Pular para o conteúdo principal

Sobre guerras - para mulheres


Perdas. Estupro. Desilusão, choro, dor. Parece que a vida das mulheres em geral está condicionada a isso. Liberdade total. Poder. Força. Ser "macho". Parece que a vida dos homens está condicionada a isso. O documentário "A guerra invisível", que pode ser visto pelo youtube, trata dessa guerra contra os homens que mulheres no exército americano travam. na verdade, não é guerra contra os homens, mas contra a cultura do estupro. 
Estou vendo agora a terceira parte do documentário onde uma investigadora diz que, em caso de denúncia, sempre perguntam à mulher o que ela estava vestindo, onde estava, se o cara era namorado ou não. na verdade, acho que isso vem no final da segunda parte. Anyway, o caso é que essas mulheres no exército geralmente estão em serviço quando são estupradas, ou seja, estão de farda, ou de algum jeito considerado mais "decente". Mas e se estivessem à vontade, de shortinho ou camiseta, sem sutiã, sei lá? Geralmente se anda assim dentro de casa ou quando você está num quarto sozinha, onde uma das entrevistadas foi abordada. Ela estava no espaço dela, no direito dela. Não importa a roupa, isso é absurdo. Não sou a favor de usar coisas super curtas e super decotadas, pessoalmente não gosto, mas isso NÃO é justificativa para, por exemplo, meter a mão debaixo do vestido de alguma mulher, como o fez Gerald Thomas com a Nicole Bahls, aquele retardado. E se o cara for namorado, tudo bem? De repente naquele dia, ela não estava a fim, ai ele simplesmente forçou e isso não é estupro, não é crime? De repente, a mulher entrou no quarto do cara e não teve nenhuma reação, retirou-se do próprio corpo, como muitas relatam em vários casos - não falo do  documentário em específico - e sequer conseguiu dizer não. Ou lutou, gritou, disse não e mesmo assim, o cara avançou. Estupro nos dois casos. 
O que mais choca é saber que no exército, parece que essa questão é tratada dentro do próprio exército, ou seja, não vai à justiça comum e muitas vezes é negligenciado, almost as a laughing matter, como diz a investigadora que aparece. Como pode ser motivo de riso, piada? Homem não sabe o impacto emocional disso. Aliás, sabe sim. Lendo aqui, eu soube que o exército usa o estupro como arma para desmoralizar o inimigo. Ridiculous, mas... Então se usa essa mesma "arma" para desmoralizar as mulheres pra que voltem pra casa e não se metam em lugar de homem, é isso? Parece que é o que está nas entrelinhas...
Uma das entrevistadas é casada, tem uma filha, e vive tomando remédios que combinados, podem matar, tudo porque o estuprador bateu no rosto dela e deslocou seu maxilar irremediavelmente. Ela não come coisas sólidas e ainda tem que se entupir de remédios. A lembrança do acontecido não sai da frente dela, todos os dias. 
Gosto muito do filme "Até o limite da honra" (G.I. Jane) com a Demi Moore. Não lembro bem o motivo, mas ela entra no exército e pede para ser tratada como soldado comum e sofre horrores. Não é estuprada, se bem me lembro, e consegue conquistar seu lugar. Precisamos de filmes inspiradores, mas precisamos de realidade também. O documentário é tenso, triste, mas necessário. 
E eu que só ia falar da feijoada de hoje que comi na casa do sogro, apesar de não gostar muito, e estava muito boa. Ia falar de perdas quando comecei a assistir o documentário. Preferi não falar de mim, mas os depoimentos falam de mim também. É clichê, mas é verdade: essas coisas doem, mas nos tornam fortes. Se a gente, todo ser humano, pensar no que já passou nessa vida e ver que está vivo, constituiu família, trabalha... veremos que é porque existe uma força divina dentro de nós que faz a gente seguir, apesar de tudo: a força chama-se vida. Bye. 

Comentários

Vanessa Santos disse…
Bela reflexão!
Me faz uma visita?
http://mardeletras2010.blogspot.com.br/2013/05/eros.html

Postagens mais visitadas deste blog

A fase do não

Lídia tem me dito muito não ultimamente. E haja paciência para lidar com isso! Uma mulher que trabalha, tem casa, marido e uma filhinha pequena realmente tem problemas com ser paciente. Tudo que envolve ser uma boa mãe fica ameaçado quando não se pode dedicar-se à criança integralmente. E toda mãe tem, de dois, um dos sonhos: poder dedicar-se integralmente ao seu rebento ou sair para trabalhar sem sentir-se culpada. O primeiro ainda é possível de conseguir para algumas afortunadas; já o segundo... Bem vinda ao mundo da maternidade!

Bom, os nãos da Lídia só não são mais problemáticos porque sua alegria impera e nos contagia. Ainda bem que já estou de "férias" (duas semaninhas de julho) e posso acompanhar melhor a pequena com toda sua cantoria, obra da escolinha e dos videos da galinha pintadinha. Além da galinácea, no menu temos Peppa Pig, O show da Luna, Mundo Disney e por aí vai. Na festa da família na escolinha, a professora bem que tentou fazer os pequenos falarem os ver…

Personas

O top virou peça de dormir. O shortinho de academia, bem, uso em casa mesmo. A disposição pra levantar de manhã cedo e ir caminhar depois de colocar a filhotinha na van se foi, preciso dormir mais, obra do cansaço. Qualquer roupa tá bom. Me arrumar? Quando dá. Se der, deu, se não der, paciência.

Em pleno dia do rock, o dia foi pauleira mesmo. Muita prova de recuperação, aluno enchendo por causa de pontos, ter que manter a todo custo o aluno em sala de aula fazendo alguma coisa, ufs! Conselho de classe e entrega de notas foram pra agosto, thanks God! Mas o dia deixou suas marcas. Uma forte dor de cabeça me tomou desde cedo, tomei um remédio - sim, automediquei-me - e passou, mas me deixou um tanto ligada o comprimido marrom que contém cafeína.

Não tenho tempo para mim, mas tento. Estou fazendo um curso online de musicoterapia e a música é minha melhor terapia. canto mal, mas espanta mesmo os males! Não é fácil conciliar todas as personas: mulher, mãe, professora, esposa, dona de casa,…

Primeira postagem 2016

Nem me dei conta de que hoje foi sábado. Os dias aqui, para mim, passam como se fosse uma coisa só: todo dia, "nada" pra fazer - ócio criativo, talvez, apesar de que não tenho criado nada. Mas tenho visto e lido de um tudo: muitos filmes (Império, Transcendence, Mad Max, etc) e alguns livros (Conto de Natal, de Charles Dickens e sobretudo a Bíblia). Ganhei a Bíblia da Mulher e tenho me alimentado bem dela.
esqueci de pegar foto no face
Viajar pra casa dos pais é voltar ao passado infantil. É bom e mau ao mesmo tempo, nos deparamos sempre com algumas mágoas, algumas falhas, alguns concertos. Certas relações a gente não entende porque é do outro; briga, chora, grita, se enraivece e, por fim - maturidade! - aceita e toca o barco.
Tem chovido bem em Sampa. Hoje a água caiu mesmo. Minha mãe e irmã viajaram pra Goiás. E eu cá estou com a minha moreninha, esperando a boa vontade do governo estadual pra voltar pra Bh. Na verdade faremos uma ponte Viçosa-BH. É bom viajar a sós, só co…