Pular para o conteúdo principal

Bom dia


Bom dia com céu cinzento e tudo, porque hoje é sexta, amanhã é sábado de trabalho dia todo, ao menos pra mim, e domingo é dia de leseira, de ficar panguando sem fazer nada e precisando fazer tudo.

Continuo na minha indecisão habitual, esperando que o impulso divino me empurre pra algumm lugar e, ao mesmo tempo, já me conformando e me afeiçoando a essa Viçosa - vai que vou ficando, vou ficando? ai tenho que me acostumar.  É assim que faço sempre, vou me acostumando, me costurando à paisagem do lugar e se tiver que de cá ser arrancada, vai doer. Vai doer porque me costurei a muitas vidas que não se costuraram à minha.

Costura. Eu fui costureira numa confecção de calças sociais, especificamente. Eu fazia mais o cós das calças, bolsos, pequenios detalhes. Errava muito e sempre e daquela confecção ganhei joelhos rangentes, parecem engrenagem velha, precisam de óleo, assim como as máquinas de costura, precisam, de tempos em tempos, ser totalmente desligadas, limpas e oleadas. Praticamente fiz questão de esquecer esse tempo em que trabalhava de segunda a sexta e, ao chegar final de semana, de tanto cansaço, não tinha ânimo pra fazer nada, só dormia, ou ficava deitada na cama pensando o que viria depois. Nada vinha porque eu nada fazia. Mas aí veio a visita da minha avó, o estranhamento dela comigo, a fragilidade dela, uma mulher outrora tão rabugenta e orgulhosa, independente, tornava-se agora frágil, dependente de cuidados médicos constantes. Era a vó chata, oposto da outra, a legal. Eu senti extrema compaixão de minha avó naquele estado frágil, mas não fiz muita coisa, apenas fiquei por perto, me comportando feito criança com medo de levar bronca a qualquer momento. Ela andava, sim, mas se não tomasse cuidado, se desequilibrava e caía com facilidade. Tombou duas vezes no box do banheiro, foi levada ao hospital, não voltou mais. Sua partida foi a alavanca, ou ao menos alavancou os acontecimentos pra que minha vida saísse da pasmaceira e entrasse num novo patamar pra o qual, analisando agora, eu não estava lá muito preparada. Não digo a vida acadêmica, porque a essa todos aprendemos a nos adequar de alguma forma, mas digo à vida lá fora, o social, os homens, os foras, as minhas ilusões e emoções desprezadas e jogadas morro abaixo, ufa, sofri d+. E tudo porque Ele, não sei por que, quis que eu viesse pra cá especificamente. Quis realizar minha vontade de universidade aqui no interior de Minas Gerais. Quis me testar e eu falhei? Ou não? Ou simplesmente atendeu uma vontade que borbulhava dentro de mim chamada por muitos de viver? Viver e quebrar a cara, erros e acertos, vergonhas e dor. E qual foi o saldo? Positivo - tô tentando ser otimista tá - apesar de tudo. E esse tudo é tanta coisa que não da pra contar assim. Quem me conheceu antes, percebe bem a mudança - pra pior ou melhor, que seja. Quem me conhece pós-viçosa, acha que eu sempre fui isso: sexo, drogas e rock'n'roll, feitas as devidas ressalvas. Eu sempre preciso de algo que considero correto em que me agarrar, e por isso me agarro ao fato de não ter graças ao bonissimo Deus, experimentado drogas, salvo por osmose. 

Aprendi tanta coisa útil e tanta inútil que até sinto saudade. Apesar de ainda estar com vinculo academico e estar na mesma cidade, eu me formei e isso é outra fase que muda tudo, estou por fora de todos os rocks, todas as festas, e ficar caçando diversão por uma noite num é mais comigo, apesar de lances aqui e ali. Porque como diz a filosofia atual, "traição é traição, romance é romance, amor é amor, e um lance é um lance". Dorme com um barulho desses, ou melhor, acorda! Bom dia.

...

Comentários

Sofia de Buteco disse…
Adorei o texto. Já eu, preciso urgentemente de novas paisagens, ainda que seja uma além do meu quintal (A curto prazo). beijo

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…