Pular para o conteúdo principal

Humor ácido

ó eu aí

Acordei e hoje parecia um dia normal, pra mim, pareceu uma segunda-feira, já que fikei dois dias de molho, e ainda preciso de repouso, muuuuito repouso! Mas acordei estranhamente bem, com um humor um tanto ácido, querendo rir de tudo e de todos, inclusive de mim mesma. Eu disse mais um adeus, isto é, fui obrigada a dizer, acontece que ele já tinha sido dito, mas meu tempo estava parado, e a constatação de que ele na verdade não pára me fez acordar um pouco, acordar de verdade nessa quinta com jeito de segunda pra mim. Eu consegui enviar uns "rsrsrs" e até um "kkkkkkkkk". Devo estar mesmo mudada, ou a dor está me cauterizando, alienando... caminho para a insanidade, então? Quem sabe, mas nem a esse luxo posso me dar, assim como ao da morte, o bálsamo final, assunto que o irrita, irrita o meu último adeus. Que iriite.

Por que as pessoas são tão más? (me incluo). Muita gente não acha que deve pedir desculpas, pois tudo que faz está sempre certo, então?? Amam a vida porque podem comer, beber, cair e levantar, mas não podem nem tocar no assunto morte, ou seja, amam curtir a vida adoidado sem pensar no futuro e em consequências e nos outros... Parecem simpáticas, sociáveis, muito legais, mas na primeira oportunidade te pisam como se estivessem matando uma mosca qualquer, se livrando de um problema. Aí depois te acusam de ser o problema, pois elas nada tem que ver com o jeito como vc se sente em relação a elas... faz-me rir!

Gosto do que quero. Se eu quero ouvir Justin Bieber, eu ouço, qual o problema? Se eu quero meu cabelo no olho, uso, qual problema? se eu quero ser colorido ou preto e branco, sou, e daí? E se eu sofro horrores por coisas pequenas e recorrentemente falo de morte, não sou normal?? Ora bolas! Ser normal é parecer legal, fazer efi, pregar vida saudável e acabar com o fígado?? Ser normal é pegar, pegar, largar, pegar mais um pouquinho e julgar que uma serve pra isso e outra serve pra algo sério?? Se normal é dizer não quero, mas depois quero porque era uma história antiga ou porque (palavra mágica) A-C-O-N-T-E-C-E-U? Quero meu direito de ser normal oposto disso, só isso. Quer saber mais? A dor me inspira e talvez eu acabe caçando ela, ainda que racionalmente não querendo sofrer. Quer saber? Eu to me achando velha, mas gosto de calça jeans e tênis, da minha bagunça, e vou continuar assim. Quer saber? eu amo com intensidade e, infelizmente, estou aprendendo a desprezar com igual intensidade. Quer saber? Eu não quero ser assim, fria, jogar pessoas fora. Eu quero nem começar nada se for assim. Eu nãoq euro diversão por uma noite, uns dias, um mês. Não quero um pedaço, quero você inteiro, se não for assim, também vou descartar, e olha que eu nunca descarto, eu até enrolo. Por amor. Por respeito, por egoísmo até, por inveja.

Quer saber, eu vou continuar acreditando, feito uma boba esperando o encantado, andando meio emo, chapéuzinho, cabelo mal alisado na beira dos meus 30, nem aí, Só atitude nem aí, mas estando sempre aí, pisando em ovos se preciso for pra não fazer o que já me fizeram. Também estou julgando, mas procurando não xingar, nem baixar nível, cada um no seu cada qual. Direito de ser eu, pô! Direito, só.

Quer saber, ao invés do dente, deveria ter extraído o coração. Pronto, falei. Bye!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…