Pular para o conteúdo principal

Notícias para mim em 2043


Oi eu daqui a mais de trinta anos... será que você ainda está nesse desgaste emocional todo? Viva ou sobrevivendo? Espero que viva e bem. Mas aqui em 2013 o bicho tá pegando. Talvez aos olhos alheios, eu esteja exagerando e devia tomar medidas simples, como simplesmente - como se fosse simples - mudar. De casa, de amor, de cidade, de mundo, de profissão, ainda que na mesma área. Mas olhos alheios não sentem ou muito menos vêem o que vejo. E exatamente por isso não há certo ou errado: há o que vejo e o que não vejo, o que sinto e o que não sinto. E você, eu em 2043? Ah, você agora tem olhos alheios...

E aí, ainda com amigos ou só com lembranças deles, trocas de emails, telefonemas escassos? Vivendo o amor ou lembrando dele? Feliz? Sim, tudo é efêmero. Ainda com esse blog obscuro ou só lembrando dele? Ou mudou-o? Que adianta você me responder isso tudo, não é mesmo? Na verdade eu que tenho que te dar um norte. Procuramos no passado respostas para o presente, ou um norte, uma pista. No futuro, não, exatamente por não saber o que vai ser. Nem a morte é certa, basta acreditar-se piamente na volta de Cristo e vai que Ele vem quando você está ainda vivo: vai ser arrebatado, transformado, quiçá salvo, amém. 

Mas preciso dizer como está tudo aqui pra que você continue, compreendo, ou mude, sensato. Ou nada. Sei lá como eu-você está. Como comecei dizendo, o desgaste emocional está grande, mas parece que isso faz parte da vida de todos, pra mais ou pra menos e no meu caso, neste momento, para mais. nesse ano catártico de nossos 30 anos, vou aí completando 7 meses de namoro agora em abril, ainda tenho aparelho nos dentes e descubro uma gastrite que, ainda que leve, me afeta bastante, sobretudo por causa do exame ao qual fui submetida, a endoscopia, que descobri ser desnecessária no meu caso, mas dependente de SUS é assim mesmo, manda pra faca e pronto. Pois bem. Além disso, estou com umas manchas na pele e queda de cabelo cada vez mais acentuada. tenho ainda que ir ao dermatologista, sim, esperar na fila uma dessas madrugadas aí. Ah, tem o psicólogo. Nessa terça, lá vou eu consultar-me com uma senhora para quem não pretendo me abrir, a menos que seja a pessoa mais persuasiva deste mundo, cujo rosto parece mais de paciente de hospital psiquiátrico do que exatamente uma profissional da área emocional, digamos. Julgamos todos pela aparência, que é a primeira pista que nos vem "à mão". Mas vou lá né, conhecê-la e ela a mim. 

Estou pensando em mudar os rumos do meu projeto de mestrado. Nunca fiz nada na área de literatura, mas
amo. Amo Álvares de Azevedo. Fico pensando se mudei mesmo aí no futuro... saberei quando aí chegar. Penso em Álvares e em nada mais: o que dizer sobre ele que já não foi dito? E como basear um possível assunto novo sem muita bibliografia? Byronismo? Coisa demais pra falar, repetições vãs, talvez. Adolescência, homossexualismo, idealização do amor ou da mulher? Blá-blá-blá... Sei lá. Só pensando. Ao mesmo tempo achei linhas de pesquisa em certas Universidades que aliam Linguagem/Ensino de Línguas com Educação, o que me parece perfeito, pois uma coisa não se separa da outra. Nisso tenho base e experiência pra falar, mas a literatura parece querer se revelar em mim. na verdade, não ela em si, mas a vertente análise, especificamente de poesia. Porque não vou fazer outra coisa se realmente me enveredar nesse caminho. Ou vou? Me diga aí!

E Ele? Ah, é tudo nesse momento e espero que continue sendo, sempre. Como assim não se acredita em nada, só na força humana, que é tão frágil? Não, há essa força maior, esse ser que nos criou... não posso, não quero e nem vou viver sem Ele... espero me firmar nisso cada vez mais, aconteça o que acontecer. ACONTEÇA O QUE ACONTECER. É como a filosofia que sempre carreguei comigo, fazer o certo independente do que os outros pensem/pensam, ponto. 

Ah, e tem a bactéria alojada no meu estômago, H. Pylori. Tem a cirurgia do dente que fiz, e até agora não me conformo, apesar de saber que aconteceria, que eu apaguei e nem me lembro de ter sido levada pra cadeira do dentista nem de como saí dela. Aqueles remedinhos azuis mágicos... Vixi, ainda tem os concursos. Entrei numa maratona de concursos, passei em todos, mas não consegui vaga porque ou era apenas uma ou passei em lugar excedente. Ouro Preto, estado MG, Editora UFV, Coluni, até mestrado UFV, nesse fui eliminada logo. Precisava desses empurrões pra ir embora de Viçosa. Não que já esteja indo, mas é plano certo para 2014. Tem que ser. Será que vou/fui?

Bom, este é teu panorama, caso não se lembre, em 2013. Força, colega. talvez você me diga isso, já que já passou por 2014, 15 até chegar ai, 2043. Medo. Mas medo é sentimento que sempre me acompanhou, me prendeu e me livrou de muita coisa também. Coração? Ah, nem vou falar, sabe como é, né... ser passional, ainda que os outros te vejam como fria e distante, é um problema. Bjus e abraços, porque, apesar da baixa auto-estima, eu me amo. Eu te amo. Bye. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…