Pular para o conteúdo principal

The Reason

"got to find a reason, got to find a reason..."
tenho que achar uma razão, tenho que achar uma razão... 
(David Guetta - Love is Gone)

Tem muitos por quês rondando minha mente. Queria tanto dizer nomes, falar tudo aqui, porque cansei de pedir explicações a eles e a Ele e não obter nenhuma resposta. estive a ponto de explodir ontem, estou no meio-fio do quase total desepero, tentando me controlar para não bater minha própria cabeça na parede. Ontem mesmo me excedi com minha gata, que insistia em miar de madrugada. Dei uns tapas nela e fiquei com esse arranhão aí no dedo, nem sei se dá pra ver direito na foto. 

Tenho tanta fome e tanto medo e tanta vontade de zerar tudo, voltar pra São Paulo e pensar que Viçosa foi apenas um sonho. Ou pesadelo, dos bons. Tenho medo do que vou fazer ou do que vai acontecer todo dia quando acordo. bate uma insegurança, eu oro. Mas parece que Ele não está ouvindo. Preciso estar mais perto e mais atenta. Vou ter que tomar medidas drásticas. Sim, sei que já falei isso pra mim mesma mil vezes e algumas vezes pra alguns amigos, que não sei se me acreditam nem apóiam, mas, enfin, c'est la vie...

Meu grande medo de mulherzinha que sou: chegar aos 40 solteirona. Sim, porque aos 30 já estou praticamente chegando, ano que vem meu bolo terá trinta velinhas, não quero velas em forma de números, quero trinta velas normais, de bolo, fininhas, rosas e azuis, mas tem que ser 30 velas. É, e tem esse medo que é immediate future: chegar ano que vem no meu birthday alone, completely alone, or feeling lonely.

Eu precisava de um tempo. Ah o intercãmbio nessa hora seria uma benção, mas, como né... Poxa, preciso parar pra pensar, sem ninguém dar pitaco, sem influência exterior nem interior, se é que é possível. Precisava sair de mim mesma literalmente, porque às vezes simplesmente não suporto minha própria companhia, sinceramente. Ontem eu queria me bater e acabei batendo na gata. Precisei sangrar um pouco pra perceberque ainda estou aqui, que não sou transparente nem invisível, apesar das constantes ignorações que tenho sofrido. Como a gente consegue amar com uma força descomunal alguém que com a mesma força nos ignora? 

Feriados não me bastam, consultórios psicológicos também não; ano que vem vou dar um tempo em algum lugar. Quem sabe eu volte, quem sabe não. Mas ainda muita coisa vai acontecer nesse ano que mal começou e tem me feito tanto mal... Me pai, frequentemente tenho ficado sem ar, preciso respirar profundamente pra tentar raciocinar, dores de cabeça aqui e ali, céus, estou em crise de desepero, se é que existe isso. 

Sou atriz. Consegui, aos trancos e barrancos hoje, levantar-me às 6h50 e ir trabalhar. Dei as aulas normalmente, fiz as minhas gracinhas de sempre, fiz alunos sorrirem. Até hoje eu não entendi a utilidade da minha vida, o por que de eu estar aqui, o por que de tanta coisa ruim e contrária ao que eu sempre quis pra mim. Mas quando eu ensino, eu aprendo e faço alguém sorrir, relaxar um pouco do medo de se expressar numa lingua desconhecida, do medo de nunca saber inglês, etc, eu acho que estou aqui pra isso e, mesmo que eu tenha nascido somente pra ser ponte, valeu a minha vida. Eu não encontro muito sentido na minha vida, ou muita utilidade, mas talvez pra minha mãe tenha valido a pena me esperar 9 meses e me ver não chorando, mas dormindo, sair de seu ventre. Já vim a esse mundo com preguiça de viver, talvez eu já antevesse tudo. 

Estou aqui em frente ao campo do Itaú e o frio começa a se intensificar. Hora de ir. Hora de decisões sérias, hora de conversar sério com Ele, amém. Bye.

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…