Pular para o conteúdo principal

São Paulo


É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
Da dura poesia concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta de tuas meninas

Sampa - Caetano Veloso

Mudei pra lá com 4 anos. Morávamos bem perto do Anhangabaú, passeávamos no viaduto Santa Efigênia, viaduto do Chá, íamos ao Municipal - infelizmente só do lado de fora - e ainda existia o Mapping... A cidade era minha, nossa, de meus irmãos, nosso parque tão particular e tão público. Gostávamos de pegar metrô, passar na catraca, tentar se equilibrar dentro dos vagões brincando de surfista, ir à Biblioteca nos fins de semana, passear no centro, visitar o Museu do Ipiranga, o Parque Dom Pedro, a Praça da Sé, ponto zero da cidade. No meio da praça tem uma espécie de mapa em pedra, no topo de uma pequena "construção", não sei o nome, mas que pra mim era gigante, nunca alcancei. Tenho uma cicatriz de quando me machuquei ali num momumento que tem ou tinha na Praça Clóvis. Pegar ônibus elétrico ou chifrudo era uma aventura e uma tortuar para meu irmão, que sempre enjoava. Sentar nos bancos altos dos ônibus, sempre, preferencialmente do lado da janela. Ir no Brás no final do ano pra fazer compras... Na 25 de Março nem, muita confusão. Fiz curso de inglês no Tatuapé, passeava lá pelos shoppings... Lá tem o Museu do futebol no Pacaembu, o Museu da Língua Portuguesa na estação da Luz, a corrida de São Silvestre e o Revellon na Avenida Paulista, os jardins pra quem pode, a avenida só de passagem pra quem quer... Nunca passei em Interlagos, mas já fui ao Parque do Ibirapuera, Parque do Carmo (mais popular), Sesc, Rodoviária do Tietê - sempre - o Shopping Aricanduva, o do Tatuapé e o mais recente, Boulevard Tatuapé, também o Anália Franco que tem uma ótima Saraiva Mega Store onde se pode folhear os livros e ouvir os CDs. Tem as faculdades também, Unip onde fiz meu primeira tentativa de vestibular (eu nem sabia o que estava fazendo direito), a Anhembi-Morumbi onde fiz duas vezes o ENEM, o Anglo vestibulares na Liberdade, onde em 2004 e 2005 fiz os vestibulares para os anos seguintes tentando vaga na UFV - na primeira vez fiquei na lista de espera no 60º lugar e não fui chamada, pois até então havia somente 40 vagas para Letras. Na segunda vez passei em 20º. teve a Universidade Cruzeiro do Sul, que oferecia alguns cursos gratuitos mediante determinada nota no vestibular, e onde quase fui cursar Geografia. Cheguei a ganhar bolsa lá de 70% para Letras, mas ainda assim não poderia pagar... na verdade se tivesse feito um esforcinho e trabalhasse durante a graduação, o que eu não queria, teria conseguido sim. Ah, mas consegui uma Federal :)

Fato é que eu tinha que vir pra Viçosa por razões misteriosas que eu deduzo e desconheço. Hoje deve ter bolo lá no Bexiga, em comemoração aos 459 anos de São Paulo, a Paulicéia Desvairada, a selva de pedra, terra da garoa, da poluição, da atratividade e decepção... ou não; do trabalho duro, da pouca comunicação, da falta de atenção ou de gratidão... das luzes noturnas que não se apagam, terra do trabalho 24 horas por dia e noite. 

Reconheço seus trejeitos quando vou lá
sei me deslocar, mas não pareço
padeço de uma saudade do concreto
mas ao mesmo tempo, esqueço
visto tua camisa, desmereço
fico longe e não quero voltar
estou lá e não quero sair
e por tudo que tu tens pra ainda compartilhar
agradeço...

Felicidades e progresso, Sampa. Bye! :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…