Pular para o conteúdo principal

Sobre o mestrado e o calor


Parece que agora é sério: vou me afundar mais na zona de conforto. Enquanto a educação pública continua afundando, salva aqui e ali por iniciativas individuais, eu vou confortavelmente reclamar uma cadeira no mestrado ufeveano. Não que eu seja peça chave pra que a educação mude completamente de rumo, mas me acho na obrigação de estar lá fora. Ao mesmo tempo penso que os bastidores tem um papel importantíssimo de reflexão sobre a realidade, ainda que distante do meio acadêmico, e podem propor soluções e caminhos, ainda que distantes... Bom, esse negócio da distância é que complica tudo. Se eu me formo e continuo no meio acadêmico ad eternum, não me acho muito no direito de dar pitaco no mundo da escola pública lá de fora. Se bem que, no meu caso, eu falaria como ex-aluna de escola pública, e assim, a meu ver, teria alguma credibilidade. Não que professores universitários não tenham, mas acontece que, querendo ou não, podemos incorrer num mundo ilusório, onde tudo é possível e adaptável. Creio que a possibilidade reside no fazer; uma vez que decido fazer algo, um mínimo que seja, estou transformando aquele mundo, ou parte dele, e tornando as coisas possíveis, ainda que não tenham o resultado plenamente esperado. 

Às vezes recolho o lixo alheio do chão e coloco na lixeira. Às vezes passo por cima também. Às vezes deixo o livro de lado e vou falar da minha vida e da vida dos alunos, às vezes faço eles engolirem gramática. Tudo isso, a mudança ou não, o aprendizado ou não, depende de uma série de fatores objetivos e não: emoções, humor, clima, identidade, idade, ambiente de trabalho, material, etc etc, das duas partes, professor e aluno. Mas ou Por fim, vou pleitear minha cadeira no mestrado... medo.

Esse ano, todas as coisas cooperaram para que eu fosse ficando em Viçosa, talvez mesmo para sempre.No início do ano, a decisão era ir embora em 2013, caso o mundo não cabasse. Bom, ainda não chegamos a 21 de dezembro desse ano, então, as coisas ainda podem mudar. Porque acaba que perdi prazo de recurso de concurso - fui roubada descaradamente - perdi prazo de inscrição em mestrado da UFMG, perdi até daqui também para educação - estou "condenada" às Letras?? - e finalmente, teve ele, l'amour. Como ir embora e deixar o que mal começou para trás, ou suportar a distância correndo o risco de acabar? :) Embora tenham atritos, o que é especialmente normal, escolhi permanecer, me testar um pouco talvez, porque a decisão de ir embora era por causa de mágoas passadas... não indo embora, será que eu aguento? 2012 dirá, posto que ainda não acabou...

Meu medo maior é ficar com essas refelxões educacionais todas na cabeça, martelando nelas e nunca mudar, não fazer nada... o passar do tempo sempre foi algo que me instigou, ou melhor, me incomodou, e ainda mais agora, nos meus 2.9. Parece que tudo ganhou um tom mais grave, mais sério, um peso maior. Já não dá pra ficar brincando de não-sei-o-que-fazer-da-vida, aliás, dá até pra brincar disso, mas com pé no chão, agindo; não dá pra só ficar sonhando alto - e eu falando isso com toda essa minha preguiça crônica...

Agir. Isso vai contra o meu princípio preguiçoso inato, que estou trabalhando pra mudar. Mas nesse solão de Viçosa, tá beeeem difícil... Bye!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…