Pular para o conteúdo principal

Leituras


Esse negócio de Concurso público é mesmo complicado, sobretudo os editais. Achei que tinha sido roubada no último que abriram pro estado de Minas, mas não. Leitura faz toda a diferença! Abrindo esse meu blog, vi as atualizações de outros blogs, inclusive um de geografia, e exatamente este informava sobre um resultado preliminar do concurso da SEE. Fui lá olhar e bingo! Meu resultado estava lá. Aí tinha novas datas para entrar com recurso e nisso senti a mão divina me dando uma nova chance! Fui caçar o papelinho que se recebe de volta quando se manda uma carta registrada pra entrar com meu recurso. Fui ver esse negócio de recurso no edital de novo e bingo! Numa leitura mais atenta, percebi que eu realmente não havia apresentado uma das coisas que se pedia na avaliação de títulos: um diploma de especialização, de mestrado ou doutorado. O que eu havia mandado não valia, pois já era requerido como escolaridade básica para o cargo que me candidatei. Eureka! O N/A (não apresentado) que constava no resultado estava certo! Pelo outro documento que apresentei, sim, recebi pontuação, o tempo de serviço. Ainda bem que não me desclassificaram por ter enviado coisa não correspondente, isto é, meu diploma de graduação. Eles é que deveriam ter entrado com recurso contra mim!! rsrsrs... Brincadeirinhas à parte, fiquei extremamente feliz. Estou ainda classificada em 16º lugar, sendo que havia 13 vagas para a região que me candidatei. Posso ser chamada sim! E ainda que não for, estou muito mais aliviada, não fui roubada, apenas errei por não ler atentamente ao edital. Burocracia, je déteste!! O fato de ainda ter chance de ir para BH me deixou felicíssima, ainda que me custe... sacrifícios são sempre necessários.

Enquanto isso, no lustre do castelo*... estava eu em crise há alguns dias. A depressão me acometendo agora em idade adulta difere um pouco da que me abatia na adolescência: além da tristeza gigantesca, fico extremamente irritada com facilidade, por qualquer coisa, e saio dando patadas em quem estiver pela frente, conseguindo controlar-me no ambiente de trabalho, ao menos. Mesmo nele, fico mais séria, silenciosa, ainda mais na minha. estive lendo novamente hoje sobre distimia, certamente sofro desse mal, que se define como sendo uma depressão crônica de baixa intensidade. No dia a dia, é a melancolia que toma conta, tendo crises ou rompantes de depressão e raiva, no meu caso. Meu love me alertou para o risco da depressão pós-parto. É... se eu quiser ter filhos e cuidar deles, preciso me tratar. Tenho lido um livro interessante de Ron Jenson, "Alcançando o sucesso autêntico", bem autoajuda, naquele estilão americano de escrever, mas bem interessante, de um cara que sempre trabalhou com liderança e sabe do que está falando. Mas somente uma leitura não é suficiente. Como no edital do meu concurso, tenho que agir pra mudar. É, to usando a linguagem autoajuda, mas, enfim, não é de todo má rs :) Inclusive escrevi ao doutor Jenson. Espero que assim como o doutor Jesus, ele me ajude. Amém, partiudormir rs bye. 

*frase dita no Castelo Rá-tim-bum, TV cultura que fez a felicidade da minha infância! :)

Comentários

Rodolfo Xavier disse…
curti! torcendo que dê certo e você seja chamada! :)
Curti também o otimismo no final... continue assim! Abraço! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…