Pular para o conteúdo principal

Tempo?

 Et mois j'ai pris
ma tête dans ma main
Et j'ai pleuré
(Jacques Prevért)

E eu coloquei 
minha cabeça entre as mãos
e chorei
(tradução livre)

Fico pensando se há tempo. Se há tempo pra que eu mude totalmente os rumos e o tema do meu projeto de mestrado; se há tempo para um café com leite com a pessoa amada, mesmo sem palavras, mas com o olhar, porque olhar ao menos diz que você percebe o outro; se há tempo para que pequenos gestos sejam consertados, pequenas coisas perdoadas, mesmo que não haja a vontade de perdão de ambas as partes; se há tempo para que meu sobrinho cresça, fale e prove à mãe desequilibrada que ele não é altista, é apenas tímido; se há tempo para que meu outro sobrinho, que realmente é altista, se desenvolva, fale, e mostre que também é normal; se há tempo para que eu mude e seja mais acessível; que meu humor mude e seja mais estável; se há tempo para que eu consiga regastar relações e engatar novas; se há tempo e vontade para o cultivo das atuais; se haverá, não se há, na verdade. se haverá tempo para que eu publique meu(s) livro(s), seja mãe e mostre aos pequenos o que mamãe já fez nessa vida; se haverá tempo para que paremos de ser tão maus, tão mesquinhos, e amemos mais, amar incluindo fazer o bem, informar-se, formar-se... se haverá tempo do despertar de meu irmão para a função de pai, verdadeiramente...

Não sei se é a palavra tempo que quero usar, talvez seja chance, lugar, oportunidade das coisas tomarem lugar, como se diz em inglês, a língua que tem melhor traduzido as coisas pra mim ultimamente. Take place. Happen. Be held. Pensando nisso, vejo que o medo me paraliza e é com cuidado que vou caminhando, tomando decisões, quando tudo pede rapidez e instantaneidade. Medo e cansaço da loucura que é a vida hoje: Instagram, smartphone, MP0912407656723...., Ipod, Inumpod, blog, notícias instantâneas, yahoo, gmail, hotmail, coldmail, msn, facebook, orkut (ainda), enfim... Quase não vejo televisão mas estou sempre on. Parei de postar coisas, só quando não resisto mesmo. A vida está online, mas ficar postando fotos de tudo e de todos e compartilhar coisas com frase escrita errada não dá não.

Não haver tempo - ou chance, sorte, oportunidade - assusta. Amedronta. Não sei, somos frágeis assim. Eu pelo menos tenho tendência de ficar paralisada em alguma situação que me cause medo, mas tenho procurado mudar isso. Medo mais ainda de estar fazendo algo ou tudo errado e ir para o lugar errado no pós-mortem... por isso quero viver bastante, porque percebo que ganha-se sabedoria pela experiência, e ainda preciso de muita sabedoria, muita vida portanto. Muito tempo. 

Espero que, ao tomar café, possamos olhar um pro outro, mesmo sem nada dizer, ou mesmo falar do tempo, se é o assunto necessário. Sempre há tempo pra recomeçar, assim quero crer, porque assim está sendo comigo. Hoje eu folheava cadernos para passar poemas a limpo e vi tanta coisa que escrevi antes, tanto erro de inglês e erro de visão de mundo. Erro por excesso de ingenuidade e por acreditar nas pessoas. Não creio, na verdade, que seja um erro, mas uma falha que pode tornar-se qualidade se moldada. É nisso que estou trabalhando e querendo deixar que Ele trabalhe, sempre em mim, vaso eternamente moldado e remoldado pelo oleiro. Amém. 

Comentários

Rodolfo Xavier disse…
Essa crise é tão de todos.
Lembrei da Musica " O tempo" da banda Móveis Coloniais de Acajú. Se nunca escutou, escute... pegaram seu Post, coloram acordes e saíram cantando :)
R.B. disse…
valeu pela dica, Rodolfo :)

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…