Pular para o conteúdo principal

Mandala


Numa dessas voltas da vida, apesar da felicidade e alegria, ela ainda temia que ele voltasse. Que ele voltasse quando ela estivesse de mãos dadas com outrem; que o amor voltasse pra ficar e ela não soubesse onde ficaria. Vazia. Aturdida, sem chão. Queria assim a solidão pela espera, por querer lá no fundo a volta dele. Queria, ainda assim, a companhia, mas pensar em magoar o outro não podia. 

Eles eram dois mundos e ela, planeta. Talvez fosse só terra, água, fogo ou ar, se elevava a todos os elementos conforme fosse a necessidade. Com o primeiro mundo, foi fogo, como sempre; escolhia sempre o fogo como carta primeira da manga, era instinto seu. Ele foi água nela, se espalhou todo. Ela aprendeu a ser água nele, mas com seu próprio fogo tornou-se vapor, ar. Aí começou a sonhar, devaneios altos, enquanto ele se tornava terra, o pé no chão. Ele voltou pro próprio mundo e agora era difícil ser terra para ela, mas aprendia. E ele falava do mundo dela com saudade, indicando que podia ter uma volta... Será que dela falta sentia ou ela impressão errada tinha?

Com o segundo mundo, ela foi ar, mas logo voltou ao fogo, porém assustada se via água e, finalmente, terra. Tudo era místico com ele, não sabia bem como se comportar ou se mesmo se se comportar devia. Na noite do encontro, foi o fogo para ambos. Nos outros encontros, era fogo com um tanto de terra: não havia aquela vontade de verdade, de tocar, acariciar, olhar nos olhos, saborear o outro. Isso havia com o primeiro mundo. Mas o segundo era o que se mostrava aí, o que pronto lhe esperava, o que, apesar do disfarce, era fogo. Era fogo com  terra, água com ar, os pés no chão, o coração a saltar, o corpo que se espalhava, o sotaque que não a agradava, mas engraçado, às vezes quem desdenha quer comprar, como se diz.

Mas temia ainda que ao dar as mãos para o segundo mundo o primeiro voltasse, voltasse e ficasse e quisesse ela. Quisesse juntar seu apelo febril ao corpo fogo dela, quisesse ainda uma vez dizer que ela era só sua... ela que agora se acostumava a ser terra. Mas não era nada e era tudo. Mandala. Ela era os quatro elementos, assim como todos nós, e era o medo também, agora, talvez ainda mais do que antes. Podia haver o quinto elemento. E há. Foi aí que ela lembrou dEle, o guia-mor do universo. E tudo entrou em harmonia de novo no seu ser, pois sabedoria teria para fazer a melhor escolha. Amém!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…