Pular para o conteúdo principal

Bom dia


Bom dia com céu cinzento e tudo, porque hoje é sexta, amanhã é sábado de trabalho dia todo, ao menos pra mim, e domingo é dia de leseira, de ficar panguando sem fazer nada e precisando fazer tudo.

Continuo na minha indecisão habitual, esperando que o impulso divino me empurre pra algumm lugar e, ao mesmo tempo, já me conformando e me afeiçoando a essa Viçosa - vai que vou ficando, vou ficando? ai tenho que me acostumar.  É assim que faço sempre, vou me acostumando, me costurando à paisagem do lugar e se tiver que de cá ser arrancada, vai doer. Vai doer porque me costurei a muitas vidas que não se costuraram à minha.

Costura. Eu fui costureira numa confecção de calças sociais, especificamente. Eu fazia mais o cós das calças, bolsos, pequenios detalhes. Errava muito e sempre e daquela confecção ganhei joelhos rangentes, parecem engrenagem velha, precisam de óleo, assim como as máquinas de costura, precisam, de tempos em tempos, ser totalmente desligadas, limpas e oleadas. Praticamente fiz questão de esquecer esse tempo em que trabalhava de segunda a sexta e, ao chegar final de semana, de tanto cansaço, não tinha ânimo pra fazer nada, só dormia, ou ficava deitada na cama pensando o que viria depois. Nada vinha porque eu nada fazia. Mas aí veio a visita da minha avó, o estranhamento dela comigo, a fragilidade dela, uma mulher outrora tão rabugenta e orgulhosa, independente, tornava-se agora frágil, dependente de cuidados médicos constantes. Era a vó chata, oposto da outra, a legal. Eu senti extrema compaixão de minha avó naquele estado frágil, mas não fiz muita coisa, apenas fiquei por perto, me comportando feito criança com medo de levar bronca a qualquer momento. Ela andava, sim, mas se não tomasse cuidado, se desequilibrava e caía com facilidade. Tombou duas vezes no box do banheiro, foi levada ao hospital, não voltou mais. Sua partida foi a alavanca, ou ao menos alavancou os acontecimentos pra que minha vida saísse da pasmaceira e entrasse num novo patamar pra o qual, analisando agora, eu não estava lá muito preparada. Não digo a vida acadêmica, porque a essa todos aprendemos a nos adequar de alguma forma, mas digo à vida lá fora, o social, os homens, os foras, as minhas ilusões e emoções desprezadas e jogadas morro abaixo, ufa, sofri d+. E tudo porque Ele, não sei por que, quis que eu viesse pra cá especificamente. Quis realizar minha vontade de universidade aqui no interior de Minas Gerais. Quis me testar e eu falhei? Ou não? Ou simplesmente atendeu uma vontade que borbulhava dentro de mim chamada por muitos de viver? Viver e quebrar a cara, erros e acertos, vergonhas e dor. E qual foi o saldo? Positivo - tô tentando ser otimista tá - apesar de tudo. E esse tudo é tanta coisa que não da pra contar assim. Quem me conheceu antes, percebe bem a mudança - pra pior ou melhor, que seja. Quem me conhece pós-viçosa, acha que eu sempre fui isso: sexo, drogas e rock'n'roll, feitas as devidas ressalvas. Eu sempre preciso de algo que considero correto em que me agarrar, e por isso me agarro ao fato de não ter graças ao bonissimo Deus, experimentado drogas, salvo por osmose. 

Aprendi tanta coisa útil e tanta inútil que até sinto saudade. Apesar de ainda estar com vinculo academico e estar na mesma cidade, eu me formei e isso é outra fase que muda tudo, estou por fora de todos os rocks, todas as festas, e ficar caçando diversão por uma noite num é mais comigo, apesar de lances aqui e ali. Porque como diz a filosofia atual, "traição é traição, romance é romance, amor é amor, e um lance é um lance". Dorme com um barulho desses, ou melhor, acorda! Bom dia.

...

Comentários

Sofia de Buteco disse…
Adorei o texto. Já eu, preciso urgentemente de novas paisagens, ainda que seja uma além do meu quintal (A curto prazo). beijo

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…