Pular para o conteúdo principal

My life is brilliant, por Bruno HG




Opa!!!
E ai pessoal tudo bem, resolvi dar uma passada aqui no blog, na maioria das vezes sou muito citado, hoje eu mesmo escrevendo.
A Rebeca é a melhor coisa que aconteceu na minha vida, quando a conheci usei meu jeito Mineiro kkkkk, bom a Rebeca surgiu em uma fase de tribulação o falecimento da minha mãe,
Ela é minha flor linda sempre carinhosa ,atenciosa, e um detalhe gosta de mim do jeito que sou , ela me deu um novo ânimo , caminhamos juntos, voltamos para o Braços de Deus.
A mudança pra Ponte Nova , os estudos, vim parar em Viçosa-MG, no inicio achei estranho, mas conforme o tempo foi passando comecei a ver como as coisas por aqui funcionavam.
Mas antes de chegar nessa parte, quero contar um pouco mais como cheguei a Viçosa MG. Morávamos em Belo Horizonte, na verdade perto, uma cidade chamada Sabará, lá eu passei boa parte da minha vida em um bairro de periferia conhecido como Córrego da Ilha, lembro da minha casinha simples, pequena em um morro sem muita iluminação com o chão de pedra, que com o tempo foi crescendo, ganhando ruas asfaltadas e eu crescendo ali onde a maioria dos meninos da minha infância se tornavam bandidos, e ali naquele bairro, na rua Santa Tereza numero 44, cresci jogando bola , vivendo minha infância curtindo musicas Rap, Cidinho e Doca:  “Eu só quero é ser Feliz andar tranquilamente na Favela onde eu nasci”.
Infância muito boa, os anos foram passando e aquele bairro que tinha só a minha casa e do meu “irmão” Jô, crescemos juntos dividindo amizade e o companheirismo, ele vivia na minha casa, dormia, almoçava, jantava, meus pais se tornaram padrinhos dele.
Na rua brincávamos de timinho, Rouba bandeira, toco, etc...
E ali ia vivendo, meus pais sempre católicos de carteirinha e todo Domingo eu ia à Missa, Procissões, Rezas, etc..... ai eu já estava com meus 15 anos, deixei a escola publica e fui estudar na particular, nossa, para um menino que o pai sustentava a família com um salário de Motorista de Lotação , é isso mesmo.
Aos 17 anos conheci a D* uma menina com quem convivi, na verdade eu a vi crescendo e ainda vivia num mundo católico até que a D* me convidou para ir na Igreja Evangélica, bom, fui e ouvindo a pregação, o louvor foi tocando no meu coração já não mais tinha aquele mesmo interesse pelo  catolicismo e em uma das pregações, lembro que o Pastor falou assim: quem aceita Jesus como seu salvador? Eu e D* levantamos e aceitamos, nossa, que bom, pensei, eu tinha minha namorada perto de mim... que nada, isso não durou muito, no outro culto, o pastor voltou a perguntar quem estava disposto a viver uma vida para Deus, eu levantei, mas ela não, depois do culto o Pastor veio falar comigo, eu contei a historia, o Pastor volta e diz assim: irmão, se você quiser realmente viver uma vida com Deus, tem que terminar, pois ela não é a pessoa certa para você.... nossa, isso doeu meu coração, mas eu fiz.
E os anos foram passaram eu já nos meus 23 anos fiquei sabendo que a D* tinha engravidado, nossa, e era minha antiga namorada kkkkkkkkkkkkkkkk Ufa Brigado Deus
Ai no dia 22 de setembro minha mãe faz uma cirurgia e recupera bem, vai para casa. No Domingo ela pede para que eu possa ajudar a levantar depois para deitar novamente e na outra vez ela da uma parada respiratória e morre nos meus braços.........................................................................................................................................................
Daí resolvemos mudar para PONTE NOVA, eu comecei a estudar em VIÇOSA uma rotina para distrair minha mente cansada e confusa e sentindo falta da minha mãe, levantava cedo e ia na Van com Mauro indo e voltando todo dia, comecei a ir na quadrangular, no inicio difícil, depois 8 anos de Batista, uma mudança repentina assim, não estava acostumado, mas o pastor e a pastora R* não desistiram e continuaram a insistir comigo, e acostumei com o pessoal, assim veio o primeiro evento de jovens, Inconformados, eu fui, no segundo conheci os meninos, compramos uma casa em Viçosa, depois de 1 ano mudamos para Viçosa e eu acabei indo para a igreja do centro onde eu conhecia os meninos, já  estava acostumado com eles.
E Hoje estou firme e feliz porque tenho Deus na minha vida e a minha namorada linda que Deus colocou no meu caminho, essa foi um pouco da minha historia, abraços a todos caros leitores.

texto: Bruno H. Gomes
revisão e preservação do sentido: Rebeca Melo :)

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…