Pular para o conteúdo principal

Dia nacional da poesia preguiçosa


Ah, é a vida que me clama e reclama, sem paz. O movimento de ir pra frente me cansa só de pensar, por isso, no mais das vezes a vida me empurrou. Sou reacionária inatamente. Não há o dinheiro para as contas, não há dinheiro para o pão, mas há a ansiedade que Ele pregou para não haver. Se eu me mecher, sei que tudo muda, o mundo muda, as coisas mudam, mas sei que se não me mecher, mudarão fatalmente, aleatório destino. A mudança me empreguiça e emperra. 

Viveria de amor, pudesse. E de cantoria e poesia, fosse boa a voz e a pena. Não garanto a voz, somente a pena, apesar de hesitante ser.  A música vibra, ainda que em voz desarmoniosa e informe. As teclas do piano quase que sinto sob os dedos, ainda que não as toque.

São muitas as decisões que me cabem sobre minha própria vida. E como vivia eu antes sem tomá-las todas? Não as tinha, simplesmente. Não tinha as decisões porque não tinha a vida em mãos assim tão minhas. Tinha-a nas mãos de mamãe e papai. Quando a mim foi dada, estremeci. E ainda hoje tenho cá bambas as pernas, a voz, o hálito e as decisões, sempre hesitantes. O hálito que me enoja a boca de manhã, me abre os olhos sonolentos e me amrga o sabor da vida, sabendo que terei que levantar e trabalhar. Não que não goste, mas todo o processo de ir é que preguiça me dá. Muita, em demasia, much. Nasci no dia nacional da poesia preguiçosa, deve ser. Aquela poesia de Macunaíma, só na malemolência, faltando-me apenas a malandragem que jamais possuí. 

Mamãe marcava médico, me levava, resolvia as coisas pra mim. Ao mesmo tempo que gosto de resolver as coisas, o processo antes dessa tomada de de cisão de ir, IR, me processa e mói. Me preguiça de um jeito que quase me jogo pra fora da cama e me soco na cara pra ir. IR. levantar, sacudir a poeira... e a volta por cima é consequência. Se tiver, pura sorte de veterana na arte da preguiça. 

Vamos que vamos, burocracia, Porque quando resolvo encarar, tenho que ir e vou até o fim. Deve ser porque é Outubro, Halloween. A witch tá solta! Boa noite.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…