Pular para o conteúdo principal

A noite - últimas atuações de Rebeca DeHoney


Viçosa, MG - Recentemente pode-se ver Rebeca DeHoney em pelo menos três atuações diferentes - embora seus personagens sejam um tanto parecidos. As ùltimas produções foram, como sempre, da série A Noite. O primeiro dessa ultima trilogia é "A noite em vinil" e conta a historia da nossa conhecida personagem, Doida Summer, em mais uma de suas aventuras recheadas de romance, ilusões e decepções, além de boa música, porque, a despeito das atuações às vezes à la dramalhão mexicano, há que se concordar que a trilha sonora é sempre primorosa.
E, em especial nesse primeiro filme, a trilha foi selecionadissima: MPB de primeira linha, com toques internacionais de James Brown e Bob Marley, dentre outros. O cenário é uma festa em um lugar bem alternativo. Doida Summer ganha um ingresso para a tal festa através de uma rádio e, sem os amigos habituais que a acompanham, resolver aventurar-se sozinha. Mas logo que sai rumo à festa, Doida encontra Mãe-d'água (Iara-Arara) e Blue-Haired Girl (Lady Day) e é convidada a estar na companhia de ambas, que trazem mais uma dúzia de amigas. Elas seguem seu caminho e chegam no lugar da festa chamado Galopão.
Para resumir, Doida sobe no palco - não por estar bêbada, se bem que tbm, mas por que fazia parte da festa alguma manifestação dos participantes - e recita uma poesia erótica, mas de forma grotesca. Nisso, ela já estava nos braços de um conhecido seu, que mudara de curso e ela nem sabia, pois até entao, era seu calouro: Mister Good Guy (Leo F. em uma bela atuação). Ele também recitara um poema anteriormente e ambos ganham uma garrafa de vinho branco, que logo descobrem ser da menor qualidade possivel - horrível. Ainda assim, eles partilham o vinho até chegar de taxi na casa de Doida. Mr Good Guy sobe e despede-se de Doida só no dia seguinte.

No segundo longa, "A Noite regada a tequila", Doida se dá mal, pois vai novamente a uma festa sozinha, bebe demais e paga mico, ficando com um cara que se aproveitou de sua momentânea falta de dominio das faculdades mentais e que acabou dizendo, após suas reclamações do possível aproveitamento do rapaz, um F@d@-$& bem na cara. E a pobre Doida ainda ficou com um segundo rapaz, tipo boyzinho, que só lhe deu uns beijos e foi sentar-se junto aos amigos para rir dela, já trêbada, fingindo que sabia lutar e passando mal por causa da tequila. Felizmente, nessa estória, nossa amiga não levou nenhum dos idiotas para sua casa.

O terceiro longa. "A noite: Samara boite", Doida vai a uma boate, a Samara, e lá se diverte com seus amigos, Mister John (Big John),  Linda Girl (Livi) e Pretty Woman (Nay-Nay). Pretty Woman está um pouco alta, disfarçando sua desolação pelo término de um namoro, Linda Girl está normal, mesmo sem o namorado ao lado, e Doida está sem ânimo algum, enquanto Mister John tenta animá-la. No meio da música eletronica e tals, Doida se anima um pouco e vê um rapaz super animado puxar Mister John pra dançar e logo depois abraçar ela e Linda Girl. Logo, o rapaz, que parecia inicialmente interessado em Mister John, beija Doida e os dois se agarram sob a escada, mas nada de+ ocorre. O rapaz some e Doida continua dançando com seus amigos. Lá pro final, o rapaz novamente aparece e beija Doida, sumindo novamente. Ao sairem da boite, Doida liga para Mister Carl (Cacá, em ótima atuação coadjuvante), pega o taxi e todos vão para suas casas felizes. Mister Carl liga de volta pra Doida e diz q logo chegará. Quando ela está praticamente dormindo já, o moço chega. E o resto advinha-se.

Assim, Rebeca DeHoney tem reclamado de cansaço após tantas atuações, mas em todas esteve em seu papel habitual, bem interpretado, mas nem sempre bem-sucedido...

...to be continued ...

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…