Pular para o conteúdo principal

Ser

Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.
Hebreus 13:5

 "Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes..." Hebreus 13:5

Queria ser capoeira, defender o morro. Ser Joana D'arc, Tiradentes, o apóstolo Paulo, morrer por uma causa. Não sei, ser alguém importante. Hoje desviei de duas pessoas, tomando cuidado pra não ser atropelada por atravessar às pressas. Depois fiquei presa do lado de fora de casa e, forçando a chave errada, ela abriu o portão. Entrei, tomei banho. No meio tempo lá fora de casa, pensamentos maus tomaram conta de mim, dando-me um certo prazer macabro, ainda em meio às músicas que ouvia. É, me conhecendo como me conheço, sei que o que me segura é a fé nEle, plena e firme. Otherwise, eu cometeria crimes e vinganças sem o menos pudor ou arrependimento. Acontece que já é crime só premeditar o negócio... Perdão, Senhor. 

A vida vai indo, à revelia. Tem um livro com um título parecido com isso, não? Gosto da palavra revelia. De amostrante também. Do "erre" paulista, aquele que parece gente do interior e o mais "apurado", digamos. Do uai e do trem, da massditumate, do sápassado, até do canto da cigarra que pra mim era bicho do meio do mato. Não que Viçosa não seja, com o devido respeito.

Um chocolate agora ia bem. Uma boa barra de chocolate branco. Me imaginava assim, chique, um dia. Sentada numa bela poltrona, num dia frio, olhando a chuvinha escorrer no vidro da minha janela, enquanto eu fumava um cigarro fino, preto e longo numa cigarreira, uma taça de vinho tinto do lado, ou mesmo uma grande chávena de chocolate quente. Uma sala abarrotada de todos os livros que eu já lera na vida, e seriam muitos. Não sei qual seria minha profissão, talvez essa mesmo, que é meu maior mérito: uma pensadora passiva, pacífica e só. Viver me assusta, apesar de já ter pego o jeito da coisa. Jogo de cintura a gente adquire e aprende a viver com a dor.

Ontem a palavra de Deus foi bela e dura, como sempre. "Contente-se com o que tens". Amém. Mas eu nunca me contento, me irrito e me debato, e é só, nada faço. Assim sou, é fato. Estou cansada, estou distante, mas é preciso atender ao sistema, ganhar dinheiro, comer, voltar, votar, enfim. Quando nas novelas acontece de algum personagem ir embora e voltar uns tantos anos depois, tenho a impressão de que ele ficou viajando, descansando, férias, só regozijando a vida mesmo. A vida real parece tão... pesada, tensa, cheia de regras. A gente podia ser assim, personagem, entrar em cena só quando fosse necessário, quando fosse pra ser feliz, quando fosse pra não ver ninguém indesejado. A gente disfarça, mas não esquece não sinhô. Mas a gente se conforta bem quando tem novos braços pra nos acalentar, apesar da doença desse mundo aumentar cada dia mais. Mundo doente. Deus seja louvado, amém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…