Pular para o conteúdo principal

Estrela-guia





"se virou e alcançou o céu e a última estrela
nada deixava passar, tudo lembrava elaaaa...
quando a chuva cai, nas noites mais solitárias
lembre-se que sempre estarei aqui..."

Acordei hoje com uma ressaca monstro e pensei nessa música, sei lá por que - tem muitos por quês. "Cansei das minhas próprias crises", comentei ontem com meu companheiro de baladas. "Eu tbm cansei das suas crises, quando vejo aquelas frases suas no face, dá vontade de ir lá na sua casa e te bater!", ele respondeu, e eu concordei, pode bater que eu to precisando... precisando acordar assim pra vida, me desapegar do que já foi.
Engraçado como essas fases - e frases - se repetem na nossa vida, isto é, posso falar por mim, na minha vida. Uma crise aqui, uma lágrima ali, uma dor acolá, o outro lá... E os clichês que todo mundo diz e que a gente mesmo se diz começam a ser verdadeiros, a fazerem sentido, a me fazer parar e refletir. isso me lembra outra música (gospel):

"Há momentos que na vida
pensamos em olhar pra atrás
é preciso pedir ajuda
para poder continuar..."

A ajuda de que fala a música é divina, a mais eficaz, a melhor e, talvez, aos olhos humanos, a mais demorada. Mas continuo contando com ela. 
Clichês também me lembram novelas, e estava pensando nas coincidências de novela, como no ultimo capitulo que vi da atual novela das 9, um moço que foi tentar se reconciliar com a namorada chega de moto bem na hora em que uma outra moça está atravessando seu caminho nervosa e quase correndo, e ai ele atropela ela, q está grávida do irmão da namorada do moço. Tudo se liga em novela, mas a vida não fica muito longe disso também. Outro dia eu encontrei um "amigo", ia passando por ele, mas resolvi voltar e falar com ele; cumprimentei-o, nos falamos rapidamente e segui caminho. Logo em seguida, eu vi um ex passar de bike, bem perto de mim, mas não me viu. Meu coração gelou. Se eu não tivesse parado pra falar com meu "amigo" talvez não tivesse visto o ex passar de bike. Então eu precisava vê-lo? Talvez sim. 


Precisamos de coisas estranhas às vezes. De ver o ex, por exemplo, e sentir a dor do desprezo. essa dor não é só por que ele te ignororu ou não te viu, a dor também vem quando ele fala com você e te cumprimenta como se você fosse só uma conhecida, nada mais. E a constatação é a de que é isso mesmo, você é - e pior talvez sempre tenha sido - nada pra ele. E aí, das duas, uma: ou você insiste e continua no papel de tola apaixonada, dando murro em ponta de faca, ou resolve seguir em frente e deixar ele pra lá, percebendo que o que você quer é voltar naquele tempo de ignorãncia, quando você não sabia quem ele era realmente, um tempo que não volta, darling. Ele já não faz mas sentido na sua vida, e você sabe, mas é injusto deixar ele ser felzi pra lá, e você ai na fossa... Sai dessa. Portanto, eu saí.



Precisamos também às vezes das crises. De chorar, se desesperar. É engraçado isso também, "engraçado". Quando se está em crise, a gente realmente fica cego e pessimista - no meu caso, o pessimismo só aumenta - e a sensação de que aquilo não vai passar é real, você a sente. O que faz passar um pouco é a reação, a gente tem que reagir pra bem ou pra mal. reagir pra mal é a primneira fase, chorar, lamentar, imaginar o que tem de errado consigo mesma. depois ficar com raiva de tudo, raiva de si mesma, e depois é a decisão.


Precisamos, então, finalmente, de algum excesso. Um porre, um pote de sorvete ou de doce de leite, uma enorme barra de chocolate, pra extravasar, soltar os bichos. Uma super festa com amigos ou mesmo um barzinho com um bom pop-rock, que foi o que fiz ontem. Foi ótemo!! Claro que viver, pra mim, não é isso, mas faz bem e faz parte.


Hoje, nesse domingo ressacante, eu só queria me virar e, milagrosamente, alcançar não a última, mas alguma estrela-guia, luz no fim do túnel, porque cansei. Boa tarde!


...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…