Pular para o conteúdo principal

Identidades e amor, ou uma avalanche de coisas e sentimentos

Sentia-me em falta esse dias comigo mesma, por ter deixado de escrever aqui. Preciso escrever e é o que me move. Não estou em falta com meu público-alvo que, pelo que tenho percebido, não contabiliza mais do que 2 ou 3 pessoas, pelas estatísticas de visitações. Mas quem sabe, sempre valhe a pena escrever. Sempre acreditei - ou não, acho que isso é recente - que as pequenas coisas, os pequenos gestos sempre valem a pena. Difícil é aceitar que talvez a gente não veja resultado, mais dificil ainda é o fato de que talvez a gente nunca veja resultado algum, pelo menos não nessa vida terrena. E por que vale a pena, então? Sei lá... assim como o mal está dentro de nós, fazer o bem nas pequenas coisas nos faz um enorme bem. Como quando jogo papel na lixeira e não no chão, quando destroquei as tampas de duas lixeiras que estavam trocadas (reciclavel e não-reciclável), quando chego antes da hora na aula pra preparar tudo, quando chego atrasada e peço desculpas aos alunos, enfim, essas coisas bobas e essencias.

Ultimamente não estou conseguindo pagar as contas, mas é a lei da compensação. Há cerca de 3 semanas, tomei uma decisão... Bom, eu já tinha tomado a mesma umas milhares de vezes mentalmente antes, mas ai decidi falar com Ele mesmo, com Deus. Comuniquei-lhe que desistia de minha vida sentimental e entregava a partir daquele momento aos cuidados dEle, que fizesse o que bem entendesse, que fizesse o que fosse melhor pra mim. Ao mesmo tempo, temendo o foreveralonismo, dizia que queria alguém assim, assim e assado. Ah, a decisão, na verdade, foi voltar pra Igreja de fato e de coração, consequentemente deixando de baladar por aí. Isso nem foi o mais dificil... o problema todo foi ter a sensação de estar me enclausurando, saindo do planeta terra e da vida social, fatalmente caindo no ostracismo e solidão permanentes. Mas fui em frente, queria saber como seria estar só mesmo, de verdade, porque rolos eu tinha aos montes. Fui dispensando todos, até mesmo os que estavam, e de certa forma, ainda estão, enraizados no meu coração - tudo é processo, tempo...

Como eu dizia da escrita, nunca escrevi para alguém mas, fatalmente após me formar em letras, penso agora no público-alvo: se entenderão o que escrevo, as entrelinhas, os sentimentos, a ironia de algumas coisas... tenho sede de visitações e comentários e não desisti do meu livro - o sonho que eu tinha dito que vinha aí pra se realizar... só dei um tempo pra uma respirada... E a lei da compensação diz respeito à minha vida amorosa com a financeira. Foi sempre isso, sempre estive mais ou menos ou até bem nessa enquanto que ia mal naquela. Agora, tudo inverteu. Não vou discorrer muito sobre minha felic... meu estado novo de espírito. Ouvi dizer que somos felizes pra esfregar a felicidade na cara de quem não é, ricos pra se exibir diante dos pobres, e por ai vai... mas não. Duas coisas: não quero causar inveja ou sofrimento em ninguém e sinto uma certa hostilidade no ar, não sei... prefiro preservar as coisas, apesar de ter colocado tudo no face ...sempre sonhei em mudar o status de relacionamento rsrsrs

Mas que seja um saudável, do alto, mandado por Ele, abençoado por Ele, pra louvor dEle. E assim está sendo.

Meu cansaço vem da trabalheira dessa semana, nunca fui tão professora. Nunca pensei em construir essa identidade como tal, durante a graduação estava ainda na dúvida, mas agora sou. Sou professora e namorada, duas palavras que ainda soam estranhas quando pronuncio. É igualmente estranho dizer que dou aulas de inglês, mas às vezes é mais ameno. Igualmente estranho é dizer e saber que nos amamos já tanto, que fazemos já tantos planos, que talvez ficarei ainda em Viçosa por longo e indeterminado tempo, que o primogênito se chamará Davi, que talvez eu me forme uma segunda vez, que talvez faça mestrado, que talvez me case logo, que... ufa, muita coisa. Tudo tão intenso quanto nossos beijos e abraços.

Enfim. Amém. Bye! :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…