Pular para o conteúdo principal

Teologia, com Felipe Neto


Não sei há quanto tempo a ideia de Deus me acompanha. Diria desde que nasci, mas ultimamente tenho refletido muito e chegado à conclusão de que nascemos nada: nenhuma crença, orientação, profissão, inquietação, etc, mas acredito na pré-disposição a certas coisas, a certos comportamentos e doenças, por exemplo. Sendo assim, e sendo de família evangélica-cristã, nasci predisposta a crer nEle, e assim o fiz desde ... não sei precisar, mas desde bem cedo, talvez não tão consciente como agora, mas com a mesma convicção. 

Tenho a ideia judaico-cristã de Deus. Yaveh, Jeová. God, Dío, Dios. Não, nenhuma energia cósmica informe, mas uma pessoa, aliás, três pessoas em um Deus, como um candelabro de três pontas, ou mesmo o tridente que é tradicionalmente usado pelo poder oposto, o diabo. Dizem que cremos em Deus pela forte necessidade de explicar a criação do universo, sanar nossa solidão galáctica, enfim. Mas essa necessidade imensa, que sinto, é exatamente o que me prova que Ele está lá, olhando do alto, e aqui também, me vendo de perto. Também não é aquela ideia de que tudo é Deus, meu gato, a árvore, as pessoas, não. Ele está em tudo, criou tudo, está em nós se o permitimos. Permissão é a palavra chave nos dias de hoje, nos dias de sempre. sendo um Deus pessoal, Ele quer relacionar-se conosco, ser nosso amigo, estar perto, porque Ele nos criou também pra sanar um pouco a Sua Solidão, talvez. Então, se deixamos, Ele vem e age. Se o que tem fome pede, Ele dá. É por isso que tem tanta miséria ainda nesse mundo: o mundo é dEle, mas Ele mesmo estabeleceu o livre-arbítrio, portanto, não pode ir contra isso, por mais que queira interferir não o faz se não o chamamos. Acontece que as pessoas querem que Ele venha, dê tudo de bom e suma, sem exigir nada em troca. Queremos viver do nosso jeito e, quando precisar, Ele vem, abençoa, depois vai embora, como se fosse um parente distante que vem só visitar. Ele quer ficar, mas é Deus, é puro, perfeito e não pode se aproximar de nós, visto que somos todos errados e pecadores. TODOS. Através de Jesus, agora, isso é possível: Jesus derramou seu sangue para isso. Pra mim é tudo tão evidente que não dá pra entender como as pessoas acham que Jesus foi ninguém - a história está dividida em antes e depois dele!!! - e simplesmente descartam a ideia de Deus ou a têm a seu bel-prazer. 

Fiquei pensando em tudo isso quando assisti o vídeo do Felipe Neto aí em cima. Assisti, ri, concordei e discordei dele. Ele é humanista, como a maioria de hoje o é. Entendi perfeitamente seu ponto de vista e concordo no ponto da hipocrisia de todos nós. TODOS. No entanto, creio que, se achamos algo errado, sobretudo em nós mesmos, temos que corrigir. Ponto. Se eu me acho errada sendo adúltera, vou parar com isso. Se eu me acho errado sendo gay, vou parar com isso. Se eu me acho errado sendo pedófilo, vou parar com isso. Dirão que estou misturando as coisas, sim, a grosso modo, no quesito "pecados". Agora a filosofia hoje é ser feliz, mas tem gente que se sente feliz matando, fazendo mal aos outros, humilhando, ridicularizando. Sim, a pessoa é de fato feliz daquele jeito, ou ao menos momentaneamente. O conceito de felicidade é muito abstrato, impessoal. meu sobrinho se sente feliz mordendo e batendo nas pessoas, mas ele pode fazer isso, ainda que seja autista? Não, os pais o corrigem.  Na verdade, poder, ele pode. Podemos tudo, mas até atos bons tem consequências ruins, e vice-versa também. Não sei. Prefiro me abster de dar pitaco tal qual faz o Felipe Neto porque desteto causar polêmicas, detesto discussões, argues e brigas. 

Quando eu não perdôo alguém, estou pecando. Quando eu rio do colega da escola, estou pecando. Quando julgo o jeito de alguém falar, andar, se vestir, estou igualmente pecando. Portanto, a lista do apóstolo Paulo engloba todos nós, isto é, TODOS nós, como pecadores originais, estamos condenados e só somos salvos através de Jesus, ponto. Taí uma coisa que nascemos todos, pecadores. Mea crença, mea culpa. bye. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Cabana

Estreando essa Coluna de quinta, vou falar sobre o filme A Cabana (The Shack). Demorei um bocado para falar sobre o filme, minha vontade quando assisti o filme foi sair dali e correr pra fazer uma resenha linda, elogiando altamente o filme. Porém ponderei e deixei a emoção esfriar. A maioria dos cristãos, os mais estudados, está fazendo duras críticas ao filme. Este vídeo é bem interessante e prova disso. Não discordo dele em muita coisa, porém em algumas coisas discordo e vou explicar o meu ponto de vista. O MEU ponto de vista. Este outro vídeo já fala bem, levando em consideração apenas a mensagem geral do filme: que Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um de nós. E isso, para nós cristãos, é um fato.

Desde que li o livro e soube do projeto do filme, porque já havia a ideia de transformá-lo em filme, fiquei na expectativa do filme. Confesso que quando leio, não consigo visualizar bem o que está escrito, e um filme me ajuda muito. Aí saiu e qual não foi a surpresa quan…

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…