Pular para o conteúdo principal

Dossiê das minhas dores - segundo round

creationtips.com
 Mais uma noite em claro porque as dores dentais não me deixam. Pois bem, amanhã tenho que dar aula as 8h para as crianças, as 12h para universitárias, as 18h universitários, 19h30, outros universitários. Minha vida se resume a internet, aulas, casa, gastos com dentista, aluguel e comida. O que fugir disso vai além do que eu posso. Preciso de dinheiro.

E preciso parar de me torturar, mas não sei se preciso porque a dor que uma música traz é tão doce, me faz sentir eu mesma, me faz ser eu em mim mesma. Ao contrário dessa dor de dente, que me faz ... sei lá, me faz mal, só mal.

A música que ouço agora é Starway to heaven. triste, o iníco sempre me faz chorar. makes me wonder... As músicas em inglês sempre made me wonder, eu sempre quis saber o que estavam dizendo, por isso fui atrás do inglês. Droga, fui atrás de uma satisfação pessoal, e não de aprender uma lingua pra depois tentar ensinar pra um bando de engenheiros que mal ouvem o que estou dizendo, e ainda vão ganhar muito mais do que eu quando se formarem, sem mesmo precisar de inglês. pra um bando de adolescentes que mal sabem pra que ou por que está lá, perdendo tempo e me fazendo perder o meu - na verdade, não perco porque sou paga, mas me sinto inútil. Me sinto tão inútil, muitas vezes tenho a impressão de que meus alunos saem da sala sem aprender nada, sem entender uma palavra do que eu disse, sei lá. Impotência.

e lateja a dor de dente...

música que me tortura também é Eye in the sky cantada por Noa; I belong to you, Eros Ramazotti e Anastácia; e tantas outras. Acho que eu devia mudar de ramo, ir pra música, cantar, tocar, compor, sei lá, qualquer coisa. Minha vida é música; uma música baixa e triste, a minha música.

Quando eu não sabia inglês, lá com meus seis anos, imitava Elton John, a música Sacrifice, especialmente. Meus pais sempre ouviam a Alfa FM ou Antena 1, rádios que tocam essas músicas boas. E lá ia eu, nos passos deles. Eu andava pelos passos deles. Ultimamente, tenho pensado em trazè-los pra cá, já que não terei mesmo minha própria família. Me sinto tão só que às vezes dá vontade de voltar. Nada me preenche. Só o Pão da Vida.

Ouço a música da Noa agora. mais triste não há. Outra "boa" é Rolling in the deep, da Adele. A letra dela eu dedico a duas pessoas, dois amores que poderiam ter sido tanto, mas quase nada foram, como dá a entender a letra. Sempre vivo nessa do que poderia ter sido e não foi. E pensar que nunca vai ser piora minha dor de dente, piora as lágrimas, me fecha mais ainda quando eu devia - devia? - me abrir. É como eu disse antes, sinto que já vivi a minha vida toda, mas sei que não. Tem muita dor ainda pela frente...me abrir pra que, pra quem?

e lateja a dor de dente, sempre mais...

Fields of Gold, Sting agora. Essa foi pra arrematar e não dizer mais nada. Silence forever, and No more I love yous, Annie Lennox. bye!
Fields of gold by ~ahalyaa on deviantART
ahalyaa.deviantart.com



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…