Pular para o conteúdo principal

Dossiê dos meus amores

E eu morei lá, sempre com olhos no teto desse alojamento....

Lines even more unclear
I'm not sure I'm even here
The more I look the more I think that I'm
Starting to disappear
 
Linhas cada vez mais incertas
Não tenho certeza que ainda estou aqui
Quanto mais eu vejo mais eu penso que
Estou começando a desaperecer
 
(Keane - "Crystal Ball")
 
Teve o primeiro, o estrangeiro. Nada sutil, veio com aquela cabeça de gringo: mulher brasileira, futebol, carnaval. Tinha o corpo esculturalmente perfeito, rosto de modelo, porte atlético. Teve atração, mas o meu momento não foi respeitado, foi só aquilo, casual. Me abriu as portas para tudo.

Depois veio o amor. Diferente, sempre monocromático, ele veio sutil e me conquistou, tomando todo o espaço do coração e da vida. Mas não quis ficar e a dor se instalou em seu lugar. Sofri.

Depois vieram pequenas paixões e frivolidades. Tinha os das festas, os beijos de uma noite, sem nome. Os casos de uma noite, com nome e dia seguinte, mas só um oi e um tchau depois. às vezes tinha os números de telefone, só por formalidade. Nunca ligavam, e quando muito, era só pra mais uma noite. 

O amor ainda estava latente e presente. Encontravamo-nos algumas vezes e tudo virou casualidade. Sofri de novo. 

As paixões pareciam ir, mas não iam. Teve a amizade colorida de um: depois de cada vez, conversávamos noite adentro, falando dos planos de cada um, futuro, trabalho e bem cuidadosamente de amor e relacionamentos, não o nosso em si, que não havia à luz do dia, formalmente, falávamos do nosso sim, mas de uma forma geral. Mas aí ele voltou para um antigo, formal. Sofri.

Teve um com sua doçura e vontade. Desde o início me persuadiu: elogiava-me deveras, beijava-me com intensidade e tudo parecia amor, mas vieram conflitos, por quês, sumiço. E uma volta estranha agora... amigos, então. Não entendi.

Teve também o segundo amor, tão forte e intenso quanto o primeiro, apesar do menos tempo juntos. Mas aí teve aquela história do não quero nada sério e blá-blá-blá... mas agora, tempos depois, ele quis sim o algo sério, não comigo: sofro, deveras.

Teve antes um amor calmo, que poderia ter sido se não fossem as circunstâncias: terminávamos a graduação e ele foi embora seguir os próprios planos e caminhos. Eu fiquei, sofrendo. 

E agora tem essa circunstância louca do acaso: nada é fixo, tudo frívolo, voltei ao início: uma ou outra noite, um "oi, como vai?" daqui e dali, sem maiores preocupações. Ainda adolesço, e tudo isso não é de certa forma amadurecer? Padeço sim, tudo. Teve colegas casando, sempre levadas a sério, enquanto eu... padeço, só. Só, só, só. Vítima? não... eu mesma me levo nessas direções. Antes era a ingenuidade, tinha a desculpa. Agora é o consentimento, ainda que culposo.

Aí crio as circunstâncias pra me livrar das lembranças: trabalho, teatro, monitoria, músicas, planos, gata, lavar roupa, arrumar as coisas, som alto, comida, saídas, festas, tudo me satisfaz na hora, e nada me satisfaz, ao mesmo estranho tempo.

E, como diz uma frase facebookiana que me foi enviada, "Keep calm, work hard, and stop the mimimi". Good Monday, bye!

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…