Pular para o conteúdo principal

Livros, moda, eu, Ele, ele


"... porque depois do erro daqueles que negam a Deus, (...) não há nenhum outro que afaste tanto os espíritos fracos do reto caminho da virtude como aquele que reside em supor a alma dos animais como sendo da mesma natureza que a nossa e tirar disso a conclusão de que nada temos a temer nem a esperar após esta vida (...) a nossa é de natureza completamente independente do corpo e não está, por iss
o, sujeita a morrer com ele; pois que, não vendo outras causas que a destruam, somos induzidos, evidentemente, a crer que ela é imortal". (DESCARTES, Discurso sobre o método).

Sou leiga no assunto mas, se um dos grandes filósofos da antiguidade provou pela razão, pelo pensamento lógico que Deus existe, porque grande parte dos atuais diz que não?? Bom dia! :)

Postei isso aí no face hoje. Comecei o dia lendo um livro do tipo "yes, you can!" e depois fui continuar lendo esse maravilhoso pensador que é o Descartes. Inúmeras vezes me indaguei como alguém consegue não acreditar em Deus ou, ao menos, em algo mais, algo superior e fora do nosso humano entendimento; que se consiga acreditar que tudo veio simplesmente de um big-bang, que somos reles animais evoluídos, enfim, tudo fora do meu universo de crença desde criança, por isso não consigo alcançar a lógica de tal pensamento. Aí encontrei apoio no "Discurso sobre o método", um compêndio de pensamentos de descartes sobre a natureza do homem, dos animais, da alma humana... Leitura é bom quando se faz assim, devagar e sempre, sem muito compromisso de ter que resenhar, resumir, fichar, etc etc, mas com o sempre compromisso de chegar ao fim da estória, à conclusão do pensamento. Garrei (gíria mineira) mesmo foi na leitura de "Crime e castigo" de Dostoiévski. É um livro denso, intenso, confuso, não sei se minha dificuldade reside na leitura ser virtual ou na desconfiança de que a tradução tenha escorregado um pouco. Muitas partes são totalemnte chatas, diálogos enormes, pensamentos loucos do persona principal, loucos e extremamente detalhistas, enfim, tudo isso deve ser de propósito, ou talvez Dostoiévski tenha decidido escrever um livro de mais de 500 páginas, aí foi inventando coisas... mas quem sou eu pra falar, mera escritora amadora, mas amadora por não ter ISBN ainda, um sonho...



Sapatos... achei a foto de um ma-ra-vi-lho-so, mas o salto não me ajuda. Ditadura da moda, diriam, mas a moda pra mim nunca foi ditadura, acho que só o é para as modelos que não são puro osso de nascimento, aí sim deve ser bem árduo se adequar a manequim 36, pé 34, fazer cara deblassé, e ganhar milhões pra andar numa passarela, simplesmente pra isso. Eu visto 42, pé 38, não gosto muito de estampas ou coisas coloridas, preto e branco com jeans é o que há pra mim, fico me sentindo meio não-eu se colocar cor demais. Essência do meu ser. Nisso, lembro do que li na revista Ultimato, editora viçosence: que o ser humano tem que simplesmente suportar a dor, ou antes as dores de sua condição humana. O apóstolo Paulo tinha um "espinho na carne" do qual Deus não o livrou, e pelo qual o apóstolo entendeu que viria seu crescimento espiritual e dependência desejável dEle, o Altíssimo. Parece injusto. Talvez seja isso que as modelos fazem, se sacrificam, mas nem é um sacrifício tão grandioso assim, visto que é pelo bem material. Talvez por isso a fé seja difícil de encarar, de aceitar, bem como nossa origem divina, divina por provir dEle. Talvez por isso seja difícil se abrir, admitir coisas, quebrar tabus, se render, se doar pra Ele. estou longe de estar totalmente entregue, mas minha fé permanece inabalável, graças à Ele. Escorregando e caindo, e levantando, mas sempre com fé. Não sei, sempre tive necessidade de Deus, e sei que na alma de cada um de nós está essa vontade, ainda que preenchida por outras coisas. 


Só sei que estou nessa assim, lendo aqui, planejando ali. Tudo pronto, segunda-feira devo fazer a inscrição no mestrado. É deixar rolar os dados. Na verdade, deixar nas mãos dEle. Sei que a oração dirigida a Ele, sincera, surte efeito. Amém. E as tardes de sexta com amor também :)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…