Pular para o conteúdo principal

O Retrato de Dorian Gray

Ben Barnes, que beleza...

Ontem assisti O Retrato de Dorian Gray. Além do lindo ator no papel principal, a história é intrigante. Dorian é um jovem romântico no início que tem seus valores logo deturpados por seu mais novo amigo Frank. este só não imaginava que havia despertado um demônio no jovem rapaz... e seu outro novo amigo, um pintor, faz um belíssimo quadro de Dorian que torna-se seu maior bem e mal também. Dorian torna-se um sedutor e cai na gandaia mesmo. Me identifiquei... depois ele tenta voltar a ser "bom", pede ajuda a um padre, mas nada consegue, as circusntâncias o impedem de voltar a ser ele mesmo... me identifiquei de novo. Só não quero acabar como ele, destruído. Enquanto se está vivo, tem chance, temos chance, tenho chance...

O filme é muito bem produzido, os atores ótimos, sobretudo Barnes e Collin Firth, que brilhou tbm em "O discurso do Rei". Não vou virar crítica de cinema agora, mas o filme tem uma bela fotografia, aquele clima da velha Londres, as pessoas envelhecendo enquanto Dorian continua belo e jovem, porém o obscuro de sua alma se reflete em seu retrato, que ele mantém trancado no sótão de sua mansão. Todos mantemos coisas no sótão do nosso insconsciente...

Eu queria escrever algo inusitado e importante hoje, queria falar nomes e falar de sentimentos relacionados a esses nomes.. no entanto, como disse Dorian Gray para Frank: "If I told you, I'd have to kill you". É engraçado como nos atamos a certas pessoas quase que involuntariamente, mas muito por querer. Pessoas que fazem enorme falta e diferença na nossa vida, ainda que tenham nos magoado profundamente, ainda que tenham nos pisado e ofendido de muitas maneiras, continuamos lá, por achar que talvez a pessoa valha a pena, ou antes, o nosso sentimento valha a pena, ou, mais a fundo, continuamos lá pra satisfazer o nosso ego - porque ainda que não a tenhamos por completo, é melhor um pouco de gostar do que o vazio, a sensação de não-pertença a ninguém, esse pouco que nos satisfaz a alma, dá uma sensação boa, mesmo que momentãnea. Na verdade, eu sou totalmente dependente dessa sensação de pertença, ainda que ilusória; dessa sensação de que alguém me quer, me deseja, me quer bem - ou me quer de alguma forma, já indo pra um lado mais doentio do negócio.

Enquanto assistia o filme, pensei que talvez eu tivesse tendências de ser um Dorian Gray pós-retrato: amante das mulheres, dos homens, das orgias, de masoquismo, de assassinatos... sempre penso coisas talvez altas e talvez baixas demais a meu respeito, e tenho a sensação de que não sou nada disso e também um pouco disso. Mistura.

Todos somos uns Dorain Gray. Não tão belos, por certo.... bye.



...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…