Pular para o conteúdo principal

São Paulo


É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
Da dura poesia concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta de tuas meninas

Sampa - Caetano Veloso

Mudei pra lá com 4 anos. Morávamos bem perto do Anhangabaú, passeávamos no viaduto Santa Efigênia, viaduto do Chá, íamos ao Municipal - infelizmente só do lado de fora - e ainda existia o Mapping... A cidade era minha, nossa, de meus irmãos, nosso parque tão particular e tão público. Gostávamos de pegar metrô, passar na catraca, tentar se equilibrar dentro dos vagões brincando de surfista, ir à Biblioteca nos fins de semana, passear no centro, visitar o Museu do Ipiranga, o Parque Dom Pedro, a Praça da Sé, ponto zero da cidade. No meio da praça tem uma espécie de mapa em pedra, no topo de uma pequena "construção", não sei o nome, mas que pra mim era gigante, nunca alcancei. Tenho uma cicatriz de quando me machuquei ali num momumento que tem ou tinha na Praça Clóvis. Pegar ônibus elétrico ou chifrudo era uma aventura e uma tortuar para meu irmão, que sempre enjoava. Sentar nos bancos altos dos ônibus, sempre, preferencialmente do lado da janela. Ir no Brás no final do ano pra fazer compras... Na 25 de Março nem, muita confusão. Fiz curso de inglês no Tatuapé, passeava lá pelos shoppings... Lá tem o Museu do futebol no Pacaembu, o Museu da Língua Portuguesa na estação da Luz, a corrida de São Silvestre e o Revellon na Avenida Paulista, os jardins pra quem pode, a avenida só de passagem pra quem quer... Nunca passei em Interlagos, mas já fui ao Parque do Ibirapuera, Parque do Carmo (mais popular), Sesc, Rodoviária do Tietê - sempre - o Shopping Aricanduva, o do Tatuapé e o mais recente, Boulevard Tatuapé, também o Anália Franco que tem uma ótima Saraiva Mega Store onde se pode folhear os livros e ouvir os CDs. Tem as faculdades também, Unip onde fiz meu primeira tentativa de vestibular (eu nem sabia o que estava fazendo direito), a Anhembi-Morumbi onde fiz duas vezes o ENEM, o Anglo vestibulares na Liberdade, onde em 2004 e 2005 fiz os vestibulares para os anos seguintes tentando vaga na UFV - na primeira vez fiquei na lista de espera no 60º lugar e não fui chamada, pois até então havia somente 40 vagas para Letras. Na segunda vez passei em 20º. teve a Universidade Cruzeiro do Sul, que oferecia alguns cursos gratuitos mediante determinada nota no vestibular, e onde quase fui cursar Geografia. Cheguei a ganhar bolsa lá de 70% para Letras, mas ainda assim não poderia pagar... na verdade se tivesse feito um esforcinho e trabalhasse durante a graduação, o que eu não queria, teria conseguido sim. Ah, mas consegui uma Federal :)

Fato é que eu tinha que vir pra Viçosa por razões misteriosas que eu deduzo e desconheço. Hoje deve ter bolo lá no Bexiga, em comemoração aos 459 anos de São Paulo, a Paulicéia Desvairada, a selva de pedra, terra da garoa, da poluição, da atratividade e decepção... ou não; do trabalho duro, da pouca comunicação, da falta de atenção ou de gratidão... das luzes noturnas que não se apagam, terra do trabalho 24 horas por dia e noite. 

Reconheço seus trejeitos quando vou lá
sei me deslocar, mas não pareço
padeço de uma saudade do concreto
mas ao mesmo tempo, esqueço
visto tua camisa, desmereço
fico longe e não quero voltar
estou lá e não quero sair
e por tudo que tu tens pra ainda compartilhar
agradeço...

Felicidades e progresso, Sampa. Bye! :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…