Pular para o conteúdo principal

Aos amigos, com atraso

é nóis... e eu com essa cara estranha (nao tava bem no dia rs)

Esquecendo um pouco o buraco n'alma que novamente quer me sugar, eu lembrei do dia do amigo. Sim, foi ontem e escrevi umas mensagens para os meus. Agora há pouco, lendo um blog, me deparei com um texto sobre amigos que me fez lembrar de alguns que não estão mais por aqui, perto de mim, mas que tiveram sua significância.

Lembro de alguns nomes do meu tempo do jardimme do pré, quando eu queria amiguinhos mas nunca sabia como me aproximar ou o que fazer. Aí não fazia nada. Tinha a Verônica, a Luana, o Caio. Aí tiveram as primeiras amizades: Maria Quitéria e Anita. A Quitéria era uma moreninha falante e engraçada, se bem me lembro. E a Anita, oposto. Uma branquinha séria, quieta, que não falava por opção, exceto comigo e com sua mãe. Depois veio a Daniela, que tentou me roubar a Anita, mas não soube lidar com seu gênio peculiar e acabou levando a pior, literalmente. Daniela, filha da Janete e irmã do Guilherme. Se estiver por aí, dê um alô!

Na escola, tive amigos meninos na maioria das vezes. Ou então ficava sempre do lado dos "bullinados" rsrsrs, eu que era uma também, alta, desengonçada, tímida ao extremo. Teve o Dani na 4ª série. Ele e eu sentávamos na primeira fileira, primeiras carteiras, os nerdinhos. Tinha o Wellington, que poderia ter sido mais próximo, não fosse a nossa timidez. Eu sempre emprestava borracha pra ele. Depois teve um outro menino, no ano seguinte ou em algum outro, de quem não lembro nome, sorry. Depois teve a pré-adolescência  e eu sendo feita de boba pelos meninos, que sempre zombavam de mim enquanto eu sempre era a última a sair da sala, verificar se alguém tinha esquecido alguma coisa e entregar, geralmente pra esses meninos mesmo... Depois os meninos só foram sendo alvo das minhas ilusões e voltei a ter amigas no ensino médio: Kátia, Patrícia, Vanessa Queiróz, Vanessa do Ericsson (eu lembro, namorado com nome de celular!). tinham meninas que eu só observava e falava um oi de vez em quando: Elenice e Flávia, Daniela e Renata, Salete e Josi, Carolina, Regiane e Tenille (acho que escreve assim). Se estiverem por aí, da escola Pilar, alô!!

Teve a Noélia e a Mônica, em anos do fundamental. Amigas de fé e da escola. Eu ia na casa delas pra fazer trabalhos e até fui pra visitar algumas vezes, coisa que eu dificilmente fazia. Tinha um ruivinha no ensino médio, a Rosângela, que obviamente chamavam de grampola. Ela saiu no meu álbum de formatura :). Lembro de uma outra Rosângela baixinha que sofreu com a nossa professora na 4ª série, professora Helenice, da minha amada escola Dep. Flôres da Cunha.

Tentei entrar para o grupo das populares uma época. Não deu certo porque eu ainda era tímida demais e nem imaginava o que se fazia ao ficar com alguém, coisa que essas meninas faziam frequentemente, ou ao menos aparentavam. E teve uma época de amigos por correspondência, que colocavam endereço nessas revistas adolescentes ou em suplemenos de jornal para trocar coleções de backstreet boys, N*sync, Five, Hanson, enfim, famosos e boy bands em geral. Eu coloquei um anúncio uma vez num suplemento de jornal e aí o Leonardo me respondeu. Nos escrevemos durante uns dois anos e ele era realmente um amigo, amor-amigo pra mim, talvez. Mas aí ele parou de me escrever por um bom tempo e eu fui atrás, sabia que ele era de Guarulhos, contactei a Universidade em que ele provavelmente estava estudando, e até uma rádio de lá. Consegui o email dele, escrevi. Novidades: ele considerava aquilo tudo uma grande bobagem de adolescente e estava pra casar. Uau! De coração, Leonardo Santiago, te desejo tudo de bom!  Ainda tenho todas as cartas e inclusive a sua foto!

Depois que saí da escola, só tive conhecidos. A escola era meu espaço de convívio social, tinha também a igreja, mas nessa parecia que os grupos eram ainda mais marcados e nunca tive amigos mesmo, ao menos não o que eu considero ser um. Aí teve Viçosa e tuuuuudo mudou, mesmo. Conheci um mundo de gentes, e pessoas de outros mundos também. Agora tem amigos meninos e meninas e a vida adulta não é muito diferente de quando a gente adolesce, só complica mais. Amanda, João, Francy, Lívia, Leandro, Cynthia, Priscila M., só pra citar alguns sem esquecer outros, com todas as suas peculiaridades. 

Eu sempre achei e acho que fui e sou uma amiga meio distante, meio faltosa. Mas tenho às vezes medo de muita proximidade e esperar muito e me dar muito sem receber. Aos amigos eu deveria dar-me, e ás vezes falto à esses. E gostaria que fossem todos bem próximos, uma rua de amigos, onde cada casa seria de um, e nos veríamos todo dia. Eu sempre quero mais. E quero que todos se dêem bem, querendo também muito fazer parte disso, de alguma forma. Todo mundo quer felicidade e que todos tenhamos-na, enfim. Amém!

Comentários

Francy disse…
Rebeca, menina! Vc escreve muito bem... de verdade! Quando o seu livro for publicado, faço questão de comprar um pra mim e vários outros pra dar de presente. O texto ficou muito bom, simples e bonito, como todas as coisas boas da vida, que são bonitas por serem simples ou vice-versa. Bom saber que faço parte desta sua lista de amig@s.
Francy disse…
Rebeca, menina! Vc escreve muito bem... de verdade! Quando o seu livro for publicado, faço questão de comprar um pra mim e vários outros pra dar de presente. O texto ficou muito bom, simples e bonito, como todas as coisas boas da vida, que são bonitas por serem simples ou vice-versa. Bom saber que faço parte desta sua lista de amig@s.
Rodolfo Xavier disse…
ótimo texto! Memória boa, a sua! rsrs ;)

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…