Pular para o conteúdo principal

Paixão


Falta-me paixão, sempre foi assim. No meu primeiro e úncio concurso de poesias na minha escola de ensino médio, ganhei o segundo lugar. A premiação, um troféu que hoje está todo despingolado e um relógio de pulso que não tenho mais. No dia seguinte, esperava ansiosamente minhas colegas perguntarem sobre o concurso, esperava ansiosamente por poder falar, mas jamais falaria sem "permissão", um adeixa de alguém. Ninguém perguntou... talvez não tivesse tanta importãncia assim, talvez fosse nada, talvez... e no meios desses meus devaneios, o entusiasmo pela coisa foi esmorecendo, meu coração foi batendo normalmente, me aquietei. Foi assim que uma das colegas, a Kátia, perguntou, espantada por eu não ter falado antes: "ei, e o concurso?" E eu falei que tinha ganhado segundo lugar, sem entusiasmo algum. E ela exclamou como eu não contara antes, e como podia dizer assim, sem nenhum entusiasmo, se fosse ela estaria dando pulos de alegria. E eu estava, mas nunca consegui demonstrar por parecer ridículo ou errado, creio. Até hoje é assim. Meu código de conduta está acima do riso espontâneo, do grito de felicidade, do abraço fora de hora e sobretudo de ligações telefônicas, por mais que eu morra de vonatde de falar com a pessoa. Detesto telefone, celular, enfim, tenho problemas pra me expressar verbalmente...

Aprendi assim. Com pai, mãe? Não. Irmãos, amigos? Não. Professores, alunos? Não. Sim, eles. os amores que não foram. Aprendi a controlar o eu te amo até o ponto de ter extrema dificuldade em dizê-lo ou demonstrá-lo. Aprendi a não ligar todo dia ou mesmo mandar mensagens, a não demonstrar interesse até o ponto de, quando realmente tenho interesse, me visto atriz: friamente digo não ter. Aprendi a ignorar ao passar por .. na rua e em qualquer lugar.

Em família, me visto de mim pré-Viçosa: rolo no chão com meus sobrinhos, digo que amo, beijo-os até não poder mais, mantenho distância necessária de pais e irmãos e afins, enfim, paz. Vim pra cá com a mente em paz e estou procurando mantê-la. Mantenho a boca fechada. Até pra isso falta-me paixão, o empurrão, a vida: ao ser confrontada, me calo. E penso, tempos depois, no que deveria ter dito. Conhecendo-me assim, estou procurando me conformar com a minha não-resposta, sem mais lamentações. A paixão pra mudar, pra responder e arriscar tomar tapa na cara me falta, falta muita. Mas sinto um fogo queimar dentro de mim, a vida, a paixão que sempre escondi e que direcionei a quem não deveria nunca. Mas a paixão que a gente lança, fica. Fica um pedaço da gente lá, no outro, ainda que o outro a recuse. E aí o outro se constrói com outra e pra gente é quase impossível se reerguer, somente com óleo de Lorenzo, com todo respeito. Estou testando um óleo há três meses. Acheio que o amor ia me salvar, promover aquela mágica que esperamos em viradas de ano e finais de novelas e filmes românticos. Mas como eu já disse amplamente aqui, essa mágica não se dá, assim, espontâneamente. Construamos, pois. (Me canso só de pensar...)

Queria um amor pronto, assim como quero um filho meu, mas que não saia de mim; um amor cheio de mimos, presentinhos, flores, mensagens, chocolates, e não sacrifícios. Depois dizem que dinheiro não traz felicidade...mas que proporciona coisas boas, ah isso faz! Não sou interesseira, em absoluto: já transitei por raças e alturas variadas, cores, papos, sei lá... Não sei o que conta pra mim: nas duas vezes anteriores que amei, simplesmente amei, e eram bastante diferentes. Simplesmente pareciam olhar pra mim, me dar atenção, me ver. Me alimentei por muito tempo disso, do olhar do outro sobre mim, ainda me alimento, mas tento mudar, tento agora me encarar no espelho, ver o meu olhar. O meu próprio olhar sobre mim mesma, o mais difícil. Como disse paulo Coelho numa entrevista à uma revista, "Se você sobrevive à sua própria autocrítica, consegue afrimar seu trabalho". Consegue se afirmar, eu diria. E ainda "O livvro é a descoberta que o autor faz de si mesmo, de aspectos sobre si que ele não conhece". Ah Paulo, queria viver também da minha arte... mas isso são outras lamentações. 

Enquanto isso, a vida e a morte promovem um equilíbrio da cadeia alimentar... ??? Bye.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…