Pular para o conteúdo principal

Vagotonia

e eu querendo ser Jessica Rabbit...
 Quando a gente tá na expectativa de algo ruim acontecer, tipo tomar uma resposta negativa, e recebe uma positiva, ah, fica tudo tão mais encarável nessa vida! :) Sim, eu já estou subindo nas nuvens antes da hora e talvez, novamente, depois caia uma tempestade, sem aviso prévio. Mas os momentos felizes nessa vida são tão poucos que estou me permitindo curtir e fantasiar ao máximo... E crio momentos bons também: Ontem cheguei em casa super tarde, liguei o som (esqueci que as outras estavam dormindo rsrs), deitei no chão e curti. Minha gata subiu em mim, eu fiquei agarrando ela, enfim... momentos bobos e essenciais de solidão e vaguidão de pensamento. Nós, os vagotônicos, como disse o grande mulherengo Vinícius de Moraes. 

Porque eu sou uma vagotônica à caça da tônica da vida. Preciso de férias de quando em vez, mas preciso sobretudo do amor que as férias me fazem produzir por mim mesma e pelas pequenas coisas, como estar em família e esquecer de si. Esquecer de si requer destreza: é preciso que se seja muita coisa e tenha-se muitos problemas para se esquecer. De quando em vez, nunca de sempre. Mas a felicidade assim assusta os vagotônicos. Assusta-me, deveras.

"Não estou acostumada a ser feliz", disse Nina, personagem de Débora Falabella em Avenida Brasil. É bem por aí que me sinto. A felicidade me assusta, mas quero saboreá-la toda, porque seu sabor é raro, denso e diferente como da trufa de chocolate branco da Cacau Show: é único. É peculiar como um odd number, soa bem como uma massage ou La vie en rose, toca a alma como o Soul catártico. Tudo é tão catártico!

Estou vagotoniando em demasia, deveras, hoje. Tudo por causa de algumas simples palavras, positivas, alegres, felizes, humoradas. O caminho do bem...

Mas tenho tanta fome ainda, e nada sacia. Minha mãe vem aí e vai saciar uma parte disso: carência de afetividade familiar, aquela vontade de ser cuidada. Mas terei que cuidar dela, mamãe. 

Mamãe forma o grupo dos normais lá em casa, juntamente com minha irmã mais velha e meu irmão mais novo. O restante, eu, papai e o outro irmão, por estarmos feito pedra no meio do caminho, somos os vagotôncios por excelência. Os simpáticos das redes sociais reais e os anti-sociais convictos. Minha família é uma delícia. Mas esse fim de semana é da mamãe que, não bastasse o domingo seu dia, ainda aniversaria na segunda-feira, tendo anos em que seu dileto birthday é exatamente no mesmo mothers' day. Ela, como eu digo todo ano nessa época, desejou os 4 filhos que teve, mas não escolheu o nome de nenhum. Desejou ser professora e missionária, sendo os dois: mãe. Deseja agora que todos os filhos, como toda mãe deseja, estejam sob sua guarda, mas cá estou eu, tão longe. Ela larga os outros três para estar comigo esses dias. Isso só porque eu estou longe hehe... mamãe queria que eu fosse menino. Mamãe não quer que eu me case, mas que também não fique "por aí". Mamãe me liga e ainda me chama pelo apelido de infãncia, dado devido ao meu tamanhinho ao nascer e por causa da música do Jorge Aragão: coisinha!! Só por despeito, cresci muito e agora faço papéis masculinos no teatro. 

Vem aí a minha peça, isto é, a peça da qual participarei, The Sandbox, escrita por Edward Albee. Hoje mesmo ensaiamos, ainda não no palco, mas já encenando. Sou Daddy. Sou meu pai, mais do que minha mãe. Sou mistura dos dois, assim como meus irmãos, mas... é tão incrível que cada um saia com uma aparência e uma personalidade da mistura das mesmas duas pessoas!

Estou tão deslumbrada hoje. São as palavras, é mamãe, é a promessa do fim de semana. Good Friday! Bye.

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…