Pular para o conteúdo principal

A professora que chorou


Era uma pessoa comum, com uns sonhos aqui e ali, irrealizáveis se dependessem de seu próprio bolso, destino ou sorte. Amava a escola, mas dizia decididamente que professora não seria. Aturar todos aqueles alunos torrando a paciência? crianças, adolescentes e adultos melindrosos? Não!! ela dizia... Mas quis o destino - azar, sorte, fortuna? - que gostasse muito de inglês, que escrevesse desde os doze poesias, que sonhasse em publicar livros; que, enfim, escolhesse Letras e consequentemente a profissão que não: professora. Fez-se uma, por certo. Foi se amoldando, colhendo conhecimentos daqui e ali, gostando e aperfeiçoando o inglês. O intercâmbio não lhe foi possível, mas foi vivendo. Tinha a estranha e ingênua mania de acreditar nas pessoas: acreditava que podiam aprender inglês em qualquer idade; que era possível ensinar bem em um a escola pública; e acreditava na verdade primeira das pessoas, naquela primeira versão que diziam das coisas, ainda que mentiras... Acreditava, sobretudo, que ganhando a amizade dos alunos, aprenderiam. Acreditava no respeito.

Suas crenças não se abalaram até a tarde em que chegou para mais uma aula no curso em que trabalhava. estava visivelmente cansada, e cansou-se ainda mais vendo os alunos conversando, olhando facebook pelo celular, fazendo tudo menos participar da aula. Ao ser indagada por uma aluna por que daquela cara, a professora disse que estava cansada, cansada de sempre falar as mesmas coisas com os alunos e não iria mais repetir. Continuou sua aula apesar das conversas paralelas, as fofocas, os risinhos. Havia um exercício em que os alunos deviam associar adjetivos a certos lugares. Ao dizerem bom e ótimo para roça, a professora, em tom de brincadeira, perguntou: "mas o que tem de bom nessa roça, gente? Roça num tem nada! o que tem de bom lá?" "Minha família uai!" disse um aluno em tom brusco, como se óbvia fosse a resposta, ao que os outros cochicharam um "tome" " hein, se lascou" e coisas do tipo, além dos sinais com a mão. Aí alguma coisa ruiu. A professora sentiu-se uma formiga e, ironicamente, desculpou-se pela pergunta. Mas foi mais do que vergonha e humilhação o que a resposta e os risinhos e os deboches lhe trouxeram. O fato atingiu suas crenças nas pessoas. Aqueles adolescentes pareciam não querer viver, ou só viver dormindo, ou brincando, isso durante a aula, sempre. E, num outro exercício, responderam "school" (escola) para a pergunta qual era o pior lugar pra se visitar. Aí tudo ruiu de vez ou, ao menos, pôs a professora pra pensar, repensar sua prática, sua vida, suas decisões. Isso depois da enorme tristeza que sentiu na hora, e foi lhe brotando dos olhos, tanto é que ela pediu licença e foi ao banheiro. Chorou. Lavou o rosto, disfarçou o melhor que pôde e conseguiu finalizar sua aula. Triste, muito triste. Alguma coisa se partiu ali, e ela sentiu que foi o respeito, o respeito que sempre mantece pelos alunos, ainda que com brincadeiras, eles não retribuíram. 

Tinha feito errado de ser assim? De ser a amiga-professora e não ter imposto limites rígidos como o fazem alguns? Em que tinha errado? Se não tivesse que terminar a aula, por certo choraria mais um bocado. Quando a aula terminou, não havia mais lágrimas, só uma tristeza profunda. A prova final da universidade e ter esquecido o celular no trabalho não significaram nada depois da quebra do respeito. O que fazer?

Espero não ouvir nada como "bem-vinda à realidade!". Acredito, ainda. Estranha e ingenuamente.

Comentários

Sofia de Buteco disse…
"ser professor é padecer no inferno" (CHAVES)
Rodolfo Xavier disse…
Infelizmente os professores servem muitas vezes como válvula de escape para todas as revoltas pessoais dos alunos. Sabe, isso é uma coisa que não tem como fugir... por mais que existam alunos brilhantes e que revivem a esperança dos professores de vez em quando, a grande maioria dos alunos simplesmente vinga de tudo o que está passando no professor. Mas, não desanime. Eu acho que nessa situação, o entendimento da situação é o mais correto a se fazer. Você vai ter que saber, acima de tudo, que eles não sabem o que estão fazendo... e a vida não cobra deles tanto quanto cobra de você. Não sabem das consequências das coisas, não sabem que mais cedo do que eles imaginam essa curtição e despreocupação vai dar lugar à uma realidade bem diferente. Como já disse, não desanime... entenda que eles não fazem isso "conscientemente"... é a falta de experiência e de vivência. Afinal, todo bom começo, tem um bom professor! rs

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…