Pular para o conteúdo principal

Tom Literário


Tudo ainda tem tom literário: estranhamento. Lembro das primeiras aulas de teoria da Literatura I, com J.S.S.. Falávamos desse tom de estranhamento ao nos depararmos com literatura, com o novo, e é assim que estou agora. Quase como um dia será quando eu andar de bicicleta, coisa que não sei. Ando pensando remotamente em tirar carteira, mas devia primeiro andar de bike, não? Não sei... só sei que já aprontei muuuuito antes de namorar, e sempre esperei namorar, não aprontar. E aí, aos 45 do segundo tempo, namoro. Estranhamento, ainda mais quando se está indo pro terceiro mês, uau! Estranhamento ainda agora, quando acabo de ver uma aranha descendo em seu fio invisível. 

A música de Taylor Swift se encaixa como luva pra mim, por ele, por tudo o que houve. Begin Again. De alguma forma, comecei de novo, comecei o que sempre quis, mas nada é perfeito, o príncipe é um ser humano como qualquer outro; eu, que seria a princesa, estou beem longe disso também... que bom. 

Na música, a garota conta que gostava de fazer certas coisas que o cara reprovava, como usar salto alto. Daí ela conhece um que a acha engraçada, e ela acha isso estranho, porque o outro não a achava... e então tudo se torna bom, porque On a Wednesday, in a café, we watched it begin again (Numa quarta-feira, num café, vimos tudo começar de novo. Outro trecho diz: I've been spending the last ten months thinking of love ever does.. is break, burn and end... (Passei os dez últimos meses pensando em que tudo o que o amor faz é se romper, queimar e terminar...) e foi assim comigo. Passei os últimos seis anos na verdade remoendo a cada adeus que ouvia (estou sendo extremamente bondosa, porque foi apenas sumiço sumário, sem adeuses) e sofrendo, sofrendo, acostumada ao sofrimento. Tenho medo do que dura... do sentimento que ainda perdura e do novo, que quer entrar e vai conqusitando cada vez mais espaço. 

Outra música ue tanto me diz é A Little Respect. Passei para os meus alunos teens hoje, na tentativa de que ligassem a relação amorosa com a relação professor-aluno. Pedi respeito através da música, não sei se realmente pegaram a ideia. Sim, eu os amo, meus alunos. Amo porque o amor está em mim, amar está em mim e é mandamento, acima de tudo. Amo porque pra mim amar é simples; não digo e às vezes nem demostro diretamente, mas sei e sinto. Como amo Bruno. Te amo :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…