Pular para o conteúdo principal

Um beija-flor e um bebê


Segunda-feira atípica dessa semana. Caminhava para a UFV e pedi a Ele um milagre. Cheguei no departamento e encontro um beija-flor preso lá, voando e batendo nas paredes. Sabia que ele pararia pelo cansaço e esperei. Ele pousou cansado num dos quadros de aviso dali e cuidadosamente, com meu casaco, peguei o pequeno animal. Ao contrário do que pensei, ele não me bicou nem quis voar desesperadamente, apenas descansou nas minhas mãos. Tinha teias de aranha no bico longo e fino e nas pequenas patas, removi-as com cuidado, acariciei a pequenina cabeça do pássaro, que fechou os olhos ao meu toque e esmoreceu. Achei que tivesse morrido, mas ele ainda respirava, estava apenas descansando, confiou em mim. Não sabendo o que fazer, desci as escadas com o pobre pássaro nas mãos, cuidadosamente, e com uma alegria estranha no peito, como se tivesse acabado de ganhar um presente: o beija-flor. Lá fora, imaginei que ele perceberia o ar corrente e sairia voando, mas ficou um tempo na minha mão, ainda recuperando forças. Começou a piar, como que pedindo ajuda ou chamando a mãe. Imaginei que logo ela viria me bicar, mas não apareceu. De repente, ele voou pra cima de uma planta em que previamente eu tinha chegado perto para que ele sentisse. Antes, ele tinha se recusado, agora voava para ela. Mas ainda enfraquecido, quase caiu da planta-flor. Tentou tirar seu néctar, mas não conseguia. Voou novamente e outro beija-flor apareceu, bicando-o e jogando-o em um canto, numa saliência do prédio. Por lá ele ficou, não sei até quando, pois subi de volta.

E aí teve o bebê. Saía do trabalho e passava pela praça quando o vi de longe no colo da mãe. Era um lindo bebê e não pude resistir: cheguei perto, mechi com ele, perguntei o nome à mãe, pedi pra pegar. O pequeno veio sem reservas comigo e babou na minha blusa. Acho que nessa hora, chegando mais perto de mim e não sentindo que era mamãe, levantou a cabeça à sua procura e estendeu os bracinhos na direção dela. Raniel. 

O beija-flor também era um bebê, muito frágil. Espero que tenha sobrevivido às intempéries dessa vida, assim como Raniel há de sobreviver. 

Um beija-flor e um bebê... sinais? de quê? E eis que ele responde à minha sms! bju, bye!

...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…