Pular para o conteúdo principal

Mix de textos escritos aleatoriamente


Estes textos escrevi para reflexões de teacher, ainda experimentando como criar páginas/postagens. Agora, acho que consegui, então reuni alguns deles em uma só postagem. pretendo fazer separadamente de agora em diante.

Feb 17th, 2013



Ontem ocorreu o I Encontro do Projeto de Educação Continuada para Professores de Língua Inglesa e foi muito bom, um espaço para reflexão so re a prática docente é sempre bem-vindo. O tema da palestra que ocorreu foi o tempo. Segundo a professora Rosely Perez Xavier, existem dois tipos de tempo, o Cronos, que diz respeito ao cumprimento de tarefas, carga horária, etc, compromisso do professor com sua tarefa burocrática como funcionário, e o tempo Aion, que é relacionado ao tempo na sala de aula, o decorrer da aula, o andamento da mesma, se há pausas e por que, enfim, o tempo reflexivo. Várias professoras do projeto se apresentaram e falaram sobre como o projeto as encoraja a prosseguir reflexivamente, ainda que haja a necessidade de se adequar ao Cronos. Foram depoimentos pessoais e sinceros, emocionantes e quase confissões. Ser professor é muito. 

Pensamos lá em nossa prática, o que fazemos, como fazemos. A professora Rosely mostrou algumas pesquisas dela, e na segunda parte do encontro, à tarde, promoveu uma oficina em que utilizamos nossos próprios livros didáticos de inglês, fazendo atividades de adaptação. adaptamos, modificamos exercícios de acordo com a necessidade que sentimos de cada aluno. Mas as impressões que temos são sempre verdadeiras? E se errarmos? Rosely argumentou que não há problema em errar, o que importa é a tentativa, pois estamos sempre em formação, portanto, sujeitos a erros. 

Ano que vem o grupo que se formou no projeto, com professoras das cidades vizinhas e daqui de Viçosa também, comemora dez anos de existência. Iniciativas desse tipo estão previstas em lei, mas são poucas e mal entendidas. Não se trata de remediação de lacunas que porventura ocorreram na graduação, mas sim um refletir contínuo sobre a prática em sala de aula, uma formação que continua sempre. O bom profissional procura se atualizar, ler, enfim, continuar sempre aprendendo, mas algumas vezes carecemos de direcionamento e a educação continuada encarrega-se de dar essa luz no fim do túnel. Creio que a oferta de projetos desse tipo devam ser iniciativa do governo em parceria com as universidades, o que não acontece. E na universidade essa inicitaiva se dá ainda mais pela necessidade de fomentar a pesquisa, e atender professores atuantes torna-se já projeto de pesquisa. Questiono sim se há interesse real pelas pessoas nisso, mas, mesmo que não haja, há pessoas envolvidas, portanto, relações emocionais que se extendem para além da sala de aula, do projeto. Relações que ficaram estampadas nos rostos das professoras - sofressoras, muitas vezes - que se abriram na apresentação de si mesmas e de seu trabalho.

Um coffee end fechou o evento. Enfrentar a slaa de aula é um prazer e uma obrigação nem sempre prazerosa. Um simples salgadinho com suco em um momento de discutir a sala de aula fora dela já é de grande ajuda. Somos gente, acima de tudo. Temos fome de que?

Feb 15th, 2013

Preconceito Linguístico

Marcos Bagno escreveu um post, acho que o primeiro, em um blog produzido por ele a pedido do ministério da educação. Aqui tem o post, interessantíssimo, por sinal. Outro dia mesmo eu estava fuçando coisas antigas e vi que já li muito Bagno durante a graduação.

Amanhã acontece o I Encontro do Projeto de Educação Continuada para Professores de Língua Inglesa, do qual participarei. A Educação continuada é essencial, pena que não é assim tão acessível, muitas universidades a disponibilizam com dias e horários restritos, porém fazem a sua parte porque tal curso deveria ser oferecido pelo governo. Ah sim, o nosso governo sempre capenga!

Também teremos por aqui, na UFV, o II Encontro com os Clássicos da Literatura, em março. Brevemente, mais notícias por aqui. :)


------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Sobre LA

Por conta de estudar para o mestrado, comecei a ler textos sobre o trabalho com textos na escola. Mais uma vez bate-se na tecla de "deixa a gramática pra lá", mas dessa vez não totalmente pra lá, pois escolhas lexicais de diferentes categorias gramaticais são importantes. Nessa visão, a gramática serve para a análise de textos, como parte integrante de tal, e não como foco. O texto a que me refiro, aliás, o livro, é de Irandé Antunes, Análise de Textos - fundamentos e práticas. Os textos nele contidos começam a ficar um tanto chatos mais para o final, dada a repetição e insistência da autora em enfatizar que o texto deve ser o centro do ensino de línguas, tanto estrangeira quanto materna. texto aqi entendido como qualquer enunciado significativo de comunicação, se é que posso "traduzir" assim. Lembrei-me de algumas professoras de português e inglês dos tempos de escola. Sim, trabalhavam com textos até variados, mas a gramática, a classificação de palavras, frases e períodos eram o centro. Não se deve culpar o professor por isso, mas ele é culpado assim que recebe tais esclarecimentos. Daria o livro a essas minhas professoras, se na época eu tivesse tal entendimento das coisas. Tenho tentado seguir algumas dicas em sala de aula. No início sempre é difícil, mas vale a pena tentar, por um ensino melhor. Lido com alunos de escola pública em um cursinho de inglês e inovação é o que os alunos pedem.

Outro texto que li, altamente libertador, foi o de Moita Lopes, Da Aplicação de Linguística à Linguística Aplicada Indisciplinar, em que o autor fala dos campos da linguística aplicada que, sendo relacionada a vários tais como História, geografia, Filosifa, Sociologia, torna-se Indisciplinar, atuando num mundo em que a linguagem passou a ser um elemento crucial ... uma área mestiça e nômade, nas palavras do autor. Eu estava mais acostumada à LA atrelada ao ensino de línguas somente, como estudo sobre tudo que concerne à línguas, o que é essencial nela, mas não é só isso. O texto encontra-se no livro Linguística Aplicada - um caminho com diferentes acessos e vale muito a pena ler, pra quem for da área ou curioso.

Apesar da minha não aprovação, valeu a pena, êh, êh, como diz a música. :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…