Pular para o conteúdo principal

Sobre nós mesmos


Desde quinta as coisas desencaminharam. Ontem, um alívio. Foram coisas pequenas, o bater das asas de uma borboleta que causa um tsunami. Na quinta-feira, acordei afobada, saímos rapidamente para médico às 10h. chegando lá, descobri que a consulta estava marcada para as 14h30. Mal acreditei, não costumo cometer esse tipo de erro. Preciso realmente de férias, pensei. Na sexta-feira, enviei duas resenhas encomendadas bem cedo e pedi pro husboy ficar de olho no e-mail e no face, já que eu ficaria o dia todo fora. Qualquer coisa, me avisar pelo cel. O dia todo não recebi nenhuma ligação, achei que estava tudo certo. Mas vi que estava com pouco dinheiro e liguei pra pedir mais uma graninha pro meu lanchinho da tarde. Em vão. Liguei 200 mil vezes, nada, só caixa postal. Liguei pro sogro, que me retornou. Expliquei que queria saber do namo. Logo depois, ele mesmo ligou dizendo que havia um recado da pessoa que pediu as resenhas dizendo que não tinha recebido, sendo que deveria ter recebido antes das 14h conforme o combinado. O celular dele estava descarregado, por isso não ligara, o modem não estava funcionando direito, ele vira o recado só naquele momento, quase 18h. me desesperei, com fome, sem acesso, sem entregar o documento, me debulhei em lágrimas, brigamos por telefone e pessoalmente. Ao chegar em casa, vendo o recado da pessoa, descobri que eu havia mandado para e-mail errado: troquei uma única letra e tudo foi pro espaço, o suficiente pra brigarmos e nos enraivecermos. Com motivo, é claro, mas não precisava tanto. Fiquei com raiva por ele não ter carregado o celular, não achou o carregador. Tive uma crise nervosa, chorando até soluçar. Ontem de manhã foram os alunos que me estressaram, mas isso é sempre =/.

Hoje me deparo com notícias sobre a Jornada Mundial da Juventude e a marcha das vadias. Na verdade, ontem vi uma foto polêmica de um casal participando da marcha das vadias. Nus, quebraram a imagem de uma santa de parece que usaram um crucifixo e a própria imagem como "consolo", nas partes íntimas. E da parte da JMJ, teve um peregrino que cuspiu na cara de uma manifestante. E distribuíram fetos em miniatura. Bom, parece que tônica do negócio foi chocar mesmo, aí deu certo. Primeiro que eu não entendo a exposição dos corpos na marcha das vadias. Parece que a liberdade sexual é a maior bandeira. Particularmente não participaria da marcha. E por outro lado distribuir fetos é chocante também. Eu mesma vi um feto de verdade, no laboratório da escola onde estudei, era um mini ser-humano morto, totalmente branco feito uma parede. Concordo que não seja um ser humano completo, que um estupro é um horror, etc etc, mas... cara, não sei, estou grávida. O feto não é parte do corpo da mulher, ainda que dependa da vida dela para ter a própria. tanto é que a partir do 5º mês ele até já pode nascer, com riscos, é claro, mas tem chances de sobrevivência. Por isso querem legalizar o aborto para até o terceiro mês de gestação, se não me engano. Mesmo assim, sou contra. 

Assuntos pesados e polêmicos à parte, ontem recebi duas visitas especias, minha irmã e minha tia vieram de São paulo e Rio, respectivamente, para me visitar, junto com meu sobrinho. As famílias se juntaram, foi muito bom, trocamos notícias e presentes. A vida vale a pena. :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

H. Pylori

A partir de hoje, se a grana deixar, minha dieta será essa aqui. Descobri, indo hoje ao médico, que tenho uma bactéria no estômago, na verdade uma bactéria comum que muita gente tem, mas que pode ou não se manifestar pro mal. É claro que no meu caso ela fez questão de ser do mal e se manifestar. Eu já tinha cortado bebidas alcoólicas, café e refrigerante, agora só falta remover o estômago mesmo. Sim, porque comer só frutas (não cítricas), legumes e vegetais sempre refogados, lembrar que isso ou aquilo tem gordura ou ataca o estômago, bom, é coisa de nutricionista, ou de gente antenada demais no que come. Cortar frituras também, que são superiormente mais saborosas que coisas cozidas, mas tudo bem. E pensar que tem gente se acabando no torresmo com cachaça sem nada lhes acontecer... Mais um capítulo da injustiça do universo contra mim. A vida sem sabor.
Duzentos mil atrasos hoje e o preço do remédio pra matar a bactéria me fizeram chorar de raiva e tristeza. Pergunto, como sempre, por…

A solidão do professor

Pouco se fala sobre um sentimento que por certo atinge o professor: a solidão. Fala-se em valorizar o profissional, em melhorar salários, em aperfeiçoar a formação, capacitar sempre mais. Não se lembra que é uma profissão que precisa de cuidado psicológico. Você briga com e contra os alunos muitas vezes. Você tenta abrir suas mentes para o novo, o velho, fazer as conexões, entender, aprender. E tem hora que parece que a gente desiste. Que quando vem um comentário altamente crítico ao seu fazer, desmoronamos. Poxa, tanto esforço pra nada!? A falta de retorno positivo, de um elogio, um abono, uma promoção é deprimente. Desgastante. Falta retorno do aluno também. Pelas provas, nada sabemos. Não conseguimos tampouco estabelecer uma relação ais próxima com cada aluno. Nenhum deles vem e diz, "nossa professor, aprendi tanto na aula de hoje!" (pode ser que algum faça, na faculdade talvez). A gente tem que advinhar as dúvidas, o que poderia ser mais dificil ou não, e segue o ritmo …

Inutilidade pública - a história de Benê

O que é ser (in)útil?


Benê se sentia inútil. Vivendo de aluguel com uma gata e uma cadelinha, ia empurrando as coisas com a barriga (literalmente). Desempregado e acima do peso, gostava mesmo era de comer, jogar video game e conversar com friends pelo cell phone. A cadelinha era sua melhor companhia. de vez em quando gritava com ela, tocava-a de onde estava, mas ela logo voltava feliz lhe abanando o rabo. Já a gata não. Olhava-o com altivez, as vezes se roçava em suas pernas, recebia seu carinho e até dormia com ele, mas se irritada, arranhava-lhe sem dó e de repente. Benê tinha vários arranhões, mas amava aquela gata sem bem saber por que. De vez em quando ela dava um sumiço, mas sempre também voltava, com parcimônia. Estava sempre pronta para partir. 
Benê comia porcarias, e comida boa em quantidades rinocerônticas, mas gostaria de mudar se não fosse essa imensa, intensa e incontrolável fome que sentia. A comida era a única fonte e prazer que enxergava, rápida e concreta. Um dia pas…