Pular para o conteúdo principal

A professora que chorou


Era uma pessoa comum, com uns sonhos aqui e ali, irrealizáveis se dependessem de seu próprio bolso, destino ou sorte. Amava a escola, mas dizia decididamente que professora não seria. Aturar todos aqueles alunos torrando a paciência? crianças, adolescentes e adultos melindrosos? Não!! ela dizia... Mas quis o destino - azar, sorte, fortuna? - que gostasse muito de inglês, que escrevesse desde os doze poesias, que sonhasse em publicar livros; que, enfim, escolhesse Letras e consequentemente a profissão que não: professora. Fez-se uma, por certo. Foi se amoldando, colhendo conhecimentos daqui e ali, gostando e aperfeiçoando o inglês. O intercâmbio não lhe foi possível, mas foi vivendo. Tinha a estranha e ingênua mania de acreditar nas pessoas: acreditava que podiam aprender inglês em qualquer idade; que era possível ensinar bem em um a escola pública; e acreditava na verdade primeira das pessoas, naquela primeira versão que diziam das coisas, ainda que mentiras... Acreditava, sobretudo, que ganhando a amizade dos alunos, aprenderiam. Acreditava no respeito.

Suas crenças não se abalaram até a tarde em que chegou para mais uma aula no curso em que trabalhava. estava visivelmente cansada, e cansou-se ainda mais vendo os alunos conversando, olhando facebook pelo celular, fazendo tudo menos participar da aula. Ao ser indagada por uma aluna por que daquela cara, a professora disse que estava cansada, cansada de sempre falar as mesmas coisas com os alunos e não iria mais repetir. Continuou sua aula apesar das conversas paralelas, as fofocas, os risinhos. Havia um exercício em que os alunos deviam associar adjetivos a certos lugares. Ao dizerem bom e ótimo para roça, a professora, em tom de brincadeira, perguntou: "mas o que tem de bom nessa roça, gente? Roça num tem nada! o que tem de bom lá?" "Minha família uai!" disse um aluno em tom brusco, como se óbvia fosse a resposta, ao que os outros cochicharam um "tome" " hein, se lascou" e coisas do tipo, além dos sinais com a mão. Aí alguma coisa ruiu. A professora sentiu-se uma formiga e, ironicamente, desculpou-se pela pergunta. Mas foi mais do que vergonha e humilhação o que a resposta e os risinhos e os deboches lhe trouxeram. O fato atingiu suas crenças nas pessoas. Aqueles adolescentes pareciam não querer viver, ou só viver dormindo, ou brincando, isso durante a aula, sempre. E, num outro exercício, responderam "school" (escola) para a pergunta qual era o pior lugar pra se visitar. Aí tudo ruiu de vez ou, ao menos, pôs a professora pra pensar, repensar sua prática, sua vida, suas decisões. Isso depois da enorme tristeza que sentiu na hora, e foi lhe brotando dos olhos, tanto é que ela pediu licença e foi ao banheiro. Chorou. Lavou o rosto, disfarçou o melhor que pôde e conseguiu finalizar sua aula. Triste, muito triste. Alguma coisa se partiu ali, e ela sentiu que foi o respeito, o respeito que sempre mantece pelos alunos, ainda que com brincadeiras, eles não retribuíram. 

Tinha feito errado de ser assim? De ser a amiga-professora e não ter imposto limites rígidos como o fazem alguns? Em que tinha errado? Se não tivesse que terminar a aula, por certo choraria mais um bocado. Quando a aula terminou, não havia mais lágrimas, só uma tristeza profunda. A prova final da universidade e ter esquecido o celular no trabalho não significaram nada depois da quebra do respeito. O que fazer?

Espero não ouvir nada como "bem-vinda à realidade!". Acredito, ainda. Estranha e ingenuamente.

Comentários

Sofia de Buteco disse…
"ser professor é padecer no inferno" (CHAVES)
Rodolfo Xavier disse…
Infelizmente os professores servem muitas vezes como válvula de escape para todas as revoltas pessoais dos alunos. Sabe, isso é uma coisa que não tem como fugir... por mais que existam alunos brilhantes e que revivem a esperança dos professores de vez em quando, a grande maioria dos alunos simplesmente vinga de tudo o que está passando no professor. Mas, não desanime. Eu acho que nessa situação, o entendimento da situação é o mais correto a se fazer. Você vai ter que saber, acima de tudo, que eles não sabem o que estão fazendo... e a vida não cobra deles tanto quanto cobra de você. Não sabem das consequências das coisas, não sabem que mais cedo do que eles imaginam essa curtição e despreocupação vai dar lugar à uma realidade bem diferente. Como já disse, não desanime... entenda que eles não fazem isso "conscientemente"... é a falta de experiência e de vivência. Afinal, todo bom começo, tem um bom professor! rs

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…