Pular para o conteúdo principal

Should I stay or should I go?

Calabresinha Nini... volta neném! :(
 Darling you´ve got to let me know
Should I stay or should I go?
If you say that you are mine
I'll be here 'til the end of time
So you got to let me know
Should I stay or should I go?
(Should I stay or Should I go? - The Clash)

Tenho muitos assuntos a tratar, tanta coisa a resolver, falar... Minha grande questão filosófica atual se resume a uma frase de música: Should I stay or should I go?

Passei no concurso do Estado-MG, para BH. Agora tem a prova de titulos. Todo mundo me dá os parabéns como se isso fosse uma coisa importantíssima para a qual me dediquei inteiramente - sim é importante, mas não me dediquei inteiramente e nem estou soltando fogos agora. Perdi o entusiasmo com as coisas. Aliás, eu nunca tive muito entusiasmo. Nas poucas vezes em que senti vontade de comemorar, me reprimia um pouco. Como quando fiquei em segundo lugar no concurso de poesias que teve na minha escola de Ensino Médio. Eu estava explodindo, mas contei para minhas colegas como se fossse qualquer coisa. Vergonha de comemorar, de dar importância demasiada a algo que geralmente não se dá, etc. Tudo pra mim sempre foi vergonha e repressão... E estou em dúvida quanto a ir ou não para BH: não conheço nada lá, cidade grande - desacostumei! - conheço ninguém, enfim, tudo desconhecido, como quando vim pra cá, Viçosa, mas aí eu tive o suporte do meu tio, bem ou mal. 

Mudar ou não mudar? Falo agora não de Viçosa para BH, mas de mim para outra eu. Ser o que? Mudar de profissão? (Por enquanto não). Mudar de cidade? (bem provável?). Tudo bem, vamos ao ponto: mudar, eu, mudar? Como, por que, pra que? Se não vejo motivos, não preciso mudar, certo? Mas tem o fator externo, pelo qual sou movida: Se não recebo elogios ou críticas, pra mim está "tudo bem", dentro da normalidade, seja lá qual for. Aí vem algiém e elogia meu cabelo, ótimo. Vem alguém e diz que eu não posso ser assim e assado, ótimo. Me sinto bem e me sinto péssima. O bem-estar comigo mesma não existe, tem que ter o externo pra me dizer se estou bem ou estou mal. A única coisa que sinto que deve mudar, que sinto por mim mesma, é meu modo de lidar com os homens, ou com relacionamentos. Alguma coisa aqui dentro tem que dizer basta e ficar ainda mais na solidão, ainda que doa, pelo menos até eu decidir qual a nova abordagem a ser utilizada. Mas todo esse processo se dá de forma natural, eu creio; muda-se com o tempo, esse fator que me dá nos nervos, porque demora e porque corre, alternadamente. O que eu preciso mudar, exatamente? 

Minha gatinha sumiu, e quero-a de volta. Apesar do nome ser Calabresa, eu chamava-a de Nini. É uma gata estranha: tem medo de altura, não atende pelo som com que se chama os gatos nem pelo nome, acorda de madrugada para brincar no escuro com tudo o que vê, adora lamber os meus calcanhares e o meu nariz. Volta, Nini!! Volta, Ro!! Volta entusiasmo! Volta vida! E aquela coisa-de-todo-mês me deixando cada vez pior.... Bye.


...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…