Pular para o conteúdo principal

Paixão


Falta-me paixão, sempre foi assim. No meu primeiro e úncio concurso de poesias na minha escola de ensino médio, ganhei o segundo lugar. A premiação, um troféu que hoje está todo despingolado e um relógio de pulso que não tenho mais. No dia seguinte, esperava ansiosamente minhas colegas perguntarem sobre o concurso, esperava ansiosamente por poder falar, mas jamais falaria sem "permissão", um adeixa de alguém. Ninguém perguntou... talvez não tivesse tanta importãncia assim, talvez fosse nada, talvez... e no meios desses meus devaneios, o entusiasmo pela coisa foi esmorecendo, meu coração foi batendo normalmente, me aquietei. Foi assim que uma das colegas, a Kátia, perguntou, espantada por eu não ter falado antes: "ei, e o concurso?" E eu falei que tinha ganhado segundo lugar, sem entusiasmo algum. E ela exclamou como eu não contara antes, e como podia dizer assim, sem nenhum entusiasmo, se fosse ela estaria dando pulos de alegria. E eu estava, mas nunca consegui demonstrar por parecer ridículo ou errado, creio. Até hoje é assim. Meu código de conduta está acima do riso espontâneo, do grito de felicidade, do abraço fora de hora e sobretudo de ligações telefônicas, por mais que eu morra de vonatde de falar com a pessoa. Detesto telefone, celular, enfim, tenho problemas pra me expressar verbalmente...

Aprendi assim. Com pai, mãe? Não. Irmãos, amigos? Não. Professores, alunos? Não. Sim, eles. os amores que não foram. Aprendi a controlar o eu te amo até o ponto de ter extrema dificuldade em dizê-lo ou demonstrá-lo. Aprendi a não ligar todo dia ou mesmo mandar mensagens, a não demonstrar interesse até o ponto de, quando realmente tenho interesse, me visto atriz: friamente digo não ter. Aprendi a ignorar ao passar por .. na rua e em qualquer lugar.

Em família, me visto de mim pré-Viçosa: rolo no chão com meus sobrinhos, digo que amo, beijo-os até não poder mais, mantenho distância necessária de pais e irmãos e afins, enfim, paz. Vim pra cá com a mente em paz e estou procurando mantê-la. Mantenho a boca fechada. Até pra isso falta-me paixão, o empurrão, a vida: ao ser confrontada, me calo. E penso, tempos depois, no que deveria ter dito. Conhecendo-me assim, estou procurando me conformar com a minha não-resposta, sem mais lamentações. A paixão pra mudar, pra responder e arriscar tomar tapa na cara me falta, falta muita. Mas sinto um fogo queimar dentro de mim, a vida, a paixão que sempre escondi e que direcionei a quem não deveria nunca. Mas a paixão que a gente lança, fica. Fica um pedaço da gente lá, no outro, ainda que o outro a recuse. E aí o outro se constrói com outra e pra gente é quase impossível se reerguer, somente com óleo de Lorenzo, com todo respeito. Estou testando um óleo há três meses. Acheio que o amor ia me salvar, promover aquela mágica que esperamos em viradas de ano e finais de novelas e filmes românticos. Mas como eu já disse amplamente aqui, essa mágica não se dá, assim, espontâneamente. Construamos, pois. (Me canso só de pensar...)

Queria um amor pronto, assim como quero um filho meu, mas que não saia de mim; um amor cheio de mimos, presentinhos, flores, mensagens, chocolates, e não sacrifícios. Depois dizem que dinheiro não traz felicidade...mas que proporciona coisas boas, ah isso faz! Não sou interesseira, em absoluto: já transitei por raças e alturas variadas, cores, papos, sei lá... Não sei o que conta pra mim: nas duas vezes anteriores que amei, simplesmente amei, e eram bastante diferentes. Simplesmente pareciam olhar pra mim, me dar atenção, me ver. Me alimentei por muito tempo disso, do olhar do outro sobre mim, ainda me alimento, mas tento mudar, tento agora me encarar no espelho, ver o meu olhar. O meu próprio olhar sobre mim mesma, o mais difícil. Como disse paulo Coelho numa entrevista à uma revista, "Se você sobrevive à sua própria autocrítica, consegue afrimar seu trabalho". Consegue se afirmar, eu diria. E ainda "O livvro é a descoberta que o autor faz de si mesmo, de aspectos sobre si que ele não conhece". Ah Paulo, queria viver também da minha arte... mas isso são outras lamentações. 

Enquanto isso, a vida e a morte promovem um equilíbrio da cadeia alimentar... ??? Bye.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…