajudado ultimamente, mas suas constantes ausências e chás de cadeira que me dá tornam nosso potencial relacionamento impossivel, mal consigo suportar-lhe a presença. Adormeço e sei que amanheço amanhã no mais completo ódio, só me restabelecendo á noite, depois de minhas aulas e de um encontro com aquele que, apesar de seu hiperativismo, me acalma. Bom resto de noite para quem não teve um dia de cão, ou um dia de fúria.


Comentários

Rodolfo Xavier disse…
ai, um dia desses é de matar, realmente.
mas relaxa, depois passa! [com muita fé!] haha

abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…