Pular para o conteúdo principal

Invisibilidade da identidade


"No pain inside... nothing can touch me..."
Pink - Sobber

Ainda tem a dor por dentro, mas vou levando... a dor é pior quando só se tem o apoio da solidão do próprio quarto, da cama, as lágrimas no travesseiro ou mesmo a máscara do eu-finjo-ser-forte...

Tem os gigantes. Domingo na igreja falou-se de gigantes... quanto maiores, melhores, maior a vitória; mas que dá medo, dá! Eu consigo rir do meu sofrimento e dos meus amorecos de adolescência hoje, mas na época achava que aquela dor nunca ia passar... era um sentimento autêntico, a dor; a ilusão do amor, nem tanto. Espero que na próxima década eu consiga rir também, porque por enquanto, não.

Tem os projetos. Vou subir de cargo, vou ter mais turmas, mais responsabilidade; vou ter possivelmente o mestrado, estudar mais a fundo coisas que nos inquietam a respeito da língua (estrangeira e materna) e seu processo de ensino e aprendizagem.  Identidades... me ocorreu hoje invisibilidade enquanto lia um texto para prova do mestrado. A identidade é flutuante, é formada de múltiplas miríades e eu viajando em mil coisas... Me sinto invisivel naquele departamento, porque sou a aluna ex-aluna professora que está na segunda graduação e vai talvez pro mestrado... identidades: quem somos?

No meu RG (ou CI) consta meu nome, nome dos pais, data de nascimento. Existo desde 1983, sou um número. CPF, idem. Título de eleitor ... aos 16 podemos ser honrados com o título de.. eleitor! Tá... Certidão de Nascimento: data e hora do nascimento, nome completo, nome dos pais, sexo, avós maternos e paternos... engraçado que consta na minha que minha avó era brasileira e meu avô, falecido. Seria cômico se não fora trágico, ou ambos. CV Lattes: sou apenas aluna de tal instituição, que participou de tal e tal evento, publicou tal e tal artigo/trabalho/ensaio e blá-blá-blá... sou número, ainda, parte dos "grandes pesquisadores do país" - ainda não. 

Ao nascer, me tornei filha, irmã, neta, sobrinha, prima, caçula (até dois anos e pouco) ... muita coisa nos vem pronta, até o nome que mal sabemos e nem escolhemos. Meus pais decerto imaginaram uma menina de grande beleza física pra por meu nome, qualidade que nunca foi meu forte... nasci com pés tortos, usei bota ortopédica por menos tempo que deveria, depois foram os dentes, sempre me dando problemas... mais recentemente, o estômago, o intestino e o cabelo que não pára de cair. E ultimamente tenho me questionado por que sempre tenho que ver as coisas pela ótica do negativo... hábito.

A inclinação do mundo para valorizar seus pecados deve-se menos à paixão do que ao hábito, disse Santo Agostinho. Peco, então, sempre, habitualmente e habilmente, se a (falta ou excesso de) modéstia me permite. Ah vida!

Será que saber e refletir sobre tudo - tudo mesmo, de Freud até por que aquele cachorrinho ali está largado na rua - é realmente bom... parece que não saber de nada nos preserve numa aura de pureza e segurança muito maiores do que o saber... Mas o saber cria a habilidade social, talvez, maior acesso, atuação efetiva no mundo como cidadão... o que eu prefiro? quem sou eu?

Pra mal ou pra bem, sigo alimentando minha sede de conhecimento, inata. 

Keywords: Habit. Identity. Who am I?

Bye. :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…