Pular para o conteúdo principal

Memories

bonecas de pano e lembranças

Redes sociais já não fazem muito sentido pra mim, mas estou buscando algum novo. Antes eu usava pra falar sempre com eles, os ex que sempre eram uma tentativa de amizade frustrada. Agora com o pé na bunda que dei em todos - quem me dera, foi mais um pé na bunda emocional, eu me livrei emocionalmente e psicologicamente deles - estou buscando novos sentidos, não só para as redes sociais, mas pra vida: o romantismo exacerbado que se esconde dentro de mim insiste em buscar as lembranças mais doces dos tempos de rolo, insiste em dizer que talvez... mas tento calar essa voz; vou me preocupando com a vida financeira, e outras áreas, mas... claro que seria mentira se dissesse que não estou nem aí pro my heart, é a parte da vida e até do corpo com que mais me preocupo, acho que as mulheres em geral. Mas infelizmente sou do tipo não agraciada no amor: estou chegando à idade com que minha mãe e minha irmã se casaram, e nunca tive sequer um namorado; tive promessa de coisas sérias, possibilidades, aquela coisa que vc vive pensando "e se, e se...", esse "e se" é que atrapalha tudo. Nunca quis promessas e nunca quis fazer metade do que já fiz por aí, com quem jamais mereceu. Eu sou também do tipo que acredita na doação a um relacionamento, no fazer coisas para agradar: gosto de agradar o outro, fazer coisinhas, estar do lado, assistir filme junto, andar de mãos dadas, conversar bobeiras... até tive alguns momentos assim, mas... promessas. Sou contra promessas não cumpridas, se não for fazer, se não for pra frente, nem comece. Tenho traumas de infância por promessas não cumpridas. Vamos a mais um capítulo da minha infância, aproveitando amanhã, children's day:

Ganhei uma lancheira de uma amiga, eu devia ter lá meus 7, 8 anos. Eu ficava andando com ela pra cima e pra baixo dentro de casa, e às vezes largava em qualquer lugar. Era da Branca de Neve - hm, isso explica algumas coisas rsrs... - e eu simplesmente me apaixonara por aquele objeto. Acontece que minha mãe se irritou tanto com as minhas largadas de lancheira que acabou quebrando-a, antes mesmo que eu pudesse estreá-la na escola. E ainda prometeu comprar outra, coisa que nunca fez. Lembro-me de estar na escola e ver os outros alunos com as suas lancheiras, garrafinha, e eu lá, com uma garrafinha pet, o lanche dentro de um saco de pão comum. Na hora me lembrei da lancheira perdida, quebrada - o lanche mal me desceu pela garganta, segurei as lágrimas - tudo extremamente doloroso.

Todo inicio de relacionamento, pra mim, sempre parece uma promessa, que logo mostra não se cumprir. Ninguém nunca me prometeu nada, isso é certo. Mas, como eu disse, meu romantismo exacerbado me faz pensar assim e, na hora em que o castelo rui, mal acredito: como ele pôde não sentir o mesmo que eu? A paixão sempre me faz acreditar que o outro está na mesma sintonia, mas, na maior parte das vezes comigo não foi assim. Simplesmente não foi...

Ufa, chega de traumas, tanta coisa que fica gravada na gente por causa de pequenas coisas da infância...c'est la vie. Gúdi náiti!

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…