Pular para o conteúdo principal

Aceito tudo - ou sobre a adrenalina e o tempo


"Ah eu pensei que é indo, caminhando, mas não fui 
para um sonho diferente que se realiza e reproduz
e pensando fui seguindo num caminho estreito cheio de tombo..."

(Di Melo - "Aceito tudo")

Quando eu tinha 15 anos, por aí, parecia que o tempo não passava, que ficaria eternamente na escola, estudando, estudando e não indo a lugar algum, Mas descobri que isso de estudar a vida inteira existe e leva a muitos lugares, depende-se dos rumos e decisões  serem tomados. Eu nunca fui de tomar decisões. Ia pra escola meio sem saber por que; tinha que ir. Tinha que assistir tv, brincar com o bichinho virtual e com os cães e gatos que tinha na época, tinha que brigar com meus irmãos, tinha que ficar olhando pro horizonte á noite, horizonte esse que eu não via. Tudo que via da minha janela - quarto meu e dos irmãos - eram os barracos de madeira construídos sobre o lixão. Eventualmente via ratos passeando pelos telhados, gatos também. Não via futuro. Não sabia o que viria pela frente mas acreditava piamente que Deus ia mudar tudo, dar um jeito em tudo. E assim foi. Pra meu bem ou mal.

Agora parece que o tempo se acelera - acelera-se? - mas sinto que passa no seu normal. Que quando eu me der conta, vou ver a minha pele toda enrugada e não fiz muita coisa. Mas terei feito o que foi possível, o que me foi possível. Não goston de pensar que vou me arrepender por ter feito isso ou aquilo ou por não ter feito. Não vou. Já estou aceitando que sou assim e talvez minha vida não seja pontuada por grandes realizações, não aquelas que saem nos jornais ou no guiness book, mas grandes realizações pessoais, isso tenho certeza que vai ter. Um passo rápido para uma tartaruga é um grande feito. 

Estou no automático, acho. Isto é, estou procurando estar, porque o meu lado emocional é forte e dramático. Ontem estive em um churrasco com pessoas do mestrado de linguística e foi bom, não me senti menos que ninguém, isso porque conhecia a maioria ali, veteranos, calouros e pessoas da minha turma também. Tiramos fotos bobas, falamos bobeiras, rimos. Foi bom. Depois voltei pra casa e no meio do caminho havia uma pedra. Aliás, havia um Camelo e uma Vaca, cruzamento estranho. Foi difícil não olhar e não se importar... havia também um cachorro que me seguia sentindo o cheiro das minhas carnes, isto é, das carnes que eu trazia, sobras do churrasco. Dei-lhe um pedaço que ficou passado demais na esperança de que ele se fosse, mas ele queria mais, o pobre. Duas vezes corri feito louca dele, mas estava mesmo precisando sentir meu coração bater. Depois ainda estiquei a noite nas baladas da vida. Estava elétrica e ainda estou, apesar do cansaço de uma jornada de trabalho de dez horas nesse último sábado. Acho bom às vezes quando tenho muito trabalho porque aí não dá tempo mesmo de pensar muita na minha própria vida. Automático mode on. 

That's all, folks. Bye.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…