Pular para o conteúdo principal

Tempo?

 Et mois j'ai pris
ma tête dans ma main
Et j'ai pleuré
(Jacques Prevért)

E eu coloquei 
minha cabeça entre as mãos
e chorei
(tradução livre)

Fico pensando se há tempo. Se há tempo pra que eu mude totalmente os rumos e o tema do meu projeto de mestrado; se há tempo para um café com leite com a pessoa amada, mesmo sem palavras, mas com o olhar, porque olhar ao menos diz que você percebe o outro; se há tempo para que pequenos gestos sejam consertados, pequenas coisas perdoadas, mesmo que não haja a vontade de perdão de ambas as partes; se há tempo para que meu sobrinho cresça, fale e prove à mãe desequilibrada que ele não é altista, é apenas tímido; se há tempo para que meu outro sobrinho, que realmente é altista, se desenvolva, fale, e mostre que também é normal; se há tempo para que eu mude e seja mais acessível; que meu humor mude e seja mais estável; se há tempo para que eu consiga regastar relações e engatar novas; se há tempo e vontade para o cultivo das atuais; se haverá, não se há, na verdade. se haverá tempo para que eu publique meu(s) livro(s), seja mãe e mostre aos pequenos o que mamãe já fez nessa vida; se haverá tempo para que paremos de ser tão maus, tão mesquinhos, e amemos mais, amar incluindo fazer o bem, informar-se, formar-se... se haverá tempo do despertar de meu irmão para a função de pai, verdadeiramente...

Não sei se é a palavra tempo que quero usar, talvez seja chance, lugar, oportunidade das coisas tomarem lugar, como se diz em inglês, a língua que tem melhor traduzido as coisas pra mim ultimamente. Take place. Happen. Be held. Pensando nisso, vejo que o medo me paraliza e é com cuidado que vou caminhando, tomando decisões, quando tudo pede rapidez e instantaneidade. Medo e cansaço da loucura que é a vida hoje: Instagram, smartphone, MP0912407656723...., Ipod, Inumpod, blog, notícias instantâneas, yahoo, gmail, hotmail, coldmail, msn, facebook, orkut (ainda), enfim... Quase não vejo televisão mas estou sempre on. Parei de postar coisas, só quando não resisto mesmo. A vida está online, mas ficar postando fotos de tudo e de todos e compartilhar coisas com frase escrita errada não dá não.

Não haver tempo - ou chance, sorte, oportunidade - assusta. Amedronta. Não sei, somos frágeis assim. Eu pelo menos tenho tendência de ficar paralisada em alguma situação que me cause medo, mas tenho procurado mudar isso. Medo mais ainda de estar fazendo algo ou tudo errado e ir para o lugar errado no pós-mortem... por isso quero viver bastante, porque percebo que ganha-se sabedoria pela experiência, e ainda preciso de muita sabedoria, muita vida portanto. Muito tempo. 

Espero que, ao tomar café, possamos olhar um pro outro, mesmo sem nada dizer, ou mesmo falar do tempo, se é o assunto necessário. Sempre há tempo pra recomeçar, assim quero crer, porque assim está sendo comigo. Hoje eu folheava cadernos para passar poemas a limpo e vi tanta coisa que escrevi antes, tanto erro de inglês e erro de visão de mundo. Erro por excesso de ingenuidade e por acreditar nas pessoas. Não creio, na verdade, que seja um erro, mas uma falha que pode tornar-se qualidade se moldada. É nisso que estou trabalhando e querendo deixar que Ele trabalhe, sempre em mim, vaso eternamente moldado e remoldado pelo oleiro. Amém. 

Comentários

Rodolfo Xavier disse…
Essa crise é tão de todos.
Lembrei da Musica " O tempo" da banda Móveis Coloniais de Acajú. Se nunca escutou, escute... pegaram seu Post, coloram acordes e saíram cantando :)
R.B. disse…
valeu pela dica, Rodolfo :)

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…