Pular para o conteúdo principal

Lembranças de São Paulo

Hoje São Paulo faz 458 anos. Foi fundada quando os Padres Manuel da Nóbrega e Padre Anchieta construíram o Colégio Jesuíta (segundo o yahoo hehehe). Lembro-me de São paulo como uma cidade grande, gigante, e barulhenta. Logo que eu e minha família nos mudamos de Petrópolis-RJ para lá, fomos morar bem no centro, perto do Viaduto do Chá. Passeamos muito por lá e eu não tinha medo daquela altura toda, os carros passando lá embaixo. Acho que hoje tenho mais receio. Lembro também de irmos à catedral da Sé, não para a missa, mas para vê-la de fora, linda e imponente. Na praça que tem na frente, tem uma espécie de mapa encrustado em pedra, no alto de um pequeno "poste", mas que eu não conseguia alcançar de jeito algum, e pensava que um dia teria altura suficiente. lembro-me de quando finalmente voltamos lá e consegui olhar de cima, muito bom.
Viaduto do Chá. by: Marco Pajola.

Já me machuquei na praça clóvis, que fica ali do lado da catedral. Tem um monumento giratório ali, uma vez eu o girei, mas ao invés de sair logo dali, permaneci em pé e uma das pontas dele bateu no meu calcanhar, ainda tenho a marca. 

Ao entrar pra escolinha, participei de muitos passeios ao zoológico, em que a "tia" colocava a gente em pares, de mãozinhas dadas. Uma vez fiquei de mãozinhas com um menino e a gente não parava de olhar um para o outro, rindo. Acho que a gente se gostava de alguma maneira, se é que isso já é possível em tão tenra idade, rs. Se bem me lembro, o nome dele era Guilherme. Guardo nomes com facilidade. 

Minha família se mudava constantemente e eu, por isso e por ser extremamente tímida, não fazia muitos amigos. Em uma ocasião, morávamos numa pensão, um quarto só, tudo muito apertado, meu irmão menor era um bebê ainda, e eu tinha uma colega que não falava com ninguém, exceto comigo e a mãe dela. O nome da minha amiguinha semi-muda era Anita, só sei isso. Tenho ainda aquela foto que a gente tira com todo mundo da turma, onde ela aparece. Onde será que ela anda? Tem a minha idade agora. Uma vez ela foi em casa e eu morri de vergonha, já que ela tinha uma situação  bem melhor que a minha. Ela acabou indo brincar com a filha da dona da pensão, que tinha brinquedos melhores do que os meus. Mas depois elas saíram no tapa, nem lembro direito por que e Anita aprendeu que nem tudo na vida são brinquedos caros. Haha, teve uma situação inusitada entre nós uma vez, e acho que foi a primeira vez que eu fui firme e disse não pra alguém. Nós havíamos combinado que a cor rosa era dela e que a vermelha era minha. Na verdade, eu também gostava de rosa, mas Anita meio que impôs isso  e eu concordei. Mas no fim do ano, a nossa "tia" da escola nos deu brinquedos de presente e corremos para casa de Anita para abrir. Abri o meu, q era um conjuntinho de coisinhas de cabelo, todo rosa. Anita a briu o dela e era amarelo. Obviamente ela quis trocar, mas eu não quis. Ela fez um escândalo e acho que só não me bateu porque nossas mães estavam ali presenciando tudo. tentaram me convencer, mas eu disse não e fiquei com o rosa. Lembro de muita coisa, Anita!! espero que você esteja bem!!

Tive um noivo também, nós dois com menos de 10 anos de idade. Minha mãe era amiga de uma mulher que tinha 3 meninos, e íamos na casa dela constantemente. Simplesmente acordaram entre si que o filho mais velho, Élder, se casaria comigo mais tarde. Fizeram um casamento de brincadeira em casa e minha irmã que ainda morava com a gente, me empurrou pra cima do menino, forçando um beijo que não aconteceu. Anos depois, nos reencontramos e ele se tornou um rapaz até bonito, mas muito na dele, com uma namorada à distância. É, não era pra ser. 

Nos mudamos uma vez para uma casa bem velha, cedida por uma senhora da igreja em que estávamos. Nessa época, eu passei a frequentar a EEF Deputado Flores da Cunha, onde cursei todo o fundamental. Lembro-me que ao terminar a oitava série, eu não queria sair da escola, e senti muita falta, sobretudo do meu professor de matemática, Edson, hehehe... Fui para uma escola mais perto de casa, nessa época tínhamos nos mudado de novo, e passei três bons anos nela, vivendo as primeiras paixões e desilusões amorosas, além de afirmar sempre e categoricamente que nunca seria professora. Que coisa, não?

Depois disso, fui trabalhar e estava nessa de horror até que a vida deu uma reviravolta e vim parar em Viçosa. Mas São Paulo num sai da lembrança, e quantas lembranças. Uma vida. Voltar é algo que ainda habita nos meus pensamentos. Se estivesse lá hoje, ia na Galeria do rock, no Museu da Lingua Portuguesa, no cinemark, Burguer King, shoppings, ônibus e poluição, minha São Paulo, que conheço mal e tão bem. parabéns!

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…