Pular para o conteúdo principal

Dossiê das minhas dores - segundo round

creationtips.com
 Mais uma noite em claro porque as dores dentais não me deixam. Pois bem, amanhã tenho que dar aula as 8h para as crianças, as 12h para universitárias, as 18h universitários, 19h30, outros universitários. Minha vida se resume a internet, aulas, casa, gastos com dentista, aluguel e comida. O que fugir disso vai além do que eu posso. Preciso de dinheiro.

E preciso parar de me torturar, mas não sei se preciso porque a dor que uma música traz é tão doce, me faz sentir eu mesma, me faz ser eu em mim mesma. Ao contrário dessa dor de dente, que me faz ... sei lá, me faz mal, só mal.

A música que ouço agora é Starway to heaven. triste, o iníco sempre me faz chorar. makes me wonder... As músicas em inglês sempre made me wonder, eu sempre quis saber o que estavam dizendo, por isso fui atrás do inglês. Droga, fui atrás de uma satisfação pessoal, e não de aprender uma lingua pra depois tentar ensinar pra um bando de engenheiros que mal ouvem o que estou dizendo, e ainda vão ganhar muito mais do que eu quando se formarem, sem mesmo precisar de inglês. pra um bando de adolescentes que mal sabem pra que ou por que está lá, perdendo tempo e me fazendo perder o meu - na verdade, não perco porque sou paga, mas me sinto inútil. Me sinto tão inútil, muitas vezes tenho a impressão de que meus alunos saem da sala sem aprender nada, sem entender uma palavra do que eu disse, sei lá. Impotência.

e lateja a dor de dente...

música que me tortura também é Eye in the sky cantada por Noa; I belong to you, Eros Ramazotti e Anastácia; e tantas outras. Acho que eu devia mudar de ramo, ir pra música, cantar, tocar, compor, sei lá, qualquer coisa. Minha vida é música; uma música baixa e triste, a minha música.

Quando eu não sabia inglês, lá com meus seis anos, imitava Elton John, a música Sacrifice, especialmente. Meus pais sempre ouviam a Alfa FM ou Antena 1, rádios que tocam essas músicas boas. E lá ia eu, nos passos deles. Eu andava pelos passos deles. Ultimamente, tenho pensado em trazè-los pra cá, já que não terei mesmo minha própria família. Me sinto tão só que às vezes dá vontade de voltar. Nada me preenche. Só o Pão da Vida.

Ouço a música da Noa agora. mais triste não há. Outra "boa" é Rolling in the deep, da Adele. A letra dela eu dedico a duas pessoas, dois amores que poderiam ter sido tanto, mas quase nada foram, como dá a entender a letra. Sempre vivo nessa do que poderia ter sido e não foi. E pensar que nunca vai ser piora minha dor de dente, piora as lágrimas, me fecha mais ainda quando eu devia - devia? - me abrir. É como eu disse antes, sinto que já vivi a minha vida toda, mas sei que não. Tem muita dor ainda pela frente...me abrir pra que, pra quem?

e lateja a dor de dente, sempre mais...

Fields of Gold, Sting agora. Essa foi pra arrematar e não dizer mais nada. Silence forever, and No more I love yous, Annie Lennox. bye!
Fields of gold by ~ahalyaa on deviantART
ahalyaa.deviantart.com



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…