Pular para o conteúdo principal

Chá, chuva, frio... noite


Chá, chuva, frio, noite: ela dormira o dia todo, praticamente. Passou mal ao subir o morro, o corpo lasso. Ficou com a calça de dormir de moletom molinho, cinza-escuro (a?) e a camiseta antiga do curso, preta, a primeira que havia comprado. O computador todo com vírus, o namorado falando que ia formatar e levar a gata embora. Estava prenha ou não? A gata, ela? As duas, era um possibilidade. Fora ao banheiro aliviar o intestino que funcionava quando queria. Funcionou, desinchou a barriga. Estaria prenha? A gata ficara fora o dia todo, passeando. Voltava pra comer. A dona pegou a gata, apertou-lhe a barriga: parecia sim mais rechonchuda, mas nem um movimento anormal de gatinhos. Na sua própria barriga também, nada de anormal, a não ser o atraso de ... melhor nem contar quanto tempo, era estranho, sei lá. 
Duas professora, ou melhor, ex-professoras, lhe enviaram e-mails, uma dizendo que ela deveria refazer o processo e acrescentar um outro, e a outra dizendo que achou o original do texto que ela lhe traduzira e que era pra pegar lá na sala dela, e quanto lhe devia. Problemas, só, ainda que não.
Fazia a revisão da revista da universidade, trabalhava... com o próximo concurso em mãos, sonhava trabalhar assim, no seu tempo, na frente do PC, sem chateações de alunos, apesar de que a sala de aula lhe fazia bem. Lembrou-se da noite anterior, quando fora dar aula exausta e tinha a impressão de que seria uma merda, ao que uma aluna, no final da mesma, disse ter gostado bastante da aula e não queria que acabasse. Com tanta desvalorização da categoria em todos os sentidos, sentiu-se feliz: fazia sua parte, o bem para a humanidade, ainda que em pequenas proporções. Valera a pena. 

Chá, chuva, friozinho. O corpo reclamava a idade, ou vice-versa. Percebera mudanças bruscas nos últimos dois anos: a queda acentuada de cabelos, o cansaço cada vez mais frequente, desânimo, falta de entusiasmo. Coisas, sim, que a acompanharam a vida toda, tirando a queda de cabelos, mas agora pareciam mais fortes, mais presentes. Era o corpo reclamando das besteiras sempre consumidas, da falta de exercício,  da falta de amor próprio, item emocional que o afeta diretamente. Sorriu. Sorriu porque parecia agora ter mais sabedoria sobre si, mais conhecimento, mais cuidado. Antes tarde do que nunca. 

Chá, chuva, friozinho. O namorado fez um resto de macarrão, comeu com salsicha frita. Ela ficou no chá com biscoitinhos. Tinham comido muitas bobagens, pão com mortadela, almoço com salsinha com molho, à noite tudo pesava e ela resolveu aliviar. Ele é diferente, normal, comum, comilão. Mas era interessante a convivência, como percebia que sempre tentava mudá-lo ou moldá-lo e não funcionava, e vice-versa. os dois tem que se moldar, mudar quando percebem tal necessidade, e vinham caminhando nessa perspectiva, ao menos tentando, desde então. Era por fim e antes de tudo um experimento antropológico, uma questão filosófica, um que sem mais: um amor racional. 

Comia enquanto chovia, enquanto escrevia, enquanto pensava, em quanto agia, enquanto ele televisão via. Os contos lhe saíam melhores quando pessoais. As poesias fluíam sempre, mas fazia tempo que não as escrevia. Pensava no palco, ainda, em quando pisaria num novamente, fosse para cantar (em coral) ou atuar, saudades imensas de atuar. Vira no site da capital um anúncio de seleção de figurantes para uma ópera (!!!), mas estava muito em cima, não poderia viajar pra lá. Ah, as amarras do sistema! Trabalhar é preciso, comer, viver, fazer sua rotina diária sem sair do lugar. Ah!!!!

Terminou as revisões, a chuva parou, o namorado dormiu, a gata também. Ainda era frio, eram 20h24. escreveu no blog enquanto a chuva repentinamente voltava. Voltou a jogar paciência, foi ver editais. Ah, o concurso de literatura! Seria seu? estaria prenha, a gata? Ainda pensava. Nas duas. Bye. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…