Pular para o conteúdo principal

On the other side


Tenho tido problemas com sono, não falta de, muito pelo contrário, excesso. Na minha análise pseudo-psiquiátrica-psicológica quiçá pedagógica, parece que me ocorre uma sublimação da vida no seu todo: enquanto sou completamente morta e sem nenhum sinal de entusiasmo para absolutamente nada, por outro lado meu corpo reage me dando excessos de coisas ruins: medo, ansiedade, apego ao passado, lembranças que nunca se apagam, preguiça, sono, cansaço, alergia ao calor, erupções cutâneas por conta disso, dores, fome, esta última justamente quando je ne pais d'argent e ainda me proponho a emagrecer, me exercitar, blá-blá-blá... balela, nunca cumpro.

O que mais me está intrigando é o excesso de sono. Hoje mesmo estava lá na monitoria e ele veio e me pegou de jeito. Baixei a cabeça por sobre os braços na mesa e dormi, mesmo. Percebi uma movimentação do lado de fora da sala e despertei. Um pessoal usou a sala, com a minha permissão, ao contrário da professora que roubou a sala que estava reservada para a monitoria hoje. Pareceu que eu havia acordado naquele exato momento, quando o pessoal entrou. Uma sensação estranha, como se eu tivesse dormido há horas. Uma estagnação muito forte, que compreendo ser minha distimia se reinventando, renovando-se, ficando mais perigosa, talvez... A incapacidade de sentir prazer ou relaxar é bem característica minha, e tem se tornado um hábito. Uma droga. Padeço. Invejo Maria Helena de Moura Neves.

On the other hand, procuro fazer um esforço que para mim é sobrehumano: o de não ter maus pensamentos, pensamentos que não me deixem tão pra baixo, relacionados a auto-estima, afetividade, futuro e Deus.  Os esforços pequenos do dia-a-dia me vencem: ligar pra um amigo e desabafar, chamar para tomar um shake, ligar pra família... Nada. Ligo pro amor, que de vez em quando me compreende. Ou não.

À beira dos trinta, tento lembrar como foi minha primeira década de vida. Assim que o fizer, postarei. Até Outubro, minha vida estará contada aqui, sem mínimos detalhes, claro, mas estará.  E se eu passar no mestrado, coisa que tem grande perigo de acontecer, terei um segundo blog voltado para minhas experiências em sala de aula, que têm me preocupado deveras. Queria que o outro não me preocupasse tanto, mas disse Jesus para amarmos ao próximo como a nós mesmos... será que é por isso que ... esquece. Bye :)

Comentários

Rodolfo Xavier disse…
Nem se preocupe tanto, esse excesso de sono é muito característico mesmo. Outro dia, quando estava do mesmo jeito, dormi no ônibus e acordei três paradas depois da minha (ainda bem que foi até perto)... rs. Tente tirar um tempinho pra dar um relaxada, por menor que seja para tentar regular o sono, algumas vezes dá certo comigo ;)
Outra coisa, estou tentando entrar no seu blog fazem alguns dias, mas o meu navegador está acusando a presença de um Malware no seu site e acaba bloqueando, fiz um truque aqui pra permitir vê-lo, mas as outras pessoas talvez não consigam. Certifique-se de não ter colocado nada com vírus ou algo do tipo, para que todos possamos ler seus tão bons textos :) Abraços.

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…