Pular para o conteúdo principal

Sobre as vozes


Assisto The Voice Brasil e penso porque outras artes não tem vez na televisão, sobretudo na rede globo. Não sei... é, de certa forma eu desejo um reconhecimento, estrelato talvez. Não, reconhecimento, e o reconhecimento vem principalmente pela TV e internet nos dias de hoje. Assisti também um pouco do futebol da seleção feminina contra a Dinamarca. Penso no que eu poderia ter sido, ter desenvolvido nas aulas de Educação Física, não fosse o bullying. Tenho extrema dificuldade em olhar pra frente e vez ou outra meu olhar esguio se esvai por cima de meus ombros tão largos e olha... olha pra trás, se arrepende, quer voltar, quer fazer diferente, quer parar em algum ponto. A minha arte não tem vez... teve lá atrás, quando os reis acolhiam os poetas, os músicos, os artistas que lhes louvavam e lhes agradavam de algum modo. Hoje como poeta, sou acolhida pelos meus próprios textos, a rima ou ausência dela, os versos, as estrofes... Sou acolhida pela leitura do leitor desconhecido, os comentários falazes que devoram e olham com ardor bom ou mau o meu falar escrito. Assim como no The Voice, dependo da verdade da minha voz, ainda que escrita: dependo do ecoar de tudo que escrevo, ainda que eu não o saiba, dentro de cada um dos leitores, em suas vidas, em suas mentes. Talvez por isso eu me preocupe tanto e insista tanto com meus alunos em coisas que eles deveriam saber, mas não o sabem: a importância de ser, de se preocupar sim com a vida, cok o que fazer, o que ser, quem ser.

Hoje vou à cantata de Natal aqui na UFV. Gosto de me encher desse espírito natalino que pra mim é melancolia, não aquela coisa triste saudosista, saudosista sim, mas com alívio, tranquilidade e paz, porque o passado já está. Resta a construção desse operário que sempre está, o futuro. Sou romântica e sentimental sim, apesar da minha áurea de distanciamento, que acredito que passo às pessoas. Não sei. Leitor desconhecido, nunca saberei como me vês. Pessoas na rua, colegas, amigos, nunca saberei ou entenderei como e por que me veem de tal e tal forma. Dependo desse olhar: a verdade da voz que sai do olhar. Bye.

Comentários

Rodolfo Xavier disse…
Acho que já sou um leitor conhecido, não? hehe Brincadeira... Peguei-me pensando o mesmo, principalmente na parte de "como o leitor recebe o que eu escrevo"? É estranho... Assim que comecei a escrever queria muito dizer para todos que eu escrevia, mesmo não sendo tão bem escrito e fazia uma verdadeira campanha nas redes sociais para que lessem... Ultimamente, tomei a radical atitude de não mais divulgar... Deixei que quem quisesse ler algo fosse atrás porque realmente quis e quem quisesse falar como ficou também. Por incrível que pareça, foi mais gratificante. É melhor um comentário verdadeiro, que você sabe que a pessoa está te falando porque realmente gostou e não porque você pediu do que dez comentários dizendo; "É, ficou bom..." Não há espaço para a nossa "arte" na TV porque é algo que não pode ser massivo, se passar a ser, fica fútil e esta é a última coisa que escrever pode ser tornar... Enfim, delírios à parte... continuemos a escrever! hehe

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…