Pular para o conteúdo principal

Da Poesia - ou É tudo amor


A poesia preenche a alma. Fui ao II Encontro com os Clássicos hoje e, apesar da demora, valeu muito a pena. Duas palestras brilhantíssimas ministradas por dois especialistas em Camões e Fernando Pessoa. As falas em si e as poesias lidas intercaladas foram de elevar a alma, meu espírito pulsou, até mesmo produzi dois sonetos durante o evento. Queria ter feito um comentário, mas fiquei com medo de não saber me expressar bem falando, como me é mesmo peculiar, e também pelo tempo que já estava se esgotando para comentários e questionamentos. Meu comentário seria sobre a diminuição que sentimos, ou que um poeta contemporâneo pode sentir, quando se depara com os clássicos, os grandes, os gênios; e também sobre o fazer poético, relacionado à essa diminuição... nem ousaria me chamar poeta/poetisa diante do sabor de Pessoa e Camões. Fiquei pensando que se o primeiro professor que palestrou se inscrever nesse concurso literário de BH, eu tô perdida. Mas ainda assim vou me inscrever. 

Ultimamente ficar fora de casa tem sido fuga, alívio. Sempre que confrontada, eu não consigo olhar a pessoa normalmente, como se nada houvesse. Me fecho ainda mais. Recuo. Ostracismo. Distimia. prefiro fruir da poesia de hoje, ah, tudo tão bom, tão elevadamente elevado, não sei, não há explicação. Fiqumos com dois poemas que foram lidos lá, perfeitos (Camões e Pessoa):

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

 
É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

 
É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence o vencedor,
É ter com quem nos mata lealdade.

 
Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade;
Se tão contrário a si é o mesmo amor?


    Todas as cartas de amor são
    Ridículas.
    Não seriam cartas de amor se não fossem
    Ridículas. 


    Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
    Como as outras,
    Ridículas. 


    As cartas de amor, se há amor,
    Têm de ser
    Ridículas. 


    Mas, afinal,
    Só as criaturas que nunca escreveram
    Cartas de amor
    É que são
    Ridículas.


    Quem me dera no tempo em que escrevia
    Sem dar por isso
    Cartas de amor
    Ridículas. 


    A verdade é que hoje
    As minhas memórias
    Dessas cartas de amor
    É que são
    Ridículas. 


    (Todas as palavras esdrúxulas,
    Como os sentimentos esdrúxulos,
    São naturalmente
    Ridículas.
    )

    Álvaro de Campos, 21-10-1935

Não sei se todos tem isso, mas o que senti hoje foi um contentamento inexplicável e elevado pelas falas e poemas lidos. Ah, e o piano que lá estava... mais uma vez viajei na ideia de estar tocando-o, tocando exatamente esta música:


O poeta é artista. Achei magnífico quando o primeiro palestrante explicou isso e pediu silêncio em respeito à obra de arte que ele leria a seguir. Magnifique. Fico pensando se chego lá, a ponto de ser lida dessa forma tão nobre e respeitosa. Não estou publicando nada meu porque quero por coisas inéditas na obra para o concurso. O prazo está acabando, mas com a graça dEle, terminarei de digitar e terei grana segunda-feira pra imprimir. Amém.

Comentários

Rodolfo Xavier disse…
Adoro poesias, porém, tenho uma dificuldade particular em interpretá-las como é para ser. E para escrever também. hehe
Tenho uma paixão particular por essa das cartas de amor. Tinha uma música que Maria Bethânia recitava ela como ninguém... desde aí, me apaixonei por ela...

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…

Homens marinheiros

Marinheiro - Adriana Calcanhotto



O meu amor me deixou
levou minha identidade
não sei mais bem onde estou
nem onde há realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro..
não pensaria em dinheiro
um amor em cada porto..
Ah se eu fosse marinheiro..

O meu amor me deixou,
levou minha identidade
nao sei mais bem onde estou
nem onde ha realidade

Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
nao se teria partido
ou se partisse colava
com cola de maresia

Homens são marinheiros, trabalhadores de um dia que vêm ,aportam, conquistam, usam, amam por uma noite e se vão…