Pular para o conteúdo principal

Past Perfect


Esse mundo dá raiva, dá medo, revolta. esse mundo chamado Brasil. Por essas e outras - sinalizadores no estádio, mortes, Santa Maria - que a gente se aliena; se pega em deus, e assim deve ser; se apega ao time de futebol, a uma causa, ao feminismo, ao social, ao acadêmico, aos esportes, aos livros. Todas essas são atividades boas e saudáveis, mas muitas vezes parece que nos escondemos detrás de algumas coisas; desenvolvemos patologias, medos; recuamos e morremos, ou lutamos e também morremos. Morrer é o detsino, sempre, qualquer que seja o caminho. E a vida se justifica por alguns momentos felizes e pela vontade dEle, ponto. porque lutar contra isso não tem como, mas lutar contra um atendimento de bosta no SUS, contra impunidade, preconceito, etc, podemos e devemos. E a luta não acaba nunca, senhor, nos cansamos, mas estamos criando brecedentes, bases para as outras gerações, se é que esse mundo ainda vai durar muito.

Não sei, tenho sentimentos dúbios. Estou mais calma e mais consciente das coisas, parece que meu solhos vão se abrindo cada vez mais, e esse processo parece que é pela vida toda, cada vez mais abrimos os olhos, por isso na Bíblia os idosos são/devem ser tão valorizados: apesar da pele desgastada e da beleza juvenil que se foi, ganhamos em compensação uma sabedoria e calma infinitas diante da vida e da possibilidade da morte. Encaramos tudo e só temos a dor de não ter sabido de tudo antes, pois como aproveitaríamos! Esse mundo do tudo pronto não nos permite saborear a sabedoria que vem do fazer, do viver... fazer uma comida no forno de lenha, cozinhar um feijão por horas, com calma, não é a mesma coisa dessa vida moderna em que o arroz vai pro microondas. Tudo pronto, o que nos priva da vivência da própria vida, de desfrutar das coisas com mais sabor. A roupa pronta não é a mesma coisa do pano na mão da costureira e do alfaiate; andar por horas até a casa de um amigo e permanecer lá por dias não é mais lógico com um carro, um computador e internet em mãos. Ir ao cinema nem tem mais graça se posso baixar filmes, enquanto que bem antigamente tinha até orquestra ao vivo pro cinema mudo. Fotos são coisas banais, todo mundo tira, e não é mais necessário esperar o lambe-lambe passar de tempos em tempos pra poder juntar a família toda numa ocasião especial e tirar uma foto, talvez a única de toda vida. Ah, tenho saudades de um tempo que não vivi... de saborear a vida mais de perto. Mas isso também é alienação, apego ao passado porque o presente envergonha... o país envergonha...

Vivi nos anos 80, calça na cintura, coisas coloridas e espalhafatosas, as melhores músicas... É, devo estar ficando velha mesmo, já estou exaltando o meu passado, que a meus olhos parece melhor comparado ao presente. Nosso olhar muda, o mundo parece mudar também mas pra pior. Não sei, só sei que com o tempo saberei. Ponto.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…