Pular para o conteúdo principal

O Estilete


"O coração de uma mulher é um oceano cheio de segredos"
Rose, Titanic


 O ESTILETE

Prólogo: Pensei que ontem usaria pela prima vez meu estilete em carne humana. Por um segundo não foi porque não lembrei-me dele.

ATO 1
CENA 1 - O devaneio que se torna real
Personagens:
O Duas Caras
A Namovaca do Duas Caras
Doida Summer
Bus Driver
Funcionário
Conhecido
O Coro - que podem ser um bando de Tirésias, o gato de botas ou preferencialmente o gato de Alice, Lúcifer. 

CENÁRIO
Terminal Rodoviário Tietê. Doida Summer chega à Rodoviária, vai para sua plataforma e depara-se com Duas Caras e a Namovaca. Estão de costas. Doida Summer para bruscamente, suspira, segura firme a mala em riste e passa feito trator por eles. Ouve a Namovaca:

- Nossa! (voz estridente de loura-burra).

Doida segue para a fila de bagagens de baixo, pedindo desculpas às pessoas do outro lado em quem esbarrou. Olha furtivamente para trás, seu olhar se encontra com o da Namovaca-loura-burra. Doida entrega a mala ao funcionário:

- Só?
- Só - Doida diz quase sem voz, mais com a cabeça. Quando vai guardar o papelinho entregue pelo funcionário, percebe que está tremendo descontroladamente. Vai agora para a fila de entrada no ônibus, fica quase ao lado de Duas Caras e Namovaca. Cumprimenta um conhecido e se coloca na frente dele na fila. O inconsciente pede pra se afastar dos dois lá. Ao perceber o equívoco, desculpa-se:

- Opa, desculpa! - e sai, colocando-se atrás do Conhecido.
- Não, tudo bem, estou esperando um amigo... - diz o Conhecido. 

Doida então volta ao seu lugar. Ainda treme vertiginosamente. 

O gato Lúcifer - "Quanto a mim, os meus pés quase resvalaram; pouco faltou para que os meus passos escorregassem. Pois eu tinha inveja dos soberbos, ao ver a prosperidade dos ímpios...Eis que estes são ímpios; sempre em segurança, aumentam as suas riquezas. Na verdade que em vão tenho purificado o meu coração e lavado as minhas mãos na inocência, pois todo o dia tenho sido afligido, e castigado cada manhã. Se eu tivesse dito: Também falarei assim; eis que me teria havido traiçoeiramente para com a geração de teus filhos. Quando me esforçava para compreender isto, achei que era tarefa difícil para mim..." E o gatosorri, sumindo.*

Ao  deparar-se com o Bus Driver, Doida entrega as passagens. Bus Driver confere e devolve:
- Ok, tudo certo, boa viagem!
- Posso perguntar uma coisa? Suspietos podem viajar? Acho que já vi a foto deles na televisão ou em alguma delegacia e...
- O que, como? - diz o Bus Driver, meio rindo, meio querendo entender
- Suspeitos podem viajar? - Doida indica os dois - o grandalhão ali com a garota - e entra no ônibus.

CENA 2 - No ônibus
Doida
A Senhora
O Senhor
O Marido, A Marida e a Prole


Doida continua tremendo e precisa se segurar nos frágeis e pequenos corrimões da entradinha do ônibus. Ao chegar na sua poltrona 35, se depara com uma senhora e um senhor lá sentados:

- A poltrona da senhora é 35? - pergunta Doida. A senhora parece não entender, resmunga qualquer coisa. 
- Acho que a passagem da (sua) mãe está errada - diz A Marida. O Senhor confere.
- É, a minha é a 4... - e uma confusão de comentários entredentes se faz. Finalmente o Senhor diz:
- Você não poderia trocar comigo para eu ficar perto da minha mamãe? - diz com voz e olhares débeis.
- Qual é a sua poltrona? - pergunta Doida
- É ali atrás.
Doida segue pra lá, sem dizer palavra, resmungando e pensando ter sido entendida. Ouve um "trocou, trocou?" atrás de si, vira-se e vê todos olhando fixo pra ela, sem se mover. Ela faz algum sinal, dando a entender que sim, trocou sua janela pelo ultimo corredor ao lado do banheiro pútrido e de um bebedouro que mais pra frente lhe dará um banho. 
- Espero que esse banheiro não atrapalhe a gente! - diz de repente o Marido, sentado ao lado de Doida. 
- É, probleam todo de sentar aqui atrás é esse... - responde Doida, percebendo um olhar de reprovação da Marida para seu Marido, como que dizendo: "cala a boca, senão ela vai destrocar!".
O Bus Driver se apresenta, todos se acomodam e Doida liga para Mozilla. 

CENA 3 - The Call

Doida, Mozilla, Coro: Amy Winehouse

- Mozilla, você não sabe quem eu encontrei aqui.
- Quem, Doida?
- O idiota. Com a idiotazinha.
- De quem vc tá falando, mozi??
- Daquele que me ignora na rua, Mozilla.
- Ah, tá, o que que tem?
- Se eles entrarem nesse ônibus, eu vou fazer uma besteira!
- Que besteira vc tá falando, mo?
- Não sei, só sei que vou fazer alguma coisa. - Doida sempre com a voz linear e tranquila, o coração aos pulos, trêmula.
- Amor, vc se comporta hein!
- Eu dei-lhe um esbarrão de propósito antes de entrar aqui, mo!
- Pra que, mozi? Era por isso que você tava querendo mudar de cidade, casar ... pq vc está comigo então?... já era pra você ter esquecido issso...esquece isso!!
- Não é assim!
- É assim, sim! Só pra você que não é! Me diz, quando vc quer esquecer alguma coisa, vc não esquece?
- Não, não, eu tenho memória de elefante, infelizmente -  a voz de Doida vai sumindo, banhada em lágrimas disfarçadas.
- é, é tem sim, tem mesmo... sei... ele num tá nem ai pra vc, porque vc quer caçar confusão... - e Mozilla fala coisas e mais coisas sem obter muita resposta de Doida, calada, banhada em lágrimas. Em dado momento, ela desliga.

Coro (Amy Winehouse):**

Fim do primeiro ato. Continua...
 

*trechos do Salmo 73
** dedicado à Mozilla, título sugestivo: You know I'm no good (vc sabe que não sou bacana - tradução livre).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…